Últimas notícias:

Loading...

7 pontos negativos sobre o Sudeste Asiático que não estão nos guias de viagem

Por: Redação

Quando falamos em Sudeste Asiático, a primeira imagem que vem à cabeça são praias maravilhosas, barquinhos coloridos, muita festa, turistas do mundo todo, comidas exóticas e templos budistas cobertos de ouro. Sim, tudo isso de fato existe por lá, mas o que muita gente não sabe é que este paraíso também tem seu lado negativo e ele é bem pouco divulgado.

O casal do Ligia Antoniazzi e Ulisses Dalesandro, blog Vamos Fugir, viajou pela Tailândia, Camboja e Vietnã entre fevereiro e março deste ano e listou alguns pontos negativos ou dificuldades que encontraram durante a viagem. Não que ela não valha a pena (é uma viagem sensacional!), mas é melhor ir preparado do que se surpreender negativamente depois, né?!

Lixo em Maya Bay, na Tailândia
Lixo em Maya Bay, na Tailândia

1 – Dificuldade com o idioma

A comunicação é um ponto um pouquinho complicado. Muita gente fala inglês por lá, mas a maioria só se comunica com o básico e ainda tem um sotaque bem difícil de entender. Nos hotéis, restaurantes e pontos turísticos é mais tranquilo, mas pela rua a dificuldade é sempre maior e até mesmo pra negociar com os taxistas fica complicado. Quem não fala pelo menos o básico de inglês pode encontrar bastante dificuldade.

2 – Preços abusivos

Feirinha Siem Reap, no Camboja
Feirinha Siem Reap, no Camboja

A internet está lotada de textos dizendo que o Sudeste Asiático é um dos lugares mais baratos do mundo pra mochilar… e de fato é! Mas a dica é saber negociar e ter noção do valor das coisas pra não ser explorado. Nas feirinhas de rua ou mesmo na hora de pegar um transporte, os preços iniciais nunca são os preços reais dos produtos. É preciso negociar muuuito pra chegar em um valor justo. Pra quem está com um orçamento tranquilo pode até não pesar tanto, mas acho que o pior não é nem gastar o dinheiro, é pagar sabendo que está sendo enganado, entende?

3 – Lixo nas praias

lixo na praia na Tailândia
Lixo na praia na Tailândia

Uma das coisas que mais nos impressionou negativamente durante nossa viagem foi a sujeira das praias da Tailândia. Tem muito lixo espalhado pela areia e também boiando no meio do mar… É de cortar o coração! O contraste entre o mar transparente, a areia branquinha e os restos de plástico espalhados pelo chão é gritante. Parece que não existe muita consciência ambiental por aqueles lados. E aí você se pergunta: como será que vai ser daqui alguns anos..?

4 – Desigualdade social

Sei que neste quesito os brasileiros, infelizmente já estão mais acostumados, mas não tem como não se impressionar… É resort 5 estrelas de um lado e criança pedindo esmola do outro.

5 – A exploração de animais é absurda

Exploração de animais, na Tailândia
Exploração de animais, na Tailândia

Muitas das atrações turísticas de lá envolvem animais, principalmente exóticos. É comum ver cobras enormes e lêmures (aquele bichinho fofo do filme Madagascar) sendo exibidas para fotos; tigres que se comportam como gatinhos dentro das jaulas e elefantes que pintam quadros, jogam futebol e chegam ao extremo de pousarem para fotos pintados como se fossem pandas! Sim, nós vimos isso em Ayutthaya e ficamos tão chocados que não conseguimos nem tirar um foto de longe pra registrar.

Pior que isso são os elefantes que carregam turistas pra cima e pra baixo o dia inteiro, debaixo de um sol de 40º C. Um dia desses saiu uma matéria aqui no Catraca Livre mostrando que um desses elefantes morreu de exaustão exatamente nestas condições.

O problema é que enquanto tiver turista pagando, vai ter gente explorando… E aí fica a pergunta: Será que se nosso comportamento fosse mais exigente e menos passivo, as coisas seriam diferentes?

Continue lendo este texto no Vamos Fugir. Saiba o quanto é difícil conseguir um transporte em Bangkok e quais são os golpes mais comuns na Tailândia, no Camboja e no Vietnã, assim você evita passar pelos mesmos perrengues e se meter em uma furada durante a sua viagem.

Por Ligia Antoniazzi, do blog Vamos Fugir

Acompanhe as dicas também pelas redes sociais: Facebook, Youtube, Instagram, Twitter e Pinterest.

Compartilhe:

?>