450 mil mulheres por ano não registram B.O. após estupro, diz Ipea

Por: Redação

Com informações da Folha de S. Paulo

A cada 1 minuto, uma mulher é estuprada no Brasil. Ao final desta matéria, se você ler até o final, cerca de 3 mulheres terão sido estupradas. Se esse número não te preocupa, algo está errado [com você].

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ocorrem cerca de 500 mil estupros por ano no Brasil. Outro dado preocupante é que 90% desses casos (ou seja, cerca de 450 mil) não registram boletins de ocorrência. E isso acontece por diversos motivos: medo, insegurança, sensação de impunidade, vergonha, entre outros.

Carolina Ribeiro, uma estudante de jornalismo da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) foi atacada por três homens nas imediações da PUC, em Perdizes, há pouco mais de um mês. Ela ainda não registrou boletim de ocorrência. À Folha, a universitária declarou que resolveu se preservar e se cuidar ao invés de “gritar para surdo ouvir”.

Carolina Ribeiro (foto: Coletivo VOA/reprodução)

Carolina preferiu, primeiro, relatar o crime no site do VOA, um coletivo feminista da universidade: “O maior deles me segurava e fez o que sentiu vontade, com meu vestido levantado. Não, não houve penetração! Apanhei, fui tocada e, por sorte, tudo não demorou muito tempo para acabar”.

Apesar de não ter registrado o boletim de ocorrência, Carolina afirmou que preferiu primeiro levar o caso a público e discuti-lo: “Não acho que fiz o que ‘deveria ser feito’: antes de ser comigo, sempre defendi o oposto. Temos, sim, que denunciar qualquer tipo de agressão. Optei apenas por fazer de uma outra maneira: problematizar é necessário”.

E ela não descarta a opção do B.O., mas antes quer se sentir mais segura para isso: Penso em registrar o boletim, certamente, quando estiver me sentindo mais confortável para responder perguntas estupidas”, afirmou Carolina.

Leia também: Alunas denunciam casos de estupro e assédio durante jogos universitários em SP