Samba grátis no Rio: grupo faz roda toda quarta no Arco do Teles

Samba Opinião recorda clássicos do gênero musical no Centro Histórico da Cidade Maravilhosa

Por: Karen Fideles Comunicar erro

Samba e Rio dão um match perfeito há mais de um século. Berço do gênero musical, a Cidade Maravilhosa não poderia deixar de ser também palco de eventos que valorizam o melhor do ritmo brasileiro. E não é só aos finais de semana! Agora tem roda gratuita também às quartas-feiras no Arco do Teles, comandada pelo Samba Opinião.

Samba Opinião
Crédito: Tiago Brando/DivulgaçãoSamba Opinião faz rodas toda quarta-feira, no Arco do Teles
Samba Opinião
Crédito: Tiago Brando/DivulgaçãoGrupo formado por 12 músicos homenageia os grandes mestres do samba de raiz
Samba Opinião
Crédito: DivulgaçãoRoda de samba começa a partir das 19h e dura cerca de quatro horas

Toda semana, o grupo bate ponto na região com seu tradicional repertório, que homenageia grandes nomes do samba de raiz, como Clara Nunes, Paulinho da Viola, Zeca Pagodinho, Martinho da Vila, Fundo de Quintal, Jorge Aragão, Candeia, Cartola e Beth Carvalho. “Conto de Areia” (Clara Nunes), “Tiê” e  “Acreditar” (Dona Ivone Lara) são alguns dos clássicos que não ficam de fora. O batuque começa às 19h e rola até tarde da noite: são dois sets de aproximadamente 1h40 cada e, depois da roda, a música continua com DJs convidados.

A ideia é que o evento faça parte da grade de atrações permanentes que acontecem no Arco do Teles. “É uma região histórica que recebe muitas rodas de samba. Sempre quisemos tocar lá porque combina muito com o nosso repertório-homenagem. Como já existe um circuito aos finais de semana, nosso objetivo é criar uma tradição de samba também às quartas. Quem vai durante a semana é porque curte mesmo. É samba para degustar!”,  conta o músico Guilherme Ferreira, que fica no vocal e cavaquinho.

Sobre o grupo

Formado por 12 músicos, o Samba Opinião carrega esse nome em homenagem ao movimento de resistência cultural dos anos 60, o Teatro Opinião, que uniu música de resistência e teatro. O grupo se tornou popular nas rodas mais tradicionais do Rio de Janeiro nos últimos três anos, ao reviver os sambas dos grandes mestres da música brasileira.

Coral/Vocal: Roberta Valente, Larissa Dahmer, Rita Rodrigues, Aline Vargas, Nina Malm e Marco Barbosa
Cavaquinho e voz: Guilherme Ferreira
Violão e voz: Gabriel Calvano
Surdo: Raisa Mousinho
Percussão: Caito Guimarães
Percussão: Jahi de Oliveira
Pandeiro: Diego Tilin Uchôa