Exposições em São Paulo: descubra onde curtir arte na cidade

Arte clássica ou moderna? A Catraca Livre listou diversas de exposições para visitar em SP!

Ouça este conteúdo

As artes pulsam nas ruas e o que não faltam são incríveis exposições em São Paulo – e você nem precisa desembolsar centenas de reais para curtir o melhor da cultura! Para te ajudar a escolher quais delas visitar, a Catraca Livre preparou uma listinha toda especial com mostras que você vai amar, certeza!

exposições em sp
Crédito: DivulgaçãoMuitas, muitas e muitas exposições em SP para você curtir!

Tem atrações para todos os gostos: fotografias, pinturas, esculturas, desenhos, vídeos ou instalações;  interativas ou mais contemplativas; de arte clássica ou contemporânea; de arte figurativa ou abstrata; individual ou coletiva; e sobre os mais diferentes assuntos.

Ah! E, para garantir a sua segurança, fique ligade na recomendação e cuidados que TODOS os museus e centros culturais adotaram na prevenção contra a Covid-19 (confira dicas abaixo deste post).

São Paulo é terra de arte (e nós podemos provar!): 

Até 15 de abril de 2021

Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De quarta a domingo, das 13h às 18h. É preciso comprar seu ingresso antecipadamente

O nosso eterno rei Pelé, um dos maiores craques do esporte no século 20, completou 80 anos e nos presenteou com uma mostra interativa MARA! Trata-se de “Pelé 80 – O Rei do Futebol”, em cartaz no Museu do Futebol, uma viagem por toda a trajetória de Edson Arantes do Nascimento – nome real dessa lenda do futebol brasileiro.

Pelé 80 - O Rei do Futebol
Crédito: Divulgação - Site do Museu do FutebolTire muitas selfies com essa caricatura gigante do Rei Pelé

Com curadoria do cenógrafo Gringo Cardia, a exposição mostra como o rei construiu sua imagem diante do mundo inteiro e virou rapidamente um ícone pop. Essa brilhante carreira é contada por meio de animações, instalações e 444 fotografias históricas, que retratam a vida do jogador desde os primeiros anos no município de Três Corações, no interior Minas Gerais.

As imagens também revelam marcos importantes para o atleta como a conquista na Copa do Mundo de 1958; os 18 anos de Pelé jogando no Santos Futebol Clube; a consagração definitiva no Mundial de 1970 e o último jogo pelo time Cosmos, em Nova York, nos Estados Unidos.

Curtiu? Essa é realmente daquelas exposições em SP que você não pode deixar passar batida! Clique aqui para saber mais sobre a mostra!

Até 29 de novembro de 2020

Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

de quarta a sábado, das 10h às 16h - É necessário fazer agendamento da visita

Já pensou se toda vez que você tomasse seu leitinho ficasse doente por causa de uma bactéria monstra? Foi graças ao francês Louis Pasteur (1822-1895) que você pode tomar seu copão de leite com chocolate sem se preocupar! Isso porque ele inventou o método da pasteurização para acabar com contaminação causada por micro-organismos em bebidas como leite, cerveja, sucos e até xaropes!

Exposição Louis Pasteur no Sesc Interlagos
Crédito: DivulgaçãoExposição Louis Pasteur no Sesc Interlagos

 

E agora você tem a chance de aprender mais sobre essa e outras descobertas desse pesquisador francês, conhecido como um dos criadores da Microbiologia. Na exposição interativa “Pasteur, o Cientista”, todo o universo do médico cientista pode ser desvendado. E o melhor: é GRÁTIS!

A mostra é dividida em seis atos – como se fosse uma peça de teatro – e reúne vídeos, grafismos, animações, projeções, textos e desenhos. Esses ambientes apresentam em ordem cronológica as principais descobertas de Pasteur e como ele revolucionou a medicina.

Quer saber mais sobre esse rolezinho? É só clicar aqui.

Até 03 de janeiro de 2021

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De terça a sexta, das 12h às 16h; e aos sábados, domingos e feriados (exceto segundas), das 13h às 17h. É necessário agendar sua visita

Site: ims.com.br

Telefone: (11) 2842-9120

A fotógrafa chilena Paz Errázuriz (Santiago, 1944) iniciou sua carreira autodidata durante os incertos anos 1970, quando se instaurava em seu país a ditadura militar de Pinochet. Seu trabalho se concentra sobretudo em pessoas e espaços que por diversos motivos foram deslocados para as margens da sociedade, não raro sendo também reprimidos pelo Estado por transgredirem as regras vigentes.

Macarena, 1987, da série O pomo de adão (1982-1988)
Crédito: © Paz ErrázurizMacarena, 1987, da série O pomo de adão (1982-1988)

Primeira grande retrospectiva da artista, a exposição percorre suas principais séries fotográficas: indivíduos internados em hospitais psiquiátricos, travestis, membros de circos precários, prostitutas, lutadores de boxe amador, cegos, pessoas em situação de rua, idosos, uma etnia indígena em vias de extinção. Todos surgem, nos retratos majoritariamente em preto e branco de Errázuriz, com dignidade e naturalidade, resultado de um processo criativo baseado na convivência e que preza pela construção de um vínculo de confiança e respeito mútuos.

Em toda sua obra, Paz Errázuriz parece estar em busca de comportamentos singulares e formas de resistência ante as normas impostas. Em uma sociedade privada de liberdades, suas imagens romperam importantes tabus, e, por sua força e relevância, seguem reverberando nos dias atuais.

Até 31 de janeiro de 2021

Sexta - Sábado - Domingo

de sexta a domingo, das 12h às 18h. Não é necessário agendar a visita

Grátis

O Paço das Artes está de volta em um espaço definitivo! A instituição passa a ocupar casarão Nhonhô Magalhães, em Higienópolis. A primeira exposição na casa nova é da artista Regina Silveira, com curadoria de Priscila Arantes. Em 2020, o museu completa 50 anos e era um desejo da diretora da instituição inaugurar o novo endereço com uma artista brasileira.

Obra Cascatas, de Regina Silveira, exposições em São Paulo
Crédito: Divulgação/ Paço das Artes“Cascatas” é uma das obras inéditas da exposição de Regina Silveira no Paço das Artes

A mostra “Limiares” traz duas instalações comissionadas e dois trabalhos em vídeo, que inauguram o acervo de arte contemporânea digital do espaço. Além destas obras, os visitantes podem conferir outros trabalhos em vídeo doados por Regina Silveira. São eles: “Campo” (1977), “A arte de desenhar” (1980) e “Morfa” (1981).

E tem mais novidade: no novo endereço, o Paço torna-se o primeiro museu do Estado com acervo de arte contemporânea exclusivamente digital e de obras reprodutíveis: o Acervo MaPA.

Saiba mais sobre a exposição aqui.

Até 20 de dezembro de 2020

Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De quinta a domingo, das 13h às 17h. É necessário agendar a visita!

Está em cartaz no Centro Cultural Fiesp a mostra “Retratos de Mulheres por Mulheres”, que reúne 71 imagens de 21 fotógrafas. As artistas investigam diferentes linguagens e suportes na criação do retrato e exploram temas como: beleza, empoderamento, feminismo, sexualidade e identidade. Apesar da temática feminina, a curadoria da exposição é do professor e fotógrafo João Kulcsár.

Retrato de jovem mulher Opik i theri
Crédito: Claudia Andujar / DivulgaçãoRetrato de jovem mulher Opik i theri

A fotógrafa Claudia Andujar apresenta seu olhar sobre a comunidade indígena, Luisa Dörr traz seu acervo sobre a luta de cholitas na Bolívia. A exposição conta também com Vânia Toledo, com o trabalho “Personagens Femininos”. A americana Haley Morris-Cafiero mostra o preconceito com pessoas acima do peso, e a libanesa Rania Matar apresenta os quartos de adolescentes, nos EUA e Oriente Médio.

A mostra também apresenta ensaios de Maureen Bisilliat, Cris Bierrenbach, Marcela Bonfim, Denise Camargo, Ana Carolina Fernandes, entre outras.

Ficou com vontade? Aproveita que é de graça!

Até 03 de janeiro de 2021

Segunda - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

Das 9h às 17h (visitas com duração de 45 minutos) (retirada de ingressos somente online)

Imagina só poder ver de perto uma múmia humana datada de 700 anos A.C? Isso vai ser possível na exposição “Egito Antigo: Do Cotidiano À Eternidade“, em cartaz no CCBB São Paulo. Além disso, você tem acesso a 140 peças relacionadas à história de uma das primeiras grandes civilizações da Antiguidade. E tudo isso está dividido em três categorias: vida cotidiana, religião e eternidade.

vasos canópicos, exposição ccbb egito antigo
Crédito: Museo EgizioEsses são os vasos canópicos, onde eram guardados e preservados os órgãos internos no processo de mumificação

A ideia é fazer o visitante vivenciar uma imersão completa no Egito Antigo. Além do espaço estar preparado para fazer você se sentir em uma tumba e em um templo, algumas atrações são super interativas. Há um vídeo com reconstrução 3D de monumentos, baseada em dados reais, que permite aos visitantes percorrer lugares como uma esfinge ou uma pirâmide – e ainda fazer aquela self mara.

Gostou? Essa é mais uma das exposições em SP que não custam nada para entrar! Só não se esqueça de garantir seu ingresso antecipadamente – fique ligade nas redes sociais do CCBB, pois eles avisam por lá quando abrem novos lotes de ingressos. Clique aqui para saber mais.

A exposição do MIS – Museu da Imagem e do Som comemora os 80 anos de nascimento e 40 anos de legado do ex-Beatle John Lennon (1940-1980), a partir das lentes de Bob Gruen, um dos maiores fotógrafos da cena rock’n’roll mundial ainda em atividade!

John Lennon em Nova York por Bob Gruen no MIS
Crédito: Bob GruenO MIS apresenta, pela primeira vez no país, a exposição John Lennon em Nova York por Bob Gruen

A conexão dos dois artistas acontece pouco tempo após o cantor se mudar para NY, em 1971. Nessa época, Gruen se tornou amigo pessoal de John Lennon e Yoko, fazendo fotos de sua vida profissional e de momentos em família. Em 1974, ele criou as imagens icônicas do cantor vestindo uma camiseta da cidade de Nova York em frente à Estátua da Liberdade, fazendo o sinal de paz – duas das imagens mais populares de Lennon.

De John Lennon a Johnny Rotten; de Muddy Waters aos Rolling Stones; de Elvis a Madonna; de Bob Dylan a Bob Marley; de Tina Turner a Debbie Harry, ele capturou a cena musical durante mais de quarenta anos em fotografias que se tornaram reconhecidas mundialmente.

Esta é daquelas exposições em SP baratinhas e imperdíveis. Para saber mais, é só clicar aqui.

Até 30 de janeiro de 2021

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado

De terça a sexta-feira, das 15h às 21h | Sábados, das 10h às 14h. É necessário agendar a visita antecipadamente

Duas  mostras incríveis reabriram o Sesc Pompeia para a visitação do público. “FARSA” exibe obras de 50 artistas brasileiros e portugueses na área de convivência da unidade. Já “Irreparáveis Reparos” ocupa sete salas do galpão com trabalhos inéditos e outras criações emblemáticas do artista franco-argelino Kader Attia.

Crédito: Ilana Bessler“FARSA” tem obras de 50 artistas portugueses e brasileiros

Com curadoria de Marta Mestre e Pollyana Quintella, “FARSA. Língua, fratura, ficção: Brasil-Portugal” investiga os desafios da língua e da linguagem a partir de obras que exploram as noções de ambiguidade, fragmentação e a polifonia por meio de falas decoloniais – e, portanto, não alinhadas aos discursos universais.

A mostra coletiva promove o encontro entre artistas de diferentes gerações, estilos e pesquisa, como Andrea Tonacci, Anna Bella Geiger, Anna Maria Maiolino, Grada Kilomba, Gretta Sarfaty, Lygia Pape, Mariana de Matos, Mariana Portela Echeverri, Mira Schendel, Paulo Bruscky, Pietrina Checcacci, Regina Silveira, Regina Vater, Renata Lucas, entre outros.

Irreparáveis Reparos - Sesc Pompeia
Crédito: Dih Lemos“Irreparáveis Reparos” reúne obras inéditas e outras emblemáticas do artista franco-argelino Kader Attia.

O franco-argelino Kader Attia expõe seu trabalho pela primeira vez na América Latina na mostra “Irreparáveis Reparos”, com curadoria da historiadora da arte alemã Carolin Köchling.

Entre trabalhos inéditos e obras que marcaram a carreira do artista, a exposição ocupa sete salas do Sesc Pompeia com instalações, fotografias, esculturas e obras em outros suportes.

Os trabalhos dialogam com temas pulsantes na contemporaneidade, como reparação, pós-colonialismo, diásporas africanas e questões relacionadas a como essas marcas históricas são vividas e revistas entre as nações.

Leia tudinho sobre as mostras aqui.

Até 22 de fevereiro de 2021

Segunda - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

de quarta a segunda, das 10h às 18h. É necessário comprar ingresso antecipadamente.

Uma das mais aguardadas exposições em SP segue em cartaz na Pinacoteca! Estamos falando da mostra “OSGEMEOS: Segredos”, que ocupa sete galerias do primeiro andar do museu, a área do octógono, um dos pátios do edifício e outros espaços internos e externos.

OSGEMEOS Pinacoteca
Crédito: Levi Fanam (Divulgação)Os trabalhos d’OSGEMEOS contam histórias – às vezes autobiográficas – cujas tramas envolvem fantasia, relações afetivas,
questionamentos, sonhos e experiências de vida

Considerados dois dos maiores representantes da arte urbana brasileira, os irmãos Gustavo e Otávio Pandolfo exibem mais de 1.100 itens – muitos deles inéditos no país – nessa mostra panorâmica, que abrange diversos momentos da produção dos artistas!

Os visitantes podem ver pinturas, instalações imersivas e sonoras, esculturas, intervenções site specific, fotografias, desenhos e cadernos de anotações – esses últimos, da fase ainda adolescente e apresentados ao público pela primeira vez, antecedem os famosos personagens amarelos, abrindo caminho para a compreensão da raiz de seu surgimento.

Quer saber mais? É só clicar aqui e conferir tudinho sobre a mostra.

Até 22 de novembro de 2020

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De terça a sexta-feira, das 13h às 19h | Sábados e domingos, das 10h às 16h
‘Hélio Oiticica: a dança na minha experiência’ até 22/11
‘Trisha Brown: coreografar a vida’ e ‘Senga Nengudi: topologias’ até 15/11

Nosso amado MASP – Museu de Arte de São Paulo deu inicio a mais um daqueles maravilhosos ciclos de exposições temáticas. E o tema da vez é “Histórias da dança”, com as mostras individuais “Coreografar a vida”, de Trisha Brown; “A dança na minha experiência”, de Hélio Oiticica, e “Topologias”, de Senga Nengudi.

tisha brown ciclo de dança masp
Crédito: Cortesia de Jack MitchellPrimeira mostra individual da coreógrafa e dançarina norte-americana no Brasil
reunirá cerca de 160 trabalhos incluindo fotos, desenhos e vídeos

Com curadoria de André Mesquita, “Coreografar a vida” é a primeira mostra individual da coreógrafa e dançarina norte-americana Trisha Brown (1936-2017) no Brasil. Estão reunidos cerca de 160 trabalhos, incluindo fotos, desenhos e vídeos. A mostra busca apontar as complexas relações entre dança e artes visuais, exibindo em simultâneo os desenhos com as imagens de suas coreografias.

hélio oiticica ciclo de dança masp
Crédito: Andreas ValentinInspirada pela produção de caráter experimental e inovador de Oiticica,
a mostra traça um panorama da trajetória do artista, reunindo 126 trabalhos
relacionados ao ritmo, à música e à cultura popular

Já “A dança na minha experiência“ apresenta a relação entre a produção de Hélio Oiticica (1937-1980) e a dança, a música, o ritmo e a cultura popular brasileira. Com curadoria de Adriano Pedrosa e Tomás Toledo, a mostra apresenta uma ampla seleção trabalhos reunidos sob a perspectiva da dança e do ritmo.

MASP, dança, exposição
Crédito: MASP/ divulgaçãoPerformance “Piece”, de Senga Nengudi

E “Senga Nengudi: Topologias” reúne trabalhos de várias fases da artista afro-americana, produzidos entre os anos 1970 e os anos 2010. Tem documentações de performances e registros sobre o contexto em que suas obras se desenvolveram. A artista mescla escultura e dança, instalação e performance e é influenciada pelos movimentos de resistência e libertação negra.

Legal, né? Saiba mais sobre as mostras aqui!

Até 07 de fevereiro de 2021

Sexta - Sábado - Domingo

De sexta a domingo, das 12h às 17h

Grátis

Durante todos os meses em que permaneceu fechado, o Instituto Tomie Ohtake realizou em suas redes sociais a exposição-processo “Aglomeração Antonio Henrique Amaral”, com obras desse grande artista contemporâneo brasileiro, que tem influência do surrealismo e da pop art.

Antonio Henrique Amaral - Instituto Tomie Ohtake
Crédito: Antonio Henrique Amaral, Sem título, 2005, Técnica mista sobre papel, 26,5x37 cmA mostra exibe trabalhos inéditos e outros já consagrados desse grande artista contemporâneo brasileiro

E agora que o museu reabriu, você pode conferir presencialmente esses trabalhos. Com curadoria de Paulo Miyada, a mostra exibe 12 pinturas, 17 gravuras e 65 desenhos, além de cadernos, agendas, correspondências fotografias e impressos que constituem uma pequena amostra do acervo deixado por Antonio Henrique Amaral (1935-2012) e preservado pelo instituto que leva seu nome.

Entre as obras, estão trabalhos consagrados como o álbum de gravuras “O meu e o seu” (1967) e alguns materiais inéditos. Também estão expostas obras exclusivas de artistas que se inspiraram pelo trabalho de Amaral, como Ana Elisa Egreja, Antonio Obá, Deyson Gilbert, Flora Rebollo, Igi Lola Ayedun, Julia Debasse, Luiz Queiroz e Raquel Nava.

Até 26 de abril de 2021

Segunda - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

Das 12h às 18h (retirada de ingressos online)

Um olhar para a luta do movimento LGBTQIA+ contra o autoritarismo pode ser conferido na exposição “Orgulho e Resistência: LGBT na Ditadura”, que reabre o Memorial da Resistência (Estação Pina), espaço dedicado a preservar a memória sobre esse duro período de repressão política no Brasil.

Crédito: Vânia Toledo - divulgaçãoA exposição também mostra a importância da contracultura para a resistência LGBTQIA+

Com curadoria de Renan Quinalha, a mostra foi feita em parceria com o Museu da Diversidade Sexual e reúne obras literárias, cartazes de peças de teatro, músicas, filmes, fotografias, outros materiais que confrontavam a censura da época e documentos oficiais do regime militar.

Além de defender a diversidade, a exposição sobre a resistência LGBT (sigla usada pelo movimento na época) na ditadura tem a proposta de mostrar ao público como as prisões em massa nessa época foram usadas como um mecanismo do Estado para reprimir todos os “tipos sociais indesejáveis”, a partir do hipócrita ideário da moral e dos bons costumes.

Ficou curiose? Dá um pulinho aqui para saber mais sobre a exposição.

Até 03 de janeiro de 2021

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

de terça a domingo, das 11h às 17h

A riqueza cultural e as magníficas paisagens do Japão e estampam as fotografias de Naoki Ishikawa. O trabalho desse grande artista pode ser conferido na exposição “Japonésia”, que ocupa o segundo andar da Japan House.

Naoki Ishikawa - Japan House
Crédito: Naoki IshikawaO conceito de “Japonésia” enfatiza que o Japão é um conjunto de ilhas

A mostra inédita reúne 74 fotografias feitas entre 2009 e 2018, durante as andanças, escaladas e aventuras de Naoki Ishikawa por várias regiões do país. Os cliques foram registrados com técnicas e equipamentos analógicos.

As imagens, reveladas em diferentes dimensões, são uma espécie de expedição por um Japão desconhecido e ressaltam a diversidade cultural e natural do país. O conjunto de obras retrata mais de 20 ilhas do arquipélago nipônico.

Quer saber mais? É só clicar aqui.

Até 30 de novembro de 2020

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

Das 10h às 17h (compre antecipadamente o ingresso)

Os impressionantes cliques do fotógrafo tocantinense Daniel Taveira registram a beleza e a diversidade humana na Etiópia, um importante país africano para conhecermos origem da espécie humana. E você pode conferir esse trabalho na exposição “Nós, da Etiópia – Recortes de uma viagem”, em cartaz no Museu de Arte Sacra (SP).

Daniel Taveira - Museu de Arte Sacra
Crédito: Daniel TaveiraA mostra capta cenas do cotidiano da população da Etiópia

Com curadoria de Beatriz Cruz, a exposição reúne 30 fotografias feitas por Taveira durante uma viagem ao país africano, sobretudo à região de Omo Valley, onde existem 46 etnias – como os Benna, Ari, Mursi, Bume, Kari, Tsemay, Konso, Hammer, Dassecnech e Borenna.

As lentes registram cenas do cotidiano dos etíopes, com abundantes cores, formas, expressões e emoções. A ideia da mostra é, nas palavras do artista, enxergar nesse povo “a importante parte da criação que ele representa”, como um tributo a tudo o que a humanidade tem feito e construído nos últimos tempos.

Saiba mais sobre a mostra aqui.

O olhar lúdico e festivo da artista Flávia Junqueira para a infância pode ser conferido na mostra “Revoada”, que segue em cartaz no Farol Santander.

Revoada - Farol Santander
Crédito: Bruno Leão Exposição “Revoada” cria instalação no 24º andar do Farol Santander

Logo na entrada do centro cultural, a exposição apresenta uma cenografia lúdica com quase 70 balões coloridos de vidro, medindo de 90 a 40 cm, e pendurados no teto com cabos de aço… E você tem a sensação de que esses objetos estão flutuando no ar!

Já no 24º andar, a artista paulistana criou uma instalação chamada “Território Espelhado”, na qual todo o ambiente é coberto por folhas espelhadas de papel metalizado. Além disso, balões de festa estão espalhados por todo local, e, entre esses objetos, há alguns cavalinhos de carrossel.

Se você quiser saber mais sobre a mostra, é só clicar aqui.

Visita segura às exposições em SP!

Nesta fase verdade da quarentena, todos os museus e centros culturais mencionados nesta lista funcionam com capacidade reduzida e seguem protocolos de segurança sanitária que devem ser respeitados por todos os visitantes. Seguem algumas orientações que, de modo geral, servem para a visita a todas as instituições:

O uso de máscara de proteção é obrigatório para todes, e, antes de entrar nesses espaços, você terá a temperatura medida. Respeite a distância entre 1,5 e 2 metros entre as pessoas indicada pela sinalização no chão. Além disso, os museus colocam tapetes sanitizantes e secantes logo na entrada e disponibiliza álcool em gel 70% em vários espaços.

Os serviços de limpeza e higienização foram intensificados nesses locais. Não é permitido o consumo de alimentos ou bebidas dentro das instituições. Antes de decidir visitar as exposições, verifique se é preciso fazer algum tipo de agendamento ou comprar antecipadamente os ingressos.


#DicaCatraca: sempre lembre de usar a máscara de proteção, andar com álcool em gel e sair de casa somente se necessário! Caso pertença ao grupo de risco ou conviva com alguém que precise de maiores cuidados, evite passeios presenciais. A situação é séria! Vamos nos cuidar para sair desta pandemia o mais rápido possível. Combinado? ❤


Ufa….O que não faltam são exposições em São Paulo, né? Então fique ligado na nossa Agenda e descubra muuuitos outros eventos culturais sem erro ;) 

Agência Fática

Em parceria com Agência Fática

A Fática é uma agência de comunicação especializada em produzir conteúdos sobre cultura em suas diferentes linguagens.