Papai Noel questiona estereótipos em vídeo sobre saúde mental infantil

Campanha de ONG americana mostra como julgamentos feitos sobre crianças podem ser simplistas

Por: Redação

Quem foi bom durante o ano ganha presente. Criança ruim ou malcriada fica sem nada no Natal. Um vídeo sobre saúde mental questiona esses estereótipos atribuídos aos pequenos.

Catraca Livre criou o projeto Causando, apoiado pelo Carrefour, para mostrar como as marcas desenvolvem e assumem causas.

Campanha Nami - Saúde mental de crianças
Crédito: Reprodução/YouTubeVídeo sobre saúde mental questiona tratamento dado a crianças

Na peça, elaborada pela agência Wieden + Kennedy New York para a National Alliance of Mental Illness (NAMI), o próprio Papai Noel levanta algumas perguntas. E conclui que desobediente é um rótulo muito simplista.

“Obedientes ou desobedientes? Não é possível que elas estejam obedientes ou nervosas? Desconfortáveis ou obedientes? Com-raiva-e-sei-lá-mais-o-que e obedientes?”, questiona o bom velhinho.

A pensata segue. “O mundo está se abatendo sobre elas”, completa ele. “E se espera que elas falem apenas quando lhes é dirigida a palavra?”

Saúde mental na infância

“Mostre-me uma pessoa interessante e totalmente formada e eu mostrarei uma criança que já foi ‘difícil’. Levou apenas mil anos, mas finalmente vejo isso. Essas crianças não são ‘travessas’ ou ‘legais’. São crianças”, resume o Papai Noel.

A mensagem no vídeo sobre saúde mental é para pais e pessoas mais próximas aos pequenos: é preciso tratá-los com paciência e compreensão.

Muitos transtornos mentais têm início na infância. Nos Estados Unidos, estima-se que mais de 10 milhões de crianças lidem com problemas como depressão, ansiedade e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade.

Compartilhe: