Imagem do Topo

Peça ‘Bolhas’ explora relação entre mãe evangélica e filho homossexual

Espetáculo tem texto e direção do ativista queer Haroldo França, vocalista da banda Ctrl+N

Por: Redação Comunicar erro
Até
14
de outubro 2019
Segunda - Sexta - Sábado - Domingo
Às sextas, aos sábados e às segundas-feiras, às 21h, e aos domingos, às 19h

As distâncias geográfica, cultural, intelectual e espiritual existentes entre uma mãe fundamentalista religiosa e um filho que pertence à comunidade LGBTQUIA+ são temas de “Bolhas”, com texto e direção do ativista queer que também é vocalista da banda Ctrl+N Haroldo França. O espetáculo estreia dia 13 de setembro na SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt, Sala Hilda Hilst. As apresentações seguem até 14 de outubro e acontecem às sextas, aos sábados e às segundas-feiras, às 21h, e aos domingos, às 19h.

Crédito: Valéria Lima - DivulgaçãoEspetáculo “Bolhas” estreia na SP Escola de Teatro

Em um tempo em que os ânimos estão muito inflamados para discutir qualquer coisa, Haroldo quer abordar a polarização. O objetivo da peça é promover o diálogo entre as pessoas que pensam diferente umas das outras. A trama aborda as tensões e expectativas de uma mãe e seu único filho, que vivem em cidades distintas e planejam se reencontrar depois de muito tempo sem se ver. Ela é uma pastora evangélica de pensamento fundamentalista e ele é homossexual e está em processo de rompimento com a igreja. Mãe e filho se amam na mesma medida em que se machucam.

A dramaturgia é fundamentada na contradição entre amor e violência, relacionamento e incomunicabilidade, presença e ausência. Cada cena comporta dois tempos e dois espaços, de modo que os personagens parecem dialogar, mas, na verdade, estão em situações opostas, distantes. Para acentuar essas dualidades, a plateia é dividida em lados opostos do espaço cênico.

A ideia é partir para o viés emocional para mostrar como as pessoas são intolerantes e como nenhum dos personagens tem uma visão simplista do mundo de acordo com o preconceito do outro. Segundo França, a mensagem principal da peça é: não vamos nunca entrar em acordo, mas podemos ter bons momentos juntos.

A peça foi escrita em 2017, no Núcleo de Dramaturgia SESI – British Council, ocasião em que ganhou a primeira direção de Vinícius Calderoni. Desde então, o texto tem passado por um longo processo de reescrita.