CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Batalhão da Vagabundagem recebe Marquinhos Diniz para roda no centro

Por: Redação

Batalhão da Vagabundagem recebe Marquinhos Diniz para uma grande roda de samba na inauguração do boteco A Revolucionária. O encontro musical gratuito tem início às 17h. Confirme presença aqui!

divulgação
Batalhão da Vagabundagem Divulgação
divulgação
Marquinhos Diniz Divulgação

Marquinhos Diniz

Filho do mestre Monarco da Portela, Marquinhos teve contato com o samba desde pequeno. Com cerca de nove anos, já frequentava o bloco Gemada da Vila, para o qual compôs os seus primeiros versos poucos anos depois.

Antes de se firmar como sambista, Marquinhos foi pintor de carros, atuou no exército e inclusive trabalhou em rádio. Somente quando não conseguiu conciliar outros trabalhos com o samba é que se entregou para o gênero. Embora tivesse músicas em discos independentes, a primeira canção gravada que lhe rendeu dinheiro foi “Rosas de Ouro”, composta com Mané.

O primeiro grande sucesso, no entanto, estourou na voz de Zeca Pagodinho. Era o samba “Caviar”, escrito com Barberinho e Luiz Grande. Juntos, os três formaram o Trio Calafrio.

+ entrevista

Batalhão da Vagabundagem 

A roda surgiu a partir de um encontro de amigos, em meados de 2009. Logo nas primeiras reuniões, eles batizaram a roda de Batalhão da Vagabundagem – nome que ia no sentido inverso ao perfil de seus integrantes. Em pouco tempo, o Batalhão foi conquistando seu espaço e marcando presença por resgatar sambas antigos e partidos altos

Os integrantes da roda assumiram a responsabilidade de apresentar um repertório diferente a cada encontro. Além de inúmeras brasas de compositores como Noel Rosa, Geraldo Pereira e Batatinha, o grupo também traz sambas autorais.

  • + Samba SP: 

Compartilhe: