Últimas notícias:

Loading...

5 dicas úteis para viajar de carro com seu pet

Casal de blogueiros de viagem e gastronomia conta como levar o cão em viagens longas de carro e como escolher o melhor destino pet friendly

Por: Redação

Durante o isolamento da pandemia, a adoção de animais de estimação deu um salto –e o tempo que os donos aguentam ficar sem o bichinho diminuiu. Tantos meses em casa fez com que as pessoas se apegassem ainda mais aos animais e viajar sem eles passou a ser uma dificuldade.

O casal de jornalistas e blogueiros de viagem e gastronomia Luísa Dalcin e Rafael Sette Câmara, do site ondecomerebeber.com, que costumava viajar quase todos os meses antes da pandemia, já não consegue mais ficar longe do Whisky, o seu cão salsicha de 12 anos.

5 dicas úteis para viajar de carro com seu pet
Crédito: Arquivo pessoalA escolha do destino deve levar em consideração a estrutura do local para

“Sempre viajamos muito de avião e não podemos levá-lo na cabine porque seu peso ultrapassa o permitido pelas companhias. Na pandemia, devido ao isolamento, as viagens de carro passaram a ser a opção mais viável e, com isso, ele começou a nos acompanhar”, conta Luísa.

Por ser idoso, o Whisky tem menos energia e cansa com facilidade. Para o casal, um dos pontos mais importantes para levar o companheiro em uma viagem é estar ciente da personalidade e das condições do animal, para não esperar mais do que ele será capaz de dar.


#DicaCatraca: sempre lembre de usar a máscara de proteção, andar com álcool em gel, respeitar o distanciamento social e sair de casa somente se necessário! Caso pertença ao grupo de risco ou conviva com alguém que precise de maiores cuidados, evite passeios presenciais. A situação é séria! Vamos nos cuidar para sair desta pandemia o mais rápido possível. Combinado?


“Alguns são mais agitados no dia a dia e não vai ser dentro de um carro que vão se acalmar. Outros ficam cansados ou sem fôlego rapidamente e não serão companheiros para jornadas intensas, subindo e descendo ladeira”, aponta Luísa. “Saber o que esperar do seu bichinho e ajustar o roteiro a ele é fundamental para evitar estresse de ambas as partes.”

Como encontrar hotéis que aceitem o seu pet

Tanto o Booking.com quanto o Airbnb possuem filtros de busca que indicam se a hospedagem é pet friendly. Porém, é sempre bom confirmar antes de marcar a viagem, entrando em contato com o local. “Alguns lugares ativam a categoria de pet friendly por engano, ou aceitam só alguns tipos ou portes de animais”, alerta o casal.

pet viajar de carro
Crédito: Arquivo pessoal Whisky em Diamantina, em Minas Gerais

Vale ressaltar que as hospedagens não costumam permitir que os bichinhos sejam deixados sozinhos. “Quem decide viajar com o pet deve ter em mente que estará acompanhado por ele o tempo todo, já que dificilmente ele poderá ser deixado no hotel, casa ou apartamento. Ele pode estranhar o local, ficar com medo, chorar, latir, o que, além de ser muito estressante para ele, pode gerar reclamações na vizinhança.”

Como sair para comer com o pet?

Pesquisar com antecedência sobre restaurantes e bares que aceitam pets não é tão eficaz quanto parece. Primeiro, porque muitos locais que, na teoria, não aceitam, podem abrir uma exceção na hora que você chegar com o pet, especialmente se a casa não estiver cheia. E segundo, porque locais que aceitam animais podem não ser necessariamente um ambiente propício para eles – podem ter muito movimento, por exemplo, ou ter música alta.

“Não basta ser pet friendly, tem que ser confortável para o animal, com espaço, pouco movimento e música baixa. Esse tipo de coisa só se garante conferindo o local presencialmente”, explica a blogueira.

Crédito: Arquivo pessoal Outra dica importante é saber se a hospedagem escolhida é pet friendly

A recomendação do casal é sair da hospedagem passeando com o pet e observando os locais, para então decidir onde comer, sem tanta organização prévia. “Com a pandemia, colocar mesas na calçada, ao ar livre, virou algo muito mais comum, e isso facilita o acesso do pet que não pode entrar no ambiente fechado.”

Destinos pet friendly para viajar de carro

A escolha do destino deve levar em consideração a estrutura do local para cães, o clima (se for época de chuvas, pode ficar difícil sair com o cãozinho), o porte do seu animal e o estilo de vida da família. Um acampamento, por exemplo, com muitas cachoeiras, pode ser perigoso para um animal pequeno, que não está acostumado com aventuras.

“Vale saber que praias podem ser pouco flexíveis em relação à presença de animais, enquanto cidades históricas, como Ouro Preto, Diamantina e Paraty, acostumadas com mesas nas calçadas, são destinos bastante pet friendly. Monte Verde, na Serra da Mantiqueira, também é uma boa opção.”

Confira abaixo cinco dicas para viajar de carro com o seu pet

1 – Fazer uma consulta com o veterinário antes da viagem

Do mesmo jeito que fazemos um check-up antes de jornadas longas, é importante fazer um com o pet antes de viajar. Assim, você evita ter preocupações com ele em uma cidade estranha, onde você não tem uma clínica de confiança. Aproveite a ocasião para confirmar qual remédio e dosagem ele pode tomar caso se sinta enjoado e com ânsia de vômito no carro.

2 – Escolher um destino conhecido

Especialmente quando se é marinheiro de primeira viagem nas jornadas com o pet, é preferível escolher um destino que você já visitou sem ele. “Quando se vai para um local totalmente novo, há um rush de pontos turísticos, uma listinha de coisas que fazemos questão de visitar, e o animalzinho pode limitar um pouco esse plano”, argumenta Luísa.

Viajar para um local já conhecido costuma ter um ritmo mais tranquilo, que o pet consegue acompanhar, e você não ficará tão frustrado se perder alguma atração.

3 – Manter água, alimentos, remédios e brinquedos à mão

Na hora de fazer as malas, lembre-se de deixar no porta-luvas ou na mala de mão uma garrafa de água e um recipiente para o pet se hidratar, um pouco de alimento, petiscos, os brinquedos favoritos e remédios para enjoo. Se perceber que o pet começa a ficar ansioso ou estressado, vá enrolando com os brinquedinhos até chegar o momento da parada programada.

4 – Programar a viagem com paradas

Deixe cidades mapeadas no seu trajeto para paradas programadas a cada uma hora e meia ou duas horas para que o animalzinho possa fazer suas necessidades e passear bastante. Quanto mais ele caminhar, mais cansado voltará ao carro e mais propenso estará a dormir tranquilo.

5 – Se possível, viajar acompanhado

Em casos de imprevisto, pode ser necessário resolver algum problema com urgência e é melhor ter com quem deixar o animal, para não dificultar ainda mais as coisas. A companhia também ajuda na hora de fazer um plano de revezamento no cuidado do bichinho: se você faz questão de visitar algum ponto turístico que não aceita animais, por exemplo, pode deixá-lo sob os cuidados do outro tutor.