Quem Inova
Quem Inova
Quem Inova
Quem Inova

Quem Inova

Pesquisadores criam teste em papel que pode detectar ebola

Por: Redação

A epidemia de ebola que atinge alguns países da África Ocidental já causou a morte de quase 5.000 pessoas. Pesquisadores do mundo todo estão empenhando em encontrar uma solução eficaz para evitar que mais pessoas morram.  É o caso de um grupo de cientistas do Wyss Institute, da Universidade de Harvard, que está realizando estudos para produzir um teste em papel programado a partir do DNA, que poderá detectar se a pessoa está com  vírus do ebola em 30 minutos.

Usando uma nova técnica de biologia sintética, os cientistas provaram que a descoberta funciona ao desenvolver um protótipo de teste de ebola em apenas 12 horas e utilizando US$ 20 (R$ 49) em materiais. Para realizar esses diagnósticos, são utilizados vários ingredientes biológicos, como o material genético.

Segundo os pesquisadores, tais ingredientes podem ser liofilizados e preservados em papel comum. Jim Collins, líder do grupo de pesquisa e professor das universidades de Boston e Harvard, disse à rede britânica BBC que o pó biológico pode ser reativado apenas com a adição de água.

Quando são reidratados, esses circuitos biológicos funcionam nos pequenos pedaços de papeis como se estivessem no interior de uma célula viva. Então, as proteínas do vírus interagem com uma chave genética do teste e, caso haja uma combinação, ela é ativada.

O kit do teste genético tem uma saída simples de cor, que transforma o papel de amarelo para roxo, com a modificação visível em apenas meia hora. No entanto, o exame de ebola ainda não está completamente pronto para utilização nas regiões de epidemia.

Para ajudar na conscientização sobre o vírus ebola, um grupo composto por artistas africanos lançou uma música chamada “Africa Stop Ebola”. A letra foi escrita pelos colaboradores ao lado de Carlos Chirinos, especialista em comunicação comportamental, e traz conselhos para a população se proteger da doença.

Assista ao clipe da música:

Via Fast Company

Compartilhe:

Tags: #Doença