12 shows brasileiríssimos para curtir no Sesc SP em novembro

Vai rolar Larissa Luz, Drik Barbosa, Luiza Lian, KL Jay, Mateus Aleluia e muito mais!

Por: Redação
Até
22
de novembro 2019
Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo
Diversos horários - confira abaixo

Falou do Sesc SP, o coraçãozinho catraqueiro até pula de felicidade! E para compartilhar todo esse amor com vocês, selecionamos 12 shows lindos, maravilhosos e dançantes pra tu curtir até o final do mês. Tem atração gratuita e paga, mas nada ultrapassa os R$ 40.

E óh, sem desculpas para não aproveitar o rolê, pois os shows rolam em diversas unidades, englobando a cidade todinha. Preparadxs?! Então bora!

Sesc Pompeia
A choperia do Sesc Pompeia sempre recebe showzões imperdíveis! Divulgação
Sesc Avenida Paulista
Sesc Avenida PaulistaRoberto Assem - Divulgação
Sesc Belenzinhio
O Sesc Belenzinho é um dos maiores de SP, unindo teatro, comedoria, espaço expositivo e uma piscina enorme! Divulgação

Bora desbravar os shows do Sesc SP? Chega junto:

  • Drik Barbosa
    10 de novembro | 16h
    Sesc Pompeia | Rua Clélia, 93
    Grátis

Aos 25 anos, Drik Barbosa mistura a leveza do R&B com a intensidade de suas ideias nas rimas!

Antes de lançar seu primeiro EP, “Espelho” (2018), compartilhou com Emicida a trilha sonora de “O Menino e o Mundo” (2013) e a faixa “Mandume”, do disco “Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa” (Lab/2015).

Integra o coletivo de rap e R&B Rimas & Melodias, além de mostrar sua habilidade no cypher luso-brasileiro “Língua dos Campeões”.

  • Mahmundi
    10 de novembro | 15h30
    Sesc Itaquera | Av Fernando Espírito Santo Alves de Mattos, 1000
    Grátis

Mahmundi apresenta “Para dias Ruins”, show homônimo ao álbum lançado em 2018 e que apresenta uma sonoridade pop que evoca axé, reggae e, por vezes, uma bossa nova que nos leva em canções como “Alegria”, “Imagem” (que possui uma batida mais charm).

Formado por músicos mexicanos e brasileiros, o grupo do autoproclamado gênero transculturalismo transamericano ruidoso faz show de seu segundo disco, “Rasgacabeza” (2019), além de revisitar anteriores como “Triste, Louca ou Má”.

Nascido em Teresina, Getúlio Abelha passou por diversos estados do norte e nordeste, chegou a Fortaleza onde amplificou sua irreverência e criação musical, e se tornou um dos principais nomes em ascensão da cena cearense. Une experiências do teatro, cinema e performance a gêneros musicais como forró, carimbó, mesclando ainda referências do pop de forma original. Com um ímpeto punk traz à tona questões de gênero, sexualidade e classes.

  • Samuca e a Selva
    16 de novembro | 21h30
    Sesc Pompeia | Rua Clélia, 93
    R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia-entrada) e R$ 9 (credencial Sesc)

Após serem indicados ao Prêmio da Música Brasileira por seu álbum de estreia, “Madurar”, a banda Samuca e a Selva lança seu novo trabalho, “Tudo que Move é Sagrado”, um tributo às canções de Ronaldo Bastos.

Mais que releituras, as versões de Samuca e a Selva são a possibilidade de uma nova escuta de um dos principais repertórios da música popular brasileira.

  • Josyara 
    17 de novembro | 15h30
    Sesc Itaquera | Av Fernando Espírito Santo Alves de Mattos, 1000
    Grátis

A cantora e compositora, Josyara, apresenta show do disco “Mansa Fúria”, lançado em 2018 pelo edital da Natura Musical e produzido por Junix (BaianaSystem). Neste trabalho, ela escancara sua versatilidade trazendo voz e violão dialogando com texturas eletrônicas.

Josyara é acompanhada no palco por Lucas Martins (baixo, samplers e teclado) e Bruno Marques (baterial e percussão).

  • François Muleka
    17 de novembro | 16h
    Sesc Bom Retiro | Alameda Nothmann, 185
    Grátis

Provocado pelas dinâmicas de invisibilidade social seletiva do cotidiano, François leva ao Sesc Bom Retiro show com repertório de seu Ep “Couragem”, que aborda percepções pessoais sobre afetividade e ancestralidade, em canções e poesias brincadas a voz e baixo elétrico.

É acompanhado por Gui Augusto (percussão), Marissol Mwaba (voz e violão) e Nathan Souza (acordeom).

  • Luiza Lian
    17 de novembro | 16h
    Sesc Interlagos | Av Manuel Alves Soares, 1100
    Grátis 

O terceiro disco de Luiza Lian, “Azul Moderno” (2018), marca o fim da primeira fase da carreira da artista – iniciada com o disco homônimo de 2015 -, e a mostra confortável ao tratar de temas como ancestralidade, intimidade e espiritualidade em meio à atmosfera eletrônica criada juntamente com os produtores e arranjadores Charles Tixier e Tim Bernardes.

  • KL Jay 
    17 de novembro | 19h
    Sesc Guarulhos | Rua Guilherme Lino dos Santos, 1200
    R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia-entrada) e R$ 12 (credencial Sesc)

KL Jay apresenta show do álbum “KL Jay na Batida Volume II – No quarto sozinho”, com a presença de vários MCs que participaram do projeto e que traduzem e conectam a cena com diferentes gerações, flows e estilos do hip-hop.

Esse segundo disco, de uma trilogia que começou com o “KL Jay na Batida Volume III – Equilíbrio – A busca” lançado em 2001, chega 17 anos depois, após um lento e cuidadoso processo de oito anos entre estúdio, mixagem e garimpos.

Grupo formado por mulheres negras, em sua maioria sexagenárias, que trazem um desejo antigo de cantar e existir na essência, protagonistas de suas histórias. Tal qual suas ancestrais, resistem e ajudam a manter a memória negra da Igreja da Comunidade do Rosário dos Homens Pretos de Penha de França.

No repertório da apresentação, há influência das congadas, moçambiques e sambas de roda, com um repertório composto especialmente para elas e releituras de Carolina Maria de Jesus e Dona Ivone Lara.

  • Mateus Aleluia
    20 de novembro | 18h
    Sesc Belenzinho | Rua Padre Adelino, 1000
    R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia-entrada) e R$ 9 (credencial Sesc)

Cantor, compositor, violonista e percussionista, Mateus Aleluia pauta sua obra em temas da cultura afro-brasileira, do Candomblé e da filosofia. Não deixa de lado, no entanto, o amor como inspiração.

Nas décadas de 60 e 70, o baiano foi integrante do grupo de música popular brasileira Os Tincoãs. Posteriormente, foi viver em Angola, onde passou mais de 20 anos realizando pesquisas culturais para o governo local.

De volta ao Brasil, iniciou a produção de seu álbum autoral. Intitulado “Cinco Sentidos”, seu primeiro trabalho solo tem 11 faixas. Em 2017 lançou “Fogueira Doce”, álbum produzido de maneira independente e que faz um link entre Brasil e África.

Neste show, Mateus apresenta músicas de seus dois álbuns, bem como composições “d’Os Tincoãs”.

  • Mariene De Castro
    20 de novembro | 18h
    Sesc Bom Retiro | Alameda Nothmann, 185
    R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia-entrada) e R$ 9 (credencial Sesc)

Mariene de Castro apresenta o seu show “Santo de Casa”, cujo repertório resgata sambas clássicos da música brasileira, que celebram também a diversidade religiosa e a cultura popular, além de canções autorais.

  • Larissa Luz
    22 de novembro | 20h
    Sesc Campo Limpo | Rua Nossa Senhora do Bom Conselho, 120
    Grátis

Em seu novo trabalho Larissa Luz constrói um ritual baile que propõe conexão do sublime com o terreno, atualizando mitos yorubás e conduzindo um encontro entre som e movimento na pista.

Músicas inéditas que soam como pontos cantados para rezar dançando. “Trovão”, esse é o nome do novo disco da baiana de Iansã com Ogum que conta com as participações de Luedji Luna, Lazzo Matumbi e Ellen Oléria.

Cantora, compositora e atriz, Larissa Luz vem se tornando uma grande representante da música negra contemporânea da Bahia. Depois de ficar em cartaz vivendo Elza Soares no musical “ELZA”, que estreou em 2018, conciliando a carreira de atriz e cantora e da turnê “Território Conquistado”, do disco homônimo lançado em 2016, que contou com a participação de Elza.


Para apurar seus ouvidos, preparamos um listão com vários lugares para ouvir jazz em Sampa. Dá só uma espiada! ;)

1
Sorvete de pão de queijo: a sobremesa mais gostosa e inusitada de BH
Que Minas Gerais tem os pães de queijo mais gostosos, todo mundo já sabe! Mas já experimentou um sorvete de pão …
2
Espaço Ovni: cerveja gelada, beijo na boca e música boa no Recife
Se você tá a fim de curtir um som louco, dar uns beijos na boca e tomar aquela gelada durante …
3
Feira Tom Jobim é o melhor lugar pra comer no sábado de manhã em BH
Imagine um sábado suave na nave, sob a sombra de uma árvore, apreciando o sabor de comidas típicas nacionais e …
4
3 lugares para apreciar a paisagem de Curitiba do alto
Curitiba é uma cidade linda, disso já sabemos! Mas ver ela do alto deixa tudo ainda melhor! Colaí pra ver essas …
5
Onde curtir um show de música independente delicinha em São Paulo
Pagar dois salários mínimos pra ver show não dá, né? Ainda mais quando São Paulo é a cidade onde você encontra …
6
RJ: Um mergulho literário no Real Gabinete Português de Leitura
O Rio de Janeiro é a Cidade Maravilhosa não apenas por suas paisagens e praias! Ali no centro fica um dos …
7
Casa Preta: lar da cultura alternativa de Salvador
Um Casarão no Dois de Julho tem cultura saindo pelas janelas! Com eventos do subsolo ao terraço, a Casa Preta …
8
SP: Maior festival de inovação e arte digital do Brasil
Unhide Conference, um festival de inovação e arte digital está em sua segunda edição. Fomos conferir esse encontro de arte, criatividade …