Últimas notícias:

Loading...

Viajar depois dos 60: Jardins e vinhedos da Morávia e muito mais

A primavera é a época ideal para conhecer as belezas da Morávia

Por: Mariuccia Ancona Lopez, do blog Tempo de Viajar

Você gosta de jardins? E de vinhos?  Se qualquer uma das respostas for positiva, seu destino tem que ser a Morávia. Onde é isso?  É uma encantadora região da República Tcheca considerada o grande jardim da Europa e onde estão também os principais vinhedos do país.

Estive na Morávia no fim do outono de 2019 e já fiquei boquiaberta. Imagine esta viagem de    exatamente em plena primavera!  São dez dias- 28 de maio a 5 de junho –  e, porque tudo é tão pertinho, a viagem  segue a rota de Budapeste a Praga, passando por Viena para depois  revelar a Morávia, ainda pouco conhecida dos brasileiros.

Crédito: Divulgação Vista do castelo de Lednice e seus jardins, ambos considerados patrimônios da Unesco

Começa em  Budapeste,  segue para Bratislava, na Eslováquia, em seguida Viena. Depois de todas as belezas das capitais imperiais, dos palácios e de todas as tortas de chocolate e  apfelstrudel que você se puder provar,  vem a Morávia que sempre surpreende os turistas por tanto que tem a oferecer.

A primeira parada é em Lednice, com seu Palácio e Jardins, estes considerados o maior patrimônio da Unesco a céu aberto e que pertencia aos Liechenstein, aquela família que depois fez o Principado do mesmo nome. Depois virá Valtice , onde um outro palácio guarda uma deliciosa surpresa – o Salão dos Vinhos Tchecos, com direito a provar entre os cem melhores vinhos produzidos no país.

Crédito: DivulgaçãoColuna da Santíssima Trindade na praça principal da cidade velha de Olomouc, na República Tcheca

Brno, a segunda maior cidade da República Tcheca, super animada,  é outro encanto da Morávia e fica bem perto de Kromeriz, com seus jardins franceses de cair o queixo,  outro exemplo do porquê a Morávia é considerada o grande jardim da Europa. Mas ainda tem Olomuc, uma cidade magnificamente preservada, com sua arquitetura barroca, outra joia tcheca ainda por ser descoberta pelos turistas.

O gran finale desta rota é Praga, onde se chega por trem de alta velocidade (que nós tanto invejamos!) com dois dias inteiros para curtir do Castelo à Ponte Carlos, dos cafés ao Relógio astronômico da Praça da Cidade Velha e tudo mais.

Crédito: DivulgaçãoVista panorâmica do rio Vltava e da ponte Carlos, em Praga

Esta viagem tem coordenador brasileiro desde o Brasil e passeios guiados, em português e passageiros com 60 anos ou mais ganham da XQ Viagens, especialista nessa região, um vinho da Morávia como presente. Para saber mais:  contato@xq.tur.br.

A jornalista Mariuccia Ancona Lopez compartilha dicas sobre viajar depois dos 60 no blog Tempo de Viajar