7 dicas para você não passar aperto nas férias de verão

Informar

Turismo sustentável: 4 dicas ‘verdes’para planejar as férias

Destinos e empresas que reduzem poluição e ajudam comunidades carentes merecem nosso prestígio

Por: ladobviagem | Comunicar erro

Se ama viajar, sustentabilidade tem que entrar no seu radar na hora de escolher férias e investir seu dinheiro em passagens e destinos. E passear com sustentabilidade vai além de não poluir praias.

Inclui recusar passeios e empresas que explorem pessoas ou animais como escravos, além de prestigiar destinos com políticas de ajuda ao ambiente e a comunidades.

Vou contar algumas idéias “verdes” sensacionais que tenho acompanhado em companhias aéreas e destinos, como no principado de Mônaco e na famosa estação de esqui de Aspen.

Mônaco implantou até um programa de redução de lixo no Brasil, sabiam?

Alguns hotéis também fazem a diferença, como com programa de proteção de rinocerontes na África do Sul e a ajuda com trabalho voluntário aos necessitados, como a iniciativa do grupo Hilton.

1 – Hotéis que se importam

Que localização, serviço de excelência e conforto são importantes ninguém discorda.

Mas e se, além de tudo isso, o hotel escolhido ainda reverter parte do dinheiro que você paga para o bem comum?

Recentemente, estive em uma reserva sul-africana que usa o dinheiro do turismo para fortalecer duas frentes, sendo elas um programa de proteção a rinocerontes e outra no auxílio a comunidades locais com Aids.

Ao se hospedar nos lodges e cabanas luxuosas, com safáris e luau com Amarula na fogueira, você também colabora. Não dá orgulho de estar em um lugar desses?

A reserva chama-se Amakhala, na África do Sul.  Durante o safári incluso nas diárias, este elefante fofo tomou banho na nossa frente, em liberdade, na savana. Nada de animal preso ou forçado a fazer truques:

Elefante livre toma banho e mergulha em lago na África do Sul

Em safári na reserva Amakhala, um elefante mergulhou em um lago na nossa frente. Deixei o som porque não nos aguentamos de felicidade com o banho do animal que está solto na natureza.

Apoio social pelo mundo a quem precisa é outra iniciativa a ser valorizada, como acontece com o Hilton.

Ao se hospedar em qualquer hotel da rede, você ajuda muita gente sem saber. O hotel tem um programa chamado Travel with Purpose.

A iniciativa interna banca viagens aos funcionários, fora das férias, para que eles trabalhem voluntariamente para quem precisa.

Funcionários são enviados para participar de projetos dos mais variados, desde o auxílio para crianças com deficiência visual em algum canto da África ou Ásia, até colocar mão na massa, literalmente, na construção de casas para quem não tem.

Hilton’s 2018 Global Week of Service

This Global Week of Service, our Team Members across 93 countries participated in 4,926 global projects to Travel with Purpose in their communities – all for a grand total of 236,930 volunteer hours!

A rede ficou em segundo lugar como um dos “Melhores locais de trabalho do mundo” segundo o Great Place to Work. É a única do setor hoteleiro entre os 10 mais.

Na missão da companhia até 2030 está dobrar investimento para reduzir impacto social. O que isso significa? Isso inclui  políticas para o Planeta, como reduzir emissões de carbono em 61% – como se você tirasse mais de 23 milhões de carros das ruas.

2 – Destinos com políticas verdes

A estação de esqui Aspen, nos Estados Unidos, acabou de lançar uma campanha para que os visitantes cobrem de governantes iniciativas de ajuda ao planeta.

A campanha, que convoca os amantes de neve para se importar com o mundo, chama-se “Give a flake” (Flake, flocos de neve, faz um trocadilho com a expressão Give a shit, que significa importe-se)

Claro que alguns políticos não gostaram de receber uma cartinha dos seu eleitorado cobrando uma posição.

Mas o que importa é que o próprio destino está ao lado do Planeta e se uniu aos visitantes para políticas pró-ambiente.

A ideia é inteligente e inclusiva. Tenho certeza que vai plantar uma sementinha de vontade da estar em um lugar desses, com este vídeo:

Aspen Snowmass // Give A Flake

What does it mean to Give A Flake? It means caring enough to back up your beliefs with action. So, when our business and your passion depends on snow and climate, we defend it. When our community is diverse in their ethnicities, sexual orientations, and belief systems, we stand up for tolerance.

O principado de Mônaco, país minúsculo e luxuoso ao lado da França, faz muito mais que nacionalidades gigantes e que recebem mais turistas.

O país é regido pelo príncipe Albert II, que criou uma série de ações como proteção de oceanos,  proteção de mamíferos marinhos,  além de redução de lixo, inclusive, no Brasil.

A Prince Albert II of Monaco Foundation foca esforços em política para mudanças climáticas, desenvolvimento de energias renováveis, biodiversidade e gerenciamento de água.

Para isso, o país vai além das suas fronteiras e atua no mediterrâneo, regiões polares, países subdesenvolvidos da África, América do Sul e sudeste asiático. São mais de 420 projetos financiados.

Um dos projetos veio parar em São Paulo. O governo de Mônaco colocou 15 coletores públicos de lixo eletrônico na cidade.

A iniciativa começou no final do mês de maio. Em apenas dois meses, foram coletados mais de 1.2 tonelada de lixo eletrônico a ser reaproveitado.

Um dos vídeos que mostra belezas do país relembra que “Green is the new Glam”, ou seja, glamuroso mesmo é ostentar natureza preservada:

GREEN IS THE NEW GLAM E01 – Gardens and Parks

Monaco, an eco friendly place where green and glam become one. Discover Monaco’s gardens and parks through the eyes of a child. http://www.visitmonaco.com . .

3 – Não a animais escravos

Em fotos de viagens, não tem coisa mais  arcaica e insensata do que a selfie com um leão dopado, beijando golfinhos escravos com dentes arrancados ou em “festas” com touros cruelmente sacrificados.

É extremamente inconsequente ostentar a imagem. Isso ajuda a manter a “atração” funcionando, além de incentivar que mais pessoas façam o mesmo, paguem por aquilo e enriqueçam ainda mais quem explora bichos.

Sofrimento não combina com turismo. Até o Instagram fez uma campanha contra esse tipo de foto.

Hoje, sabendo da realidade desses bastidores, não podemos dar nosso dinheiro a esse tipo de crueldade.

Zoológicos, parques aquáticos que escravizam orcas e golfinhos, supostos “santuários” que deixam turistas carregarem filhotes de onça e outros animais roubados das mães estão com os dias contados.

Não vou colocar imagens dos bastidores dessas atrações. Mas depois, veja neste link 8 atitudes para não colaborar com crueldade a animais no turismo

4 – Transporte com menos poluição

O setor aéreo é um dos que mais emite poluentes no ambiente, gases responsáveis pelo aquecimento global.

Como somos viajantes e não temos como fugir dos aviões, devemos ficar atento a quem merece nosso dinheiro e trabalha para que o impacto no Planeta seja reduzido.

Como isso acontece? Com investimento.

Desde 1990, quando muitos de nós ainda nem voávamos, a Air Canadá se preocupa com a questão. E, em 2018, foi eleita a Eco-Airline do ano, pela Air Transport World.

De 90 para cá, a companhia investiu em tecnologia e melhorou a eficiência de combustível em mais de 40%.  Veja bem, se você comprou alguma passagem pela companhia, parabéns, você também ajudou sem saber.

A empresa é a líder no país em um projeto de biocombustível, com o uso de combustíveis renováveis de baixo carbono.

Ela topou cumprir as metas estabelecidas pela International Air Transport Association, de crescimento neutro em carbono a partir de 2020 e redução das emissões de CO2 em 50% até 2050, em relação aos níveis de 2005.

Outra frente de investimento da companhia é em conservação e documentários sobre a fauna.

Desde 2012 eles patrocinam a Wildlife Media, uma organização  sem fins lucrativos que faz para projetos de pesquisa e educação em todo o mundo.

O resultado é o documentário Beartrek:

Chris Morgan on Air Canada’s support for BEARTREK

Wildlife Media is a nonprofit conservation organization founded in 2007 by a small team of conservationists and filmmakers with the goal of providing exposure and funding for research and education projects around the world. Their relationship with Air Canada began in 2012 when Wildlife Media asked for the airline’s help to travel to the Arctic to film polar bears for their feature-length documentary, BEARTREK.

Rafting com cães: veja 8 aventuras pet friendly em Socorro (SP)

Compartilhe:

Autor: ladobviagem

Andrea Miramontes, jornalista, viajante e curiosa. Sou vegetariana e jamais divulgo atrações que escravizem animais :) Faço os blogs Lado B Viagem e Patas ao Alto. Seja muito bem-vindo!

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário Lado B Viagem da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.