Governo chileno alega que K-pop incentivou protestos no país

Eles são "altamente influenciados" pela mídia digital, diz o documento.

Por: Redação

Neste domingo, 22, o Ministério do Interior do Chile apresentou um relatório sobre os elementos que incentivaram os protestos chilenos. O estudo considerou o comportamento das redes sociais e descobriu que o K-pop está entre os acusados de fomentar os protestos.

Grupo sul-coreano BTS
Crédito: BigHit Entertainment Bts/divulgaçãoK-Pop dominando o mundo. Grupo BTS reúne 42 mil pessoas em SP

O jornal chileno “La Tercera” teve acesso ao relatório de 112 e divulgou conclusões do documento. A análise está fundamentada no comportamento de quase 5 milhões de usuários de redes sociais entre os dias 18 de outubro e 21 de novembro.

Crédito: Diario de Gonnet/Reprodução/TwitterOs violentos protestos no Chile já deixaram 11 pessoas mortas

O relatório formulado pelo Ministério do Interior do Chile avaliou o comportamento dos usuários nas redes sociais para a conclusão do estudo.

Antes da onda de protestos no Chile, segundo o relatório, o grupo registrava baixas referências a questões políticas e sociais. Esses indivíduos têm menos de cinco mil seguidores.

Outra característica desses jovens fãs de K-pop é a de dar a essas mobilizações um caráter histórico e focalizar suas perguntas no governo no número de mortos, violações de direitos humanos.”

Onda de protestos

Em outubro deste ano,  violentos protestos que se espalharam pelo Chile e deixaram 23 mortos e dezenas de feridos com sequelas permanentes. Santiago testemunhou o primeiro toque de recolher desde o fim da ditadura do governo Pinochet.

Compartilhe: