Galeria em SP exibe exposição com obras feitas com post it

Em "Post it Drawings", Fabia Schnoor faz uso do post it como pequenos desenhos, que servem como lembranças do que é preciso esquecer

Por: Redação
Até
14
de julho 2018
Sexta - Sábado
Sextas das 11:00 às 19:00 Sábados das 11:00 às 17:00

Criada para difundir a arte contemporânea, a 55SP abre as portas para o público conferir a exposição “Post it Drawings”, assinada pela artista Fabia Schnoor. Para visitação de segunda à quinta-feira, é preciso agendamento (telefones: 11 981933455 e 11 995036551); às sextas-feiras, o espaço é aberto das 11h às 19h e, aos sábado, das 11h às 17h. A entrada é Catraca Livre.

Na Série “Post it Drawings”, Schnoor faz uso do post it como suporte para pequenos desenhos. Normalmente usado como utilitário de organização ou lembrete para cumprir tarefas, nas obras, o post it entra como uma lembrança de que é preciso esquecer. “É preciso não correr contra o tempo, mas parar para ver o tempo correr. É importante as vezes não ser preciso”.

Segundo a artista, os desenhos permitem a oportunidade de trocar a angústia de recuperar ou atingir algo por estar presente no átimo de cada momento, criam o lembrete de levantar a cabeça para olhar a paisagem e sentir estar vivo nesse instante, que passa.

Como é comum no processo de trabalho de Schnoor, se alternam momentos onde o acaso atua, com outros de decisões rigorosas. O instante impera em um acontecimento deixando seu registro a ser decifrado nas releituras que se configuram na imagem.

Se em outras séries esses fatos criam redes, trajetos ou mapas, na série “Post it drawings” as manchas de nanquim ou tinta de caneta, atravessam as folhas dos blocos, fazendo a mancha aparecer. A unidade do papel organizada na ordem remete ao frame do cinema ou uma unidade sonora que na sequencia permite o movimento, o ritmo ou narrativa e a reconstrução do tempo em um novo instante.

O solo show de Fabia, que tem presente em seu trabalho o trato com o tempo e a memória, marca o lançamento dos múltiplos da série: “Traças, pontos e linhas”. A artista utiliza imagens de um livro antigo sobre animais que, com o tempo, foi comido e marcado por traças.

A partir desses furos a artista imagina novos sentidos, conectando em caneta, ou fio de linha, um furo a outro criando ocupações gráficas e geométricas. A justaposicão da imagem orgânica dos animais com o espaço geométrico e racional cria novos significados e relações.

Curtiu? Então, olha essa dica: