Por que chefs apostam em cannabis na gastronomia pelo mundo?

No Brasil, CBD só pode ser importado com autorização do governo e receita médica

Ilegal no Brasil e estrela no exterior. A cannabis já é parte da gastronomia e medicina em muitos lugares pelo mundo.

Atenção, cannabis não é, necessariamente, maconha, planta rica na substância THC, que dá barato.

Há vários tipos da planta. A médica Ailane Araújo, uma das maiores especialistas do assunto por aqui, explica que a espécie é como os cítricos.

“Dentro do gênero cítrico há laranjas, limões e tangerinas. Assim, dentro do gênero cannabis, há várias plantas diferentes”, conta.

Gastronomia raw food em Londres, do Wild Food Cafe, tem salada com sementes de cannabis
Créditos: Andrea Miramontes/ Lado B Viagem
Gastronomia raw food em Londres, do Wild Food Cafe, tem salada com sementes de cannabis

CBD

Algumas dessas plantas têm THC. Mas outras, como o cânhamo, são ricas em CBD.

CBD, ou canabidiol, uma das substâncias extraídas do cânhamo, é um superalimento.

“Semente do cânhamo tem propriedades que, inclusive, fazem bem ao coração. Entre outros benefícios, é rica em proteínas,  aminoácidos, antioxidante, ferro, vitaminas e fibras”, ressalta Ailane Araújo.

Na medicina, é usado para tratamento dores crônicas, ansiedade, inflamações e muitas doenças, como esclerose múltipla, Parkinson e Alzheimer. Inclusive, CBD é muito utilizado para tratar doenças e dores em pets.

Em cosméticos, CBD tem propriedades hidratantes e anti-inflamatórias excelentes, como conta a médica Andrea Godoy, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e dermatologista da AD Clinica, que atende famosas.

“CBD tem emolientes, refaz a barreira cutânea e é rico em omegas 3/6/9. Anti-inflamatório, é indicado pra acne e rosácea. Ainda não tem liberação para uso em cosméticos no Brasil, mas é algo muito esperado”, ressalta Andrea.

Ela conta ainda que, em vários locais do mundo, são feitos xampus, condicionadores e máscaras, géis, cremes e loções com CBD.

Comida com cannabis

Chefs antenados se aproveitam dos benefícios da planta, riquíssima em nutrientes, para colar receitas criativas.

Descubra aqui o que vai neste drink feito com cannabis.

Créditos: Andrea Miramontes / Lado B Viagem

Provei drink com cannabis do restaurante Farmacy Kitchen, em Londres
Créditos: Andrea Miramontes / Lado B Viagem
Provei drink com cannabis do restaurante Farmacy Kitchen, em Londres

Em lugares onde a cannabis foi legalizada, medicamentos, cosméticos e produtos para culinária são abundantes. São produzidos desde farinha de cânhamo, leite, sucos, shakes, tortas até whey feito com as sementes.

Chefs usam folhas e sementes em saladas, drinks, refogados, pastas, entre outros. Exemplos podem ser provados em restaurantes londrinos, no Canadá e na Califórnia (EUA).

Pode usar CBD no Brasil?

Não. Provar CBD na gastronomia só é possível onde a cannabis foi legalizada, em viagem, depois que a pandemia passar.

Por enquanto, o produto só pode ser importado para fins medicinais e com autorização do governo.

“Com receita médica, a pessoa faz um cadastro no site do governo, solicita a autorização e importação do produto, junta documentos e aguarda. Em 7 dias a Anvisa emite um certificado para importação”, explica dra. Ailane.

Uma das primeiras médicas a prescrever cannabis no Brasil, a médica é membro da International Cannabinoid Research Society e fundadora do Centro Brasileiro de Referência em Medicina Canabinóide (CBRMC).

O centro treina profissionais da área da saúde para prescrever a substância no País. Para saber restaurantes no exterior que têm receitas com CBD clique aqui.

ladobviagem

Em parceria com ladobviagem

Andrea Miramontes, jornalista de viagem. Com 25 anos na área, escrevo sobre roteiros incríveis, veganos e vegetarianos pelo mundo, JAMAIS divulgo atrações que escravizem animais e caço soluções sustentáveis por onde passo. Meus projetos são Lado B Viagem e Patas ao Alto. Seja muito bem-vindo! Siga os instas @ladobviagem @patasaoalto e @andreamiramontes.real