Espetáculo Saída de Emergência reestreia no SESI Cid. A. E. Carvalho

Sinopse do Espetáculo:

Saída de emergência trata de forma questionadora os medos, anseios, degradação e atual estado evolutivo humano através de situações do cotidiano e também do temor que as pessoas tem do FIM. Situações limite colocam personagens cotidianos a se depararem com seus maiores problemas: seus egos e egoísmos, levantando questões como: o que fazer agora que não há mais o que ser feito.

Inspirado em textos de Chuck Palahniuk, Mário Bortolotto e Caio Fernando Abreu, o grupo apresenta seu primeiro teatro baseado na pesquisa do caótico. Com as reflexivas músicas da Banda Visionários S/A o espetáculo promete provocar o público de várias maneiras causando assim, não espanto, mas reflexões internas

Ficha Técnica:
Texto e Direção Geral: Zé Alberto Martins
Trilha sonora: Djowks
Pesquisa de trilha: Zé Alberto Martins
Músicas tema: Visionários S/A e Pitty
Iluminação: Oton Andrade, Kuka Batista e Ricki Soares
Operação de Luz e Som: Oton Andrade
Cenário: Zé Alberto Martins e Equipe de Cenário
Figurinos: O Grupo
Produção Executiva: Cia Teatral S.A.P.O.
Arte Gráfica: Rosênio

Elenco:
Aline Gyacommo
Aline Viana
Amanda Nascimento
Arnold Reis
Felipe Miranda
Joyce Gervaes
Juliana Gervaes
Lucas Castilho
Marcelo Brosco
Renato Santos
Samara Karina
Thais Guerrieri
Stand – by:
Zé Alberto Martins

“Fomos criados pela televisão para acreditarmos que seríamos milionários ou estrelas da Tv. Mas nós não somos. Aos poucos estamos tomando consciência do fato. E estamos muito, muito putos!” Quando li Chuck Palahniuk pela primeira vez, tive a sensação de ter levado um murro na boca do estômago. Naquele momento comecei a reverenciar o caos e a ironia como os meios mais eficazes e mais divertidos de passar uma mensagem. Foi sob essa linha de raciocínio, que eu passava as idéias, e os atores as executavam. E ver esse molho de ironias e conflitos tomando forma foi maravilhoso. Cada dia surgia uma nova idéia,e todas elas amarradas, empacotadas e seladas transformaram-se em SAÍDA DE EMERGÊNCA. O único lugar para onde podemos correr em caso de pânico é um lugar decadente, com pouca iluminação, com escadas rústicas, ruídos assustadores e um cheiro constante de tinta velha. Isso se chama ironia. Espero que todos apreciem o passeio, pois o fim do mundo está dentro de nós. Sempre esteve. E agora ele decidiu acordar para ir até a geladeira pegar uma cerveja.

Zé Alberto Martins

Redação

Por Redação

Conteúdos produzidos por uma equipe super diversificada da Catraca Livre. Diferentes perfis se unem para compor um time plural focado em traduzir o melhor do jornalismo para nosso público.