Últimas notícias:
Loading...

Festival Internacional de Curtas de SP celebra o cinema indígena

Curta uma programação recheada de títulos importantes dirigidos por indígenas ou sobre os povos originários brasileiros - tudo isso com entrada gratuita!

Cinema nacional é um setor da cultura que tem crescido gradativamente, por isso o foco do 34º Curta Kinoforum, o Festival Internacional de Curtas de SP, é a produção de cineastas indígenas brasileiros!

O evento acontece anualmente e este ano vai ser realizado entre 24 de agosto e 3 de setembro com uma programação recheada de títulos importantes dirigidos por indígenas ou sobre os povos originários brasileiros – tudo isso com entrada gratuita! Não dá para perder, né?

Curta “Kukuho – Canto Vivo Waujá” de Takumã Kuikuro , que será exibido no Festival Internacional de Curtas de SP
Créditos: Reprodução Filme "Kukuho - Canto Vivo Waujá"
Curta “Kukuho – Canto Vivo Waujá” de Takumã Kuikuro , que será exibido no Festival Internacional de Curtas de SP

Olinda Tupinambá, Priscila Tapajowara e Takumã Kuikuro, três expoentes dessa cinematografia, exibem retrospectivas de suas carreiras na seção Foco do evento, intitulada “Questão do Céu e da Terra” e composto por 13 curtas. O trio também participa de um encontro sobre suas carreiras, agendado para 28 de agosto, às 18h, na Cinemateca Brasileira.

Durante o Curta Kinoforum são expostos outros dez curtas, entre eles o inédito “Onde a Floresta Acaba” do diretor Otavio Cury, que reflete sobre a perda do jornalista britânico Dom Phillips, revisitando a primeira viagem de ambos para a Amazônia.

Uma conversa com a designer Alessandra Sampaio, viúva de Dom Phillips, acontece com o público no dia 25 de agosto, às 20h, no CineSesc.

“Yuri U Xëatima Thë – A Pesca Com Timbó” e “Thuë Pihi Kuuwi – Uma Mulher Pensando” são assinados por Edmar Tokorino Yanomami, Roseane Yariana Yanomami e Aida Harika Yanomami. Já “Mãri Hi – A Árvore do Sonho” tem direção de Morzaniel Ɨramari e também faz parte do evento.

Alberto Alvares exibe seu mais recente filme, “Nhe‘En-Mongarai / Batismo da Alma”, que acompanha um ritual em que as crianças ganham seus nomes guarani. Outro curta vencedor exibido é “Ava Mocoi, os Gêmeos”, de Vinicius Toro e Luiza Calagian.

“Mborairapé”, de Roney Freitas, tem como protagonista um jovem rapper das aldeias indígenas Guarani do Jaraguá, no município de São Paulo. E “Tapuia”, assinado pelos indígenas Kay Sara e Begê Muniz, conta a vida de uma jovem imigrante italiana vivendo no interior de São Paulo encontra uma indígena escravizada.

Com entrada gratuita, o Festival Internacional de Curtas de SP acontece em diversas salas de cinema por toda cidade. Mais informações estão disponíveis no site oficial do evento, acesse clicando aqui.

Quer outra dica imperdível? Olhe só: