Últimas notícias:

Loading...
EM ALTA

Exposições em São Paulo: descubra onde contemplar arte na cidade

Arte para todos os gostos e bolsos! A Catraca Livre listou diversas mostras diferentes para você visitar. Só vem:

Por: Redação

Você sabia que para curtir arte na cidade não é preciso desembolsar centenas de reais? Acontecem inúmeras exposições em São Paulo dos mais variados temas e estilos. E, para te ajudar a escolher quais delas visitar, a Catraca Livre preparou uma listinha com mostras que você vai amar, certeza!

exposições em SP
Crédito: Créditos ao longo do postAcontecem exposições em SP para todos os gostos!

Tem opções para todos os gostos: fotografias, pinturas, esculturas, desenhos, vídeos ou instalações;  interativas ou mais contemplativas; de arte clássica ou contemporânea; de arte figurativa ou abstrata; individual ou coletiva; e sobre os mais diferentes assuntos!

Ah! E, para garantir a sua segurança, fique ligade nas recomendações e cuidados que TODOS os museus e centros culturais adotaram na prevenção contra a Covid-19.


#VivaACidadeNaResponsa: ao comparecer aos eventos, não se esqueça de levar o seu passaporte de vacinação. Sempre lembre de usar a máscara de proteção, andar com álcool em gel e sair de casa somente se necessário! Caso pertença ao grupo de risco ou conviva com alguém que precise de maiores cuidados, evite passeios presenciais. A situação é séria! Vamos nos cuidar para sair desta pandemia o mais rápido possível. Combinado? 💚


São Paulo é terra de arte (e nós podemos provar!): 

  • “cartas ao Mundo”

Até 27 de maio de 2022

Todos os dias

De terça a sexta, das 12h às 21h30, e, aos sábados e domingos, das 10h às 18h

Grátis

Site: sescsp.org.br

Telefone: (11) 3170-0800

Apaixonados por cinema, tem uma exposição no Sesc Avenida Paulista pensada para vocês. A mostra é dedicada ao mestre Glauber Rocha e tem curadoria de Bia Lessa.

Cartas ao Mundo, Sesc Avenida Paulista, Glauber Rocha
Crédito: Reprodução - site do Sesc Avenida PaulistaUma das sessões da exposição chama-se “Asfixia”

“Cartas do Mundo” é quase mágica, pois se modifica aos olhos dos visitantes, criando diferentes ambientes para cada um dos segmentos videográficos. Basicamente, o espectador assume outros papeis ao se deparar com três capítulos de uma narrativa cinematográfica com cenários que ganham vida incessantemente.

A visitação é gratuita e acontece de terça a sexta, das 12h às 21h30, e, aos sábados e domingos, das 10h às 18h. E está logo no térreo da instituição.

  • Luiz Zerbini: a mesma história nunca é a mesma”

Até 05 de junho de 2022

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De terça, das 10h às 20h (entrada até as 19h), e de quarta a domingo, das 10h às
18h (entrada até as 17h)

Site: masp.org.br

Telefone: (11) 3149-5959

O MASP realiza a primeira individual de Luiz Zerbini em São Paulo – e você tem até o dia 5 de junho para conferir. Estão reunidos, no segundo subsolo da instituição, cerca de 50 obras deste que é um dos principais nomes da arte contemporânea brasileira.

Luiz Zerbini: a mesma história nunca é a mesma
Crédito: Divulgação/ Assessoria de Imprensa do MASPZerbini cria uma experiência imersiva ao se apropria
r de clássico dispositivo expográfico
de Lina Bo Bardi

Os visitantes encontram trabalhos em múltiplas linguagens, entre pinturas, monotipias, gravuras e desenhos, em sua grande maioria inéditos,
distribuídos em uma expografia-obra projetada em diálogo direto com a arquitetura do espaço. Essa seleção especial ressalta o interesse do artista pelos aspectos da botânica.

Você pode ir ao MASP de terça, das 10h às 20h (entrada até as 19h), ou de quarta a domingo, das 10h às 18h (entrada até as 17h). Lembrando que os ingressos custam R$50 (inteira) e R$25 (meia-entrada). Todas as terças, a entrada é grátis.

  • “[ím]pares”

Até 12 de junho de 2022

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De terça a sexta, das 10h às 18h, aos sábados, das 9h às 19h e, aos domingos e feriados, das 9h às 18h

Grátis

Que tal entrar em contato com o mundo das joias contemporâneas japonesas? A exposição “[ím]pares”, em cartaz na Japan House até o dia 12 de junho, te dá um gostinho. Quem visitar o centro cultural no período, vai encontrar 75 criações das designers Miki Asai, Naho Okamoto, Mariko Kusumoto, Emiko Suo e Nahoko Fujimoto.

Ímpares, Japan House, exposições em SP
Crédito: Ding Musa - divulgação/ Suporte Comunica Veja que incríveis essas joias!

As peças exploram os mais diversos materiais, como metal, tecido, vidro, bambu, ratã, madrepérola, concha, papel e até casca de ovo! E tudo isso em colares, pingentes, brincos, anéis, pulseiras e broches.

Esqueça tudo aquilo que você conhece sobre design japonês. As joias selecionadas extrapolam o conceito de minimalismo e exploram a exuberância das formas, escala, texturas e cores. Também há produtos articulados ou ainda com uma estética lúdica.

Visite a Japan House de terça a sexta, das 10h às 18h, aos sábados, das 9h às 19h e, aos domingos e feriados, das 9h às 18h.

  • “Black is Beautiful”

Até 03 de junho de 2022

Segunda - Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado

De segunda a sexta, das 9h30 às 18h30, e, aos sábados, das 10h30 às 14h

Grátis

Telefone: (11) 3062-5288

O renomado fotógrafo de moda Glauber Bassi, que já assinou trabalhos para revistas como Vogue e Bazaar, voltou seu olhar à cultura afro-soteropolitana e montou a exposição “Black is Beautiful”.

Glauber Bassi
Crédito: Glauber Bassi - divulgação/ Flavia Fusco Comunicação Exposição de Glauber Bassi fica em cartaz de 4 de maio a 3 de junho na Galeria Roberto Camasmie

Ao longo de três dias, ele clicou modelos profissionais e vindos de projetos sociais, além do corpo de dança do Grupo Bahia Axé, que atuou na captação das imagens da cultura do candomblé. Os registros foram feitos em lugares icônicos da cidade de Salvador, como Pelourinho, Santo Antônio e Gamboa.

Suas fotos, de acordo com Bassi, homenageiam a intensidade da alma preta de Salvador. Você pode conferir tudo isso na Galeria Roberto Camasmie entre os dias 4 de maio e 3 de junho, de segunda a sexta, das 9h30 às 18h30, e, aos sábados, das 10h30 às 14h.

  • “Sonhei em Português”

Até 12 de junho de 2022

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De terça a domingo, das 9h às 16h30

Mostrar como o deslocamento humano contemporâneo é atravessado pela questão da língua é a missão de “Sonhei em Português”, a nova exposição do Museu da Língua Portuguesa. Com curadoria de Isa Grinspum Ferraz, a mostra foi construída a partir da experiência de imigrantes de várias nacionalidades em São Paulo.

Crédito: Ciete Silvério - divulgação - FBS ComunicaçãoA nova exposição do Museu da Língua Portuguesa fala sobre imigração!

Entre as várias obras e instalações, está Deslocamentos Cruzados, um ambiente que representa as pessoas e línguas em trânsito. Ao entrar no espaço, o público logo percebe, por meio de instalações visuais e sonoras, a enorme variedade de idiomas falados no mundo.  Há, ainda, uma vitrine que expõe letras e caracteres de várias línguas bem diferentes entre si, como árabe, chinês, hebraico e cirílico.

Outra instalação, criada por Solange Farkas, da Associação Cultural Videobrasil, reúne retratos de imigrantes de várias partes do globo que moram em SP. E a exposição também tem uma ambientação sonora com cantos em vários idiomas, reunidos pela cantora e pesquisadora Fortuna em uma trilha sonora criada para o projeto.

  • “Sete Décadas de Exposições Modernistas”

Ainda no contexto das celebrações ao centenário da Semana de 22, o MAM – Museu de Arte Moderna recebe a exposição “Sete Décadas de Exposições Modernistas”, que reúne uma coleção impressionante de cartazes de mostras que passaram pela instituição.

Crédito: Divulgação - a4&holofote comunicaçãoMostra reúne cartazes de exposições modernistas que passaram pelo MAM

Você vai encontrar na Biblioteca Paulo Mendes de Almeida, que guarda a memória da instituição, cartazes com obras de Candido Portinari, Di Cavalcanti, Alfredo Volpi, Vicente do Rego Monteiro, Tarsila do Amaral, entre outras feras.

E ainda vai assistir ao documentário “MAM São Paulo: sete décadas de exposições modernistas de 1950 a 2018”, produzido pelo próprio museu.

  • “Projetos para um Cotidiano moderno no Brasil (1920-1960)”

Até 24 de junho de 2022

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

Terça a domingo, das 10h às 19h

Grátis

Site: mac.usp.br

Telefone: (11) 2648-0254

Outra dica para quem ama arte moderna é curtir a exposição “Projetos para um Cotidiano moderno no Brasil (1920-1960)”, em cartaz no MAC USP. Com curadoria de Ana Magalhães e Patrícia Freitas, a mostra reúne 120 obras de sete artistas: Antonio Gomide, Emiliano Di Cavalcanti, Flávio de Carvalho, Fulvio Pennacchi, John Graz, Mário Zanini e Vicente do Rego Monteiro.

Crédito: Emiliano Di Cavalcanti - Projeto para Cartaz, Rio, Guache sobre Papel - divulgação - site oficial do MAC USPA mostra do MAC USP revela como a linguagem moderna foi incorporada no cotidiano do nosso país

A ideia é mostrar como a linguagem moderna circulou por nosso país na primeira metade do século 20, sobretudo no ambiente urbano, para além dos museus e galerias de arte.

Por isso, estão expostos cartazes, ilustrações, capas de revistas, estudos para murais decorativos pensados para espaços públicos e privados e croquis de cenários e figurinos de peças de teatro e balé.

  • “Regina Silveira: Outros Paradoxos”

Considerada uma das maiores artistas brasileiras de sua geração, Regina Silveira tem seu trabalho exposto em “Outros Paradoxos”, no MAC USP. O título da mostra faz referência à obra “Paradoxo do Santo”, que revela a atitude questionadora da artista diante da vida e da arte.

Crédito: Divulgação - site oficial do MAC USPConheça o trabalho de Regina Silveira nesta exposição em SP

Você vai conferir 42 obras de Regina Silveira, que foram doadas ao acervo do MAC USP em 2019, em parceria com a Luciana Brito Galeria.  São gravuras, experimentações, documentos e vídeos.

A ideia da exposição é mostrar como a artista problematiza a realidade à sua volta sem passar pela abordagem de assuntos explicitamente políticos ou pelo uso de imagens panfletárias. Os questionamentos sobre os códigos de representação, os jogos de luz e sombra, a ironia, os limites entre arte e não-arte estão presentes de várias maneiras nas obras.

  • “blz | ocupação Mônica Nador + JAMAC”

Até 29 de julho de 2022

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De terça a sexta, das 11h às 21h, e, aos sábados e domingos, das 11h às 18h

Grátis

Você conhece o trabalho do JAMAC (Jardim Miriam Arte Clube)? É um espaço cultural localizado na periferia de SP, na zona sul, que foi idealizado por Mônica Nador em 2004.

blz | ocupação Mônica Nador + JAMAC
Crédito: Reprodução - @sescsantoamaro FacebookCurta a exposição “blz | ocupação Mônica Nador + JAMAC”

A artista fez esse ateliê com a missão de construir processos que estimulem encontros entre arte e vida, estética e política. Assim, o local recebe oficinas continuadas de estêncil, serigrafia, yoga e cinema para o público em geral, além de diversas propostas que se situam na intersecção de arte e formação para a cidadania, diversidade, memória e direito à cidade.

Até o dia 29 de julho, é possível entrar em contato com a produção do JAMAC lá no Sesc Santo Amaro. A visitação é gratuita e acontece de terça a sexta, das 11h às 21h, e, aos sábados e domingos, das 11h às 18h.

  • “Adriana Varejão: Suturas, fissuras, ruínas”

Mergulhe no trabalho de Adriana Varejão em uma super exposição na Pinacoteca. São mais de 60 obras reunidas, produzidas de 1985 até 2022, configurando a mostra como a mais abrangente já realizada sobre a artista.

Adriana Varejão, Pinacoteca, exposições em SP
Crédito: Vicente de Mello - divulgação/ Assessoria de Imprensa da Pinacoteca Curta a exposição “Suturas Fissuras Ruínas” na Pinacoteca de São Paulo

O trabalho de Adriana põe em pauta o exame reiterado e radical da história visual, das tradições iconográficas europeias e das convenções e códigos materiais do fazer artístico ocidental. Desde suas primeiras pinturas barrocas, a superfície da tela nunca é mero suporte; ao contrário, é um elemento essencial da mensagem da pintura. O corte, a rachadura, o talho e a fissura são elementos recorrentes nas suas criações desde 1992.

A mostra conta com obras inéditas e outras tantas que tiveram pouca ou nenhuma visibilidade no Brasil, em decorrência de eventos internacionais. Um dos destaques da exposição “Adriana Varejão: Suturas, fissuras, ruínas” é  “Azulejos” (1988), a primeira experiência da artista com um painel de azulejaria portuguesa. Trata-se de uma tela realizada antes dos seus famosos “azulejos”, que se tornaram quase uma marca registrada.

Visite a Pinacoteca de quarta a segunda, das 10h às 18h. Os ingressos custam R$20 (inteira), R$10 (meia-entrada) e são gratuitos para todos aos sábados e para crianças até 10 anos e pessoas acima de 60 anos.

  • “EntreMeadas”

Até 14 de agosto de 2022

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De terça a sexta, das 9h às 21h30, aos sábados, das 9h às 20h, e, aos domingos e feriados, das 9h às 18h

Grátis

Site: sescsp.org.br

Telefone: (11) 2475-5550

Partiu valorizar o artesanato produzido em São Paulo? A exposição “Entremeadas”, em cartaz no Sesc Guarulhos entre os dias 30 de abril e 14 de agosto, tem justamente essa proposta.

Entremeadas, exposições em SP
Crédito: Reprodução - @sescguarulhos/ facebook“Entremeadas” fica em cartaz no Sesc Guarulhos

A curadora Adélia Borges selecionou trabalhos de mulheres artesãs que se dedicam às linhas, aos fios e às fibras como materiais de suas produções artísticas e como possibilidades simbólicas e narrativas nas relações com as comunidades as quais estão inseridas. Em 2019, a mostra foi montada no Sesc Vila Mariana.

Quer adentar nesse universo? A visitação acontece de terça a sexta, das 9h às 21h30, aos sábados, das 9h às 20h, e, aos domingos e feriados, das 9h às 18h.

  • “J. Borges — o mestre da xilogravura”

Até 07 de agosto de 2022

Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De quarta a domingo, das 10h às 20h

Grátis

José Francisco Borges, mais conhecido como J. Borges, é Patrimônio Vivo de Pernambuco – título concedido pelo Estado aos mestres da cultura popular pernambucana, reconhecidos como Patrimônio Imaterial. E você pode ver parte de seu trabalho gratuitamente no Centro Cultural Fiesp até o dia 7 de agosto.

J. Borges, o mestre da Xilogravura, Centro Cultural Fiesp
Crédito: Divulgação/ Assessoria de Imprensa do Centro Cultural FiespVeja o trabalho lindo do J. Borges na Fiesp

J. Borges dedica-se à xilogravura e foi considerado por Ariano Suassuna apenas o melhor gravador popular do Brasil! Na Fiesp, há uma seleção de 66 das suas obras, sendo 10 delas inéditas. As criações tratam do cotidiano do agreste, de acontecimentos políticos, de fatos lendários, folclóricos e pitorescos da vida.

O artista também é cordelista há mais de 50 anos. Seus versos abordam a vida simples do campo, o cangaço, o amor, os castigos do céu, os mistérios, os milagres, crimes e corrupção, os folguedos populares, a religiosidade, a picardia, entre outros assuntos. A originalidade, irreverência e personagens imaginários são notáveis nas suas obras. Por esse motivo, livretos de cordel estão disponíveis – e pendurados por um barbante, tal como no Nordeste – para os visitantes na exposição.

Você pode conferir a mostra “J.Borges, o Mestre da Xilogravura” de quarta a domingo, das 10h às 20h.

“Daido Moriyama: uma retrospectiva”

Até 14 de agosto de 2022

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

Terça a domingo e feriados (exceto segunda) das 10h às 20h

Grátis

Site: ims.com.br

Telefone: (11) 2842-9120

A primeira grande retrospectiva do fotógrafo japonês Daido Moriyama na América Latina acontece no IMS Paulista. Até o dia 14 de agosto, os visitantes contemplam mais de 250 trabalhos, além de uma centena de publicações e escritos desse artista.

Daido Moriyama, IMS Paulista, exposições em SP
Crédito: Daido Moriyama - divulgação/ Assessoria do IMSDaido Moriyama fez registros fotográficos impressionantes

A seleção de fotografias passa por diferentes momentos da carreira de Daido, desde o interesse pelo teatro experimental dos anos 1960, até os trabalhos contestadores dos anos 1970 e a documentação das cidades e a reinvenção do seu próprio arquivo nos últimos anos.

A exposição é o resultado de três anos de pesquisa, incluindo uma visita ao arquivo do fotógrafo em Tóquio. Para toda essa belezinha acontecer, a mostra foi concebida em parceria com a Daido Moriyama Photo Foundation e conta com o apoio da Fundação Japão e consultoria dos pesquisadores japoneses Yutaka Kambayashi, Satoshi Machiguchi e Kazuya Kimura, entre outros.

Visite a Japan House de terça a domingo e feriados, das 10h às 20h.

  • “Ayrson Heráclito: Yorùbáiano”

Até 22 de agosto de 2022

Todos os dias

De segunda a sábado, das 10h às 18h

Grátis

Reflita sobre as feridas deixadas pela história colonial durante a exposição “Ayrson Heráclito: Yorùbáiano”, em cartaz no quarto andar da Estação Pinacoteca até o dia 22 de agosto. E a entrada é grátis!

Logunedé com Ofá e penas de pavão
Crédito: Ayrson Heráclito - divulgação/ Adelante Comunicação Cultural Obra “Logunedé com Ofá e penas de pavão”

O artista baiano é é professor universitário, historiador da arte, curador e ogã de Candomblé de matriz Jejê-Mahi. Sua obra celebra as mitologias africanas que aportaram no Brasil a partir da diáspora, do sequestro e da escravidão de diversos povos africanos, sobretudo a partir do século 19.

Por isso, Heráclito articula diversas culturas em suas criações, abarcando os mitos yorubanos ou nagôs e jejes, os saberes ancestrais, as lendas, os ritos e visões de mundo distintos que fazem parte das matrizes religiosas do candomblé. Para esta mostra, foram selecionados 63 trabalhos, entre instalações, fotografias, vídeos, performances e registros.

Visite a Estação Pinacoteca de segunda a sábado, das 10h às 18h.

  • “Walter Firmo: no verbo do silêncio a síntese do grito”

Até 11 de setembro de 2022

Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De terça a domingo e feriados (exceto segundas), das 10h às 20h

Grátis

Site: ims.com.br

Telefone: (11) 2842-9120

Veja o trabalho impressionante do fotógrafo carioca Walter Firmo no IMS Paulista entre os dias 30 de abril e 11 de setembro! Trata-se de uma retrospectiva com 266 obras, marcadas, sobretudo, pela exaltação à população e à cultura negra do país.

Pixinguinha, Walter Firmo, IMS Paulista, exposições em SP
Crédito: Walter Firmo / Acervo IMS/ Assessoria de Imprensa do IMSMaestro Pixinguinha (Alfredo da Rocha Vianna Filho), Rio de Janeiro, RJ, 1967

A exposição “Walter Firmo: no verbo do silêncio a síntese do grito” ocupa dois andares da instituição e é composta por cliques realizados desde a década de 1950 até 2021. O público encontra imagens de diversas regiões do Brasil, com registros de ritos, festas populares e cenas cotidianas.

Essa seleção expressa a poética do artista, associada à experimentação e à criação de imagens muitas vezes encenadas e dirigidas. Há também estaque para os retratos de músicos poderosos, como Dona Ivone Lara, Cartola, Clementina de Jesus, Paulinho da Viola, Gilberto Gil, Martinho da Vila, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Djavan e Chico Buarque. Algumas dessas imagens ilustram capas de discos.

A entrada é gratuita e o horário de visitação é de terça a domingo e feriados, das 10h às 20h. O IMS nunca abre às segundas.

  • “Pasteur, o cientista”

Até 16 de outubro de 2022

Todos os dias

De terça a sexta, das 0h30 às 21h, e, aos sábados e domingos, das 10h30 às 18h30

Grátis

Site: sescsp.org.br

Telefone: (11) 4469-1200

O quanto você sabe sobre o Louis Pasteur (1822-1895), cientista francês que descobriu o processo de “pasteurização” do leite e criou a vacina contra a “raiva”? Na mostra “Pasteur, o Cientista”, em cartaz no Sesc Santo André até 16 de outubro, os visitantes entram em contato com os estudos desse importante pesquisador.

Busto com projeção em videomapping
Crédito: Divulgação - Sesc InterlagosA exposição “Pasteur, o Cientista” estreou em 2017 na França e tem circulado por muitos lugares

Estruturada em cinco atos, a mostra destaca a história de vida e os feitos dele, apresentando os acontecimentos do tempo em que viveu, o contexto das suas descobertas, os avanços na ciência e as aplicações de suas pesquisas no cotidiano.

A exposição é uma criação da Universcience, órgão do Ministério da Cultura da França, sob a curadoria de Éric Lapie e Astrid Aron e curadoria científica de Maxime Schwartz. A iniciativa já esteve em cartaz no Sesc Interlagos e no Sesc Campinas.

  • “Darwin, o Original”

Até 11 de dezembro de 2022

Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De quarta a domingo, das 10h às 16h30

Grátis

Tem um passeio ideal para mergulhar no universo da ciência. Até o dia 11 de dezembro, é possível conferir a exposição “Darwin, o Original”, no Sesc Interlagos. A visitação é grátis e acontece de quarta a domingo, das 10h às 16h30.

Bastante interativa, a mostra é uma criação da Universcience em colaboração com o Museu Nacional de História Natural da França e busca fazer as pessoas se reconectarem ao pensamento – muitas vezes mal interpretado – de Charles Darwin. Para isso, foi montado um percurso pelas noções que sustentam sua teoria de evolução e as inovadoras abordagens do mundo natural pelo cientista.

darwin, o original, Sesc Interlagos
Crédito: Virgínia Castro - divulgação/ Reprodução do site do Sesc InterlagosConheça melhor o pensamento de darwin em exposição grátis

Como um diferencial, a montagem brasileira ainda conta com a sala “Darwin e o Brasil”, uma iniciativa do Sesc com curadoria da dupla Leda Cartum e Sofia Nestrovski (pesquisadoras, roteiristas e apresentadoras do podcast de ciências e livros Vinte Mil Léguas) e consultoria de Flávia Natércia (pós-doutora em Divulgação Científica pela Unicamp-SP).

O que esperar desse espaço brasuca exclusivo? Muitas obras, peças interativas e vídeos, além de uma “coluna do tempo”, desenvolvida pelo artista visual Márcio Ambrósio, que permite ao visitante olhar para o tempo em camadas: um tempo vertical, e não horizontal. Um botão acende uma sequência de luzes na coluna, revelando a porção da coluna relativa à camada de tempo a que um determinado objeto pertence. Belo programão para a família, não?

  • “Modernismo. Destaques do Acervo”

Para celebrar os 100 anos da Semana de Arte Moderna de 1922, a Pinacoteca do Estado de São Paulo promove a exposição “Modernismo. Destaques do Acervo”, uma seleção de mais de 134 obras de artistas ligados a esse importante movimento que revolucionou a história da arte brasileira.

exposições em São Paulo
Crédito: Obra "Bananal", de Lasar Segall - Foto: Isabella MatheusA obra “Bananal” (1927), de Lasar Segall, é uma das atrações da mostra “Modernismo. Destaques do Acervo”

Um dos destaques é a pintura “Amigos”, de Di Calvalcanti, que esteve presente na mostra histórica da Semana de 22 no Theatro Municipal.

Outras preciosidades que você encontra por lá são os trabalhos “Antropofagia” e “São Paulo”, de Tarsila do Amaral; “Auto-retrato” e “Portadora de Perfume”, de Victor Brecheret; “Bananal”, de  Lasar Segall; “Casal na varanda”, de Cícero Dias; e “Dois Irmãos”, de Ismael Nery.

 

Ufa….O que não faltam são exposições em São Paulo, né? Então fique ligado na nossa Agenda e descubra muuuitos outros eventos culturais sem erro ;)