Avó inspira designer a criar louça para quem tem Alzheimer

Arquivo Pessoal
Sha Yao e sua avó, diagnosticada com Alzheimer

Quando a avó de Sha Yao foi diagnosticada com Alzheimer, a designer virou voluntária em centros de cuidados para idosos para aprender a conviver com a enfermidade, incurável e degenerativa, que, segundo a OMS, vitima 35 milhões de pessoas no mundo. Acabou descobrindo que o simples ato de comer era desafiador para os pacientes e estressante para os cuidadores.

Depois de anos de pesquisa, ela lançou o Eatwell, um conjunto de sete peças para refeições com ergonomia inovadora _ e venceu o Stanford Design Challenge. As cores primárias foram escolhidas a partir de uma pesquisa que mostrou que pacientes com doenças neurodegenerativas consomem 25% mais alimentos e 84% mais de líquidos quando servidos em louças chamativas.

Divulgação
Eatwell, conjunto de sete peças para refeições

O copo tem uma base inclinada para servir de apoio e não permitir que seja derrubado facilmente. A colher foi projetada com curvas que coincidem com as do prato e deixa mais fácil o ato de pegar o alimento. O prato possui ainda uma inclinação que permite que a comida escorregue para um canto, tornando mais prático juntá-la e levá-la à boca. Também foi criada uma bandeja com aberturas na parte inferior para prender guardanapos de pano.

“Uma vez que as pessoas têm Alzheimer, elas vão precisar de todo o tipo de assistência no seu dia a dia”, diz a designer taiwanesa. “Conforme a doença progride e piora, a carga de trabalho dos cuidadores torna-se cada vez mais pesada. Toda vez que eu olhava para minha avó, desejava ter feito algo para ajudá-la. Eu acredito que há muitas maneiras de melhorar a qualidade de vida de nossos entes queridos com Alzheimer, bem com a de seus cuidadores.”