Peru restringe acesso a Machu Picchu durante 2 semanas

Visitantes terão apenas três horas para visitar o local; por dia, a atração recebe quase 6 mil pessoas

Por: Redação

A partir desta quarta-feira (15), o aceso a três importantes áreas de Machu Picchu, no Peru, será restringido a turistas. A medida, válida por duas semanas, é para evitar uma deterioração maior das ruínas da cidade inca.

Machu Picchu
Crédito: OGphoto/iStockPor dia, as ruínas de Machu Picchu recebem quase 6 mil visitantes

Segundo o governo do Peru, os passeios pelos templos do Sol e do Condor e pela pedra de Intihuatana serão controlados e os visitantes terão apenas três horas para visitar esses lugares. As informações são da Deutsche Welle.

“Essas medidas são necessárias para conservar Machu Picchu dada a evidência da deterioração nas superfícies das pedras causadas por visitantes destas três áreas”, afirmou o Ministério da Cultura do Peru.

Machu Picchu
Crédito: Photon-Photos/iStockO altar de Intihuatana, uma das atrações que terá a visitação controlada

Nos últimos anos, o sítio arqueológico foi invadido pelo turismo de massa.

8 PAÍSES PARA VIAJAR APENAS COM O SEU RG

Por dia, as ruínas de Machu Picchu recebem quase 6 mil visitantes. A restrição vai até o dia 28 de maio. Depois destas duas semanas de teste, autoridades avaliarão os resultados da medida antes de aplicar uma restrição permanente a partir de 1º de junho.

Machu Picchu
Crédito: Crbellette/iStockO templo do Condor em Machu Picchu

A cidade perdida dos incas foi construída durante o reinado do imperador Pachacuti (1438-1471) e fica a cerca de 100 quilômetros da cidade de Cusco, a antiga capital inca no sudeste do Peru.

Machu Picchu
Crédito: DrMonochrome/iStockVista das ruínas do templo do Sol, no sítio arqueológico de Machu Picchu

As ruínas de Machu Picchu foram descobertas em 1911 pelo explorador americano Hiram Bingham. Em 1983, a antiga cidade foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Compartilhe:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.