Dicas de passeios nos arredores de Cartagena, na Colômbia

Não espere encontrar aquele mar incrível e azul caribenho na própria cidade de Cartagena. As praias da cidade não são muito bonitas, têm água e areia mais escuras. As melhores praias ficam longe (não muito) e  exigem passeios de um dia todo de barco (existe uma praia, mas é publica. Vamos falar).

Para quem não notou, Cartagena é formada por ilhas que os espanhóis ligaram através de pontes. É quando você sai de barco pelo estreito de Boca Chica que nota a exuberância desse conjunto de ilhas. Algumas delas tão pequenas que só cabe uma única casa.

Ai, já estamos no mar do Caribe, que apesar de não ter aquele azul bebê, é perfeito para mergulho e snorkel, com ótima visibilidade e bancos de corais cheios de surpresas.

Você sabe… com águas cristalinas, corais, céu aberto e piña colada!

Mas o ideal e também o mais comum é fechar os passeios até alguma das ilhas.

O passeio dura todo o dia, sai às 9 da manhã da marina e leva 1 hora para chegar até a ilha. Chegando lá, é um verdadeiro paraíso, e quase que deserto! Como essa é uma ilha pequena, o número de visitantes é sempre limitado, o que faz o passeio ser bastante exclusivo,

Existem várias opções de passeios até vários de Ilhas. Prestem atenção todas elas são “Isla del Rosário” porque é um grande complexo de ilhas composto por várias pequenas ilhas. Ou seja, se alguém te falou que foi na Ilha do Rosário veja bem em qual dos resorts que ela foi. Perguntamos a vários guias que ofereciam passeios. Olhamos diversas fotos até decidirmos nossos passeios. E recomendamos abaixo as que fizemos:

Isla Cocoliso

Chegamos no Cocoliso e já vimos todas as dependências do local que possui uma estrutura muito boa. Há uma piscina bem grande com um bar, várias árvores que proporcionam a sombra necessária para os visitantes e há um setor onde é possível tomar um banho de mar em uma água cristalina. Você também consegue incluir outras atividades como a visita em um Oceanário (localizado em uma outra ilha do arquipélago: San Martin de Pajarales) e snorkeling. Na chegada são oferecidos passeios ao Oceanário e para mergulho com snorkel, mas optamos por apenas curtir a praia.

O resort tem boa estrutura, um grande salão onde é servido o almoço, banheiros, área de piscinas, bar e quiosque com equipamentos para aluguel – snorkel e sapatilhas. O almoço, incluído no valor pago, é servido em dois horários distintos.

A refeição pouco varia de um resort em relação ao outro: arroz de coco, patacones (bananas em forma de panquequinhas, fritas), salada verde, frutas fatiadas (melancia e manga), suco e peixe frito (mojarra).

A praia não possui área de areia, possuindo um deck junto a mureta que dá acesso ao mar, por escadas (iguais as usadas em piscinas). Junto ao deck há mesas, cadeiras e espreguiçadeiras, que permitem um banho de sol confortável ou a permanência, junto ao mar, ao abrigo de ombrelones.

Na área de banho o fundo do mar é recoberto por corais e pedras, o que machuca bastante os pés e sempre há o risco de um corte se você nao tiver cuidado. É aconselhável o uso de sapatilhas. Nós não usamos, ainda não tínhamos, é possível andar.

Numa escala de tons de verde, contrastando com o tom levemente amarelado da areia e corais ao fundo, as águas são um deleite para os olhos (e para as lentes das câmeras).

Nós não fizemos os passeios que oferecem para fora da ilha, não só por tere que pagar um valor a mais, mas principalmente porque achamos que desta forma não aproveitaríamos direito lugar nenhum. Não desfrutaríamos do maravilhoso resort que havíamos pagado para ficar.

 

Isla del Sol

Em cerca de 45 minutos de lancha rápida na ida e chegamos. Bem, na teoria seria isso. Mas o dia que fomos o tempo não estava tão bom e o mar estava complicado.

Fazendo a piadinha… Sim, a “Isla del Sol” estava sem Sol.

O lugar é muito bonito, imagino que em um dia de sol deva ficar ainda mais. A praia, para quem mora no Brasil e passeia pelas praias por aqui, eu diria que não é nada que diga: UAU! Mas é uma ótima praia, com água cristalina, sem nenhuma onda e quentinha.

 

O mar é muito calmo, sem formação de ondas e com alguns peixinhos coloridos convivendo harmoniosamente com os turistas, para delírio das crianças.

Passando desta parte aonde tem uma “casinha” o mar fica profundo e é possível fazer mergulho de snorkel.

Playa Blanca

É uma praia pública e fica bem próxima a um povoado bem simplório que em sua maioria vive de trabalhos na ilha, seja nas barracas, seja como ambulantes. Então há sim uma enxurrada de ambulantes vendendo suas coisas, querendo fazer massagem. (Sim, bem exageradamente assim).

Mesmo sendo uma praia pública, optamos por fechar um pacote com uma empresa que oferecia o translado e o almoço. Assim não tínhamos que nos preocupar(em teoria). O trajeto leva cerca de uma hora de ônibus. Ao chegar lá ela nos encaminhou até a barraca que serviria como ponto de encontro do nosso grupo. Ficamos por ali mesmo. Só que por ser praia pública não temos direito a nada. Então alugamos um guarda-sol com 2 cadeiras. (Sim, mesmo você tendo fechado o passeio, por ser praia publica, quando você chega na praia tudo tem que pagar).

O almoço foi à uma da tarde. A porção era bem pequena, até eu fiquei com fome. Mas era bom. Acompanhava uma garrafinha bem pequena de coca cola bem gelada.

No dia que fomos era um domingo e por conta disso a praia esta bem cheia de pessoas da cidade, com pouca faixa de area livre e muita gente no mar.

Às 16h, horário combinado do término do passeio, seguimos de volta para o ônibus.

Dicas

  • O valor dos passeios para as ilhas nominadas variou entre 120 e 150 mil pesos, por pessoa, todos com as refeições inclusas. Na chegada é informado que, para aqueles que não comem peixe, sendo feita a solicitação naquele momento, é possível optar por carne ou frango;
  • Fora o valor cobrado nas agências de viagens há o imposto de 14 mil pesos por pessoa, para entrar no complexo de Islas del Rosário. O imposto deve ser pago pelo próprio turista, no porto.
  • Em todas as ilhas particulares nos foram oferecidos artigos de artesanato produzidos pelos nativos. Não são insistentes, mas a maioria vende apenas alguns adereços simples e sem qualquer apelo.
  • O tipo de lancha e seu comportamento no mar varia de acordo com o empreendimento a ser visitado, mas em todos os casos há preocupação com a segurança. Todos recebem e são obrigados a usar coletes salva-vidas em boas condições, que devem ser mantidos afivelados, inclusive em bebês de colo.

Nossa Análise

É por isso que um dos passeios obrigatórios para qualquer turista em Cartagena é passar ao menos um dia fora da cidade, fazendo um passeio de barco que o leve até alguma ilha próxima que tenha esses ingredientes caribenhos. Claro que nós não iríamos fugir à regra…

Fazer os passeios em sistema de bate e volta proporciona conhecer diferentes lugares com características bastante singulares.

O que mais é preciso saber para curtir o sol e as águas colombianas? Protetor solar, um chapéu para os mais sensíveis e um coração aberto para curtir aquele povo são a melhor receita para a felicidade (e é muito fácil ser feliz em Cartagena).

Em parceria com LiviajanteOficial

Blog de viagem, dicas, positividade, histórias e muito mais. Por duas melhores amigas. Partiu para: viagens, lugares, conhecer pessoas, vivenciar experiências, positividade...