Até 19 de maio, Projeto Phusion traz expoentes do jazz brasileiro no CCBB

divulgação
DJ Thaira

O projeto do CCBB promove uma série de encontros entre expoentes do jazz brasileiro e nomes reconhecidos da música eletrônica nacional. A cada terça-feira,  apresentação de músicos, DJs e produtores de diferentes vertentes, ligados ao improviso e ao universo dançante em comum, seja de maneira informal (jam session) ou com arranjos previamente elaborados. Cibelle e Azmuth abriram a programação no dia 21 de abril.

Projeto Phusion apresenta encontro entre DJ Tahira e Trio 3-63

O segundo encontro da série vai reunir as batidas do DJ Tahira e a harmoniosa sonoridade do Trio 3-63, formado pelos músicos Andrea Ernest Dias (flauta), Paulo Braga (piano) e Marcos Suzano (percussão). Os shows acontecem em dois horários, às 13h e às 19h30 e os ingressos custam R$ 6,00 e R$ 3,00 (meia-entrada).

Neste encontro, o DJ Tahira, que está retornando de um tour por Nova York e pelo leste Europeu, fará uma performance ao vivo ao lado do Trio 3-63, que, além de estrear na capital paulista, ainda lança um novo álbum. Assim, mecanismos musicais digitalizados entrarão em contato direto com o universo instrumentalista e harmonioso do Trio 3-63, que estreou em 2005 na série “Vision du Brésil” do GMEM – Centre National de Musique, em Marselha, França. Na busca por uma nova sonoridade em comum, as atrações prometem uma apresentação no mínimo inusitada, no melhor “jam session”.

DJ Tahira – A propriedade com que Alexandre Tahira fala sobre música não é aleatória. O DJ, divulgador, produtor, crítico e agitador cultural, Tahira passou boa parte da sua carreira se dedicando ao estudo dos ritmos brasileiros, latinos e africanos. Do afrobeat ao house, sua especialidade é a nova música brasileira, de vertentes distintas como jazz, MPB, hip hop e soul, misturando grooves de todas as épocas e lugares. O DJ conquistou seu espaço com um som moderno e retrô ao mesmo tempo, dentro de estilos como rare grooves, house, broken beat, nu-jazz, techno, abstract e hip hop.

Trio 3-63
– Três músicos nascidos em 1963 (“3-63”) se encontram e propõem um programa dedicado à escuta das múltiplas freqüências da criação musical brasileira, eruditas e populares. A flautista Andrea Ernest Dias, o pianista Paulo Braga e o percussionista Marcos Suzano fazem jus ao melhor de sua geração, transitando livremente e com desenvoltura pelos vastos domínios da música. Com qualidade lírica e harmonias pesquisadas, o trio resume a atual cara da música instrumental. A percussão original e inquieta, ligada as origens africanas, é recriada por procedimentos digitais, samplers, fazendo ressoar o cosmopolitismo dos ritmos e sons brasileiros.

Novas fusões – A proposta do projeto é promover um novo encontro entre músicos, DJ´s e produtores, que criam por meio das mais diversas influências e, com diferentes estilos e vertentes, apresentam as novas fusões da cena musical contemporânea. Os encontros buscam um único objetivo: a musicalidade dançante comum, elaborada de maneira livre e experimental, dentro do samba-jazz, bossa nova, soul, funk, drum’n’bass, nu-jazz e outras possibilidades de fusão da música universal brasileira.

Confira a programação:

28 de Abril – DJ Tahira e Trio 3-63
A propriedade com que Alexandre Tahira fala sobre música não é aleatória. O DJ, divulgador, produtor, crítico e agitador cultural passou boa parte da sua carreira se dedicando ao estudo de diversos ritmos brasileiros, latinos e africanos.
Trio 3-63 – Três músicos nascidos em 1963 se encontram e propõem um programa dedicado à escuta das múltiplas freqüências da criação musical brasileira, eruditas e populares. A flautista Andrea Ernest Dias, o pianista Paulo Braga e o percussionista Marcos Suzano fazem jus ao melhor de sua geração, transitando livremente e com desenvoltura pelos vastos domínios da música.

05 de Maio – DJ Tudo/Garrafada e Batucajé
Quando Alfredo Bello, músico graduado, produtor musical e grande pesquisador de Música Brasileira assume as pick ups, ele atua sob o pseudômino de DJ TUDO. Seus sets são recheados de antropologia, cibernética, cultura popular, folclore, misticismo, discursos políticos e fragmentos musicais que juntos com o drum’n’bass, o pífanos, o bumba meu boi, a macumba,o carimbó e outros ritmos promovem uma aula dançante de música contemporânea. Batucajé é o nome da união/conexão entre três gerações de percussionistas:  Robertinho Silva, Simone Soul e Jadna Zimmermann, reconhecidos por suas vivências dentro do amplo território da Ritmia Brasileira. E a Batucada é a expressão desta celebração de ritmos onde a percussão é uma ferramenta sonora mundana, humana e vital.

12 de Maio – Curupira e Samba Jazz
O Trio Curupira é formado por jovens músicos e compositores de São Paulo –André Marques, Cleber Almeida e Fabio Gouvêa – que vem exibindo para platéias do Brasil e do exterior um dos trabalhos mais criativos do gênero instrumental.
Formado por Kiko Continentino no piano (e teclados), Luiz Alves no contrabaixo acústico e Clauton “Neguinho”Sales na bateria e trompete, o Samba Jazz Trio é um grupo instrumental que toca de tudo, mas em tudo o que toca, estão presentes o swing e a sutileza do samba, a elegância harmônica da bossa e a liberdade jazzística, em suas infinitas possibilidades.

19 de Maio – Lavoura Eletro e Chico Correa
O Lavoura é um coletivo dedicado à eletrônica híbrida, que combina psicodelia digital, funk setentista e afrofuturismos, com imagens produzidas por VJs em tempo real. Formado pelos músicos Fernando TRZ (synth), Fabiano IB (baixo), Paulo Pires (bateria) e Caleb Mascarenhas (synths e programações), o grupo lançou três álbuns independentes. Chico Correa é produtor musical, Dj e Guitarrista. Além de sua ChicoCorrea&ElectronicBand, já tocou nas bandas Cabruera, Totonho e Os Cabras, DJ Dolores, Dj Tudo, Lado 2 Estéreo. O coletivo baseia-se na música nordestina como ponto de partida para experimentações sonoras.

Redação

Por Redação

Conteúdos produzidos por uma equipe super diversificada da Catraca Livre. Diferentes perfis se unem para compor um time plural focado em traduzir o melhor do jornalismo para nosso público.