Dirigida por Vera Holtz, peça ‘A Peste’ chega ao CCBB-Rio

'A Peste' fala da sociedade contemporânea doente em suas relações humanas e afetos
Até
30
de julho 2018
Domingo - Segunda - Quinta - Sexta - Sábado
Das 19:30 às 20:50
array(3) { ["address"]=> string(69) "Rua Primeiro de Março, 66 - Vila Clementino, São Paulo - SP, Brasil" ["lat"]=> string(11) "-22.9010053" ["lng"]=> string(18) "-43.17627190000002" }

CCBB RJ - Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro

Rua Primeiro de Março, 66 - Vila Clementino, São Paulo - SP, Brasil

Centro cultural

site: culturabancodobrasil.com.br

email: ccbbrio@bb.com.br

telefone: (21) 3808-2020

Nem só de Copa do Mundo vivem os espaços culturais nessa época do ano! No CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil), além da programação dedicada à maior festa do futebol, estão em cartaz peças de teatro a preços populares, como “A Peste”, que leva Pedro Osório ao palco, com direção de Vera Holtz e provocação artística de Guilherme Leme Garcia. Os ingressos custam R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada).

‘A Peste’ fala da sociedade contemporânea doente em suas relações humanas e afetos

O espetáculo foi adaptado por Pedro Osório e Guilherme Leme Garcia a partir do romance homônimo do escritor, filósofo e dramaturgo argelino Albert Camus. No palco, um recorte destaca o ponto de vista do narrador, o médico Bernard Rieux, que se dirige ao público após passar um ano preso em uma cidade fechada por causa da peste.

É uma obra de resistência em todos os sentidos: nela, o bacilo é o motivo usado para discutir e alertar o público através da compreensão dos fatos, que vão se revelando absurdos em uma sociedade alegoricamente egoísta. Através da metáfora, a montagem fala das relações e afetos de uma sociedade doente.

O romance de Albert Camus reflete sobre a empatia, a primazia do coletivo e a existência colocada como prioridade em contraponto ao indivíduo egoísta, em um estado febril dentro de uma sociedade doente. O personagem não é um herói, mas um homem que acha a saída através do trabalho cotidiano e honesto. A sua racionalidade não sucumbe à “febre”, à impotência, à paralisia, ao devaneio. Ele é o homem que passa pela tragédia com o coração transformado.

“A Peste” pode ser vista de quinta a segunda, às 19h30, até o dia 30 de julho, no Teatro II do CCBB.

Mais teatro:

Peças inspiradas em obras de escritores chegam ao Teatro Poeira

Compartilhe:

Autor: Por: Redação