Preservação do ipê-roxo inclui estudo de suas variações genéticas

Pesquisadores da Embrapa e das universidades federais de Goiás e de Lavras examinam código genético da espécie para determinar melhores práticas de manejo

Por: Redação |

Quanto mais bem adaptado ao seu meio, mais um indivíduo tem chances de prosperar. Acha que estamos falando só de seres humanos? Nada disso. O raciocínio vale para árvores também. Assim, a preservação do ipê-roxo ganha um importante aliado. Trata-se dos estudos do DNA da espécie, baseado em um novo sistema de genotipagem – ou exame do código genético.

A preservação do ipê-roxo ganha um aliado: a análise das variações genéticas da espécie
Crédito: Reprodução/Evandro Novaes/EmbrapaA preservação do ipê-roxo ganha um aliado: a análise das variações genéticas da espécie

Esses estudos vêm sendo realizados por cientistas da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (DF), da Universidade Federal de Goiás (UFG) e da Universidade Federal de Lavras (Ufla).

A lógica da importância do trabalho desses pesquisadores para a preservação do ipê-roxo é simples.

O exame do seu DNA fornece pistas sobre a relação da espécie com o local em que se desenvolveu. E mostra quais características ela adquiriu com o tempo – suas variações genéticas – para sobreviver ali.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis.

Por sinal, o ipê-roxo estabeleceu populações em diversos ambientes do território brasileiro – no Norte, no Nordeste, no Centro-Oeste e no Sudeste.

Dessa forma, a análise do DNA ajuda a estabelecer as melhores práticas de manejo sustentável a partir das características genéticas da planta em cada uma dessas regiões.

É possível, por exemplo, haver diferenças em relação ao intervalo recomendado entre um corte e outro das árvores.

No início de 2018, os pesquisadores já haviam desvendado a sequência de DNA no conjunto de genes da espécie.

Agora, com a análise das suas variações genéticas, é dado mais um passo importante para as estratégias de preservação do ipê-roxo.

Leia também: Reciclagem de tampinhas plásticas banca castração de pets sem lar

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, presidente da GranBio e especialista em soluções sustentáveis.

Compartilhe: