Ajude a Casa 1 a continuar com o acolhimento de LGBTs em SP

O jornalista Iran Giusti, idealizador do projeto, anunciou que a Casa 1 vai fechar as portas no final de 2019; veja como apoiar

Por: Heloisa Aun Comunicar erro
Casa 1, centro de acolhimento de LGBTs em SP
Crédito: Reprodução / FacebookA Casa 1 foi inaugurada em 2016

Em 2016, o jornalista Iran Giusti criou um projeto que tinha um objetivo em especial: acolher LGBTs expulsos de casa por suas famílias. Durante os últimos três anos, a Casa 1, localizada na região central de São Paulo, acolheu mais de 200 pessoas e, atualmente, tem 20 residentes, 41 crianças que frequentam diariamente o centro cultural e cerca de 300 alunos por mês nas aulas de inglês, espanhol, costura, canto e yoga. Além disso, a iniciativa promove doações de roupas todos os dias, e atendeu outras centenas de pessoas online e 70 pacientes em processo psicoterápico na clínica social.

Embora a ideia tenha ganhado muita repercussão, nesta segunda-feira, 11, Iran anunciou que a Casa 1 vai fechar as portas no final de 2019. O motivo? A falta de recursos para manter a estrutura necessária da instituição. “Quando criei a Casa 1 ela tinha um tempo de início, meio e fim. Na minha inocência, em um ano conseguiria mostrar pras pessoas a necessidade do espaço e coletivamente o projeto seguiria”, escreveu o jornalista.

ATUALIZAÇÃO: pra quem perguntou como pode ajudar, o melhor meio pra segurar a barra é fortalecer o financiamento…

Posted by Iran Giusti on Monday, March 11, 2019

De acordo com a publicação, o gasto mensal da Casa 1 é de R$ 40 mil, sendo que apenas o aluguel custa R$ 13 mil. Inicialmente, a iniciativa conseguiu se manter graças ao financiamento coletivo e apoio de algumas marcas, mas, hoje, esse valor não cobre o que é preciso para manter os atendimentos.

Na semana passada, inclusive, Iran precisou pedir doações de alimentos não perecíveis. “Dois anos de trabalho, parcerias com empresas gigantes, apoio de muita gente legal e ainda precisamos pedir arroz e feijão. Passados esses dois anos veio o alerta: não dá mais”, ressaltou na rede social.

“A ideia sempre foi ter um espaço coletivo, financiado coletivamente e a parceria com as empresas seria um complemento e uma possibilidade de ampliação, mas infelizmente a adesão foi menor que a da demanda do projeto. Desde o começo fechamos com as contas certinhas, mas desde janeiro temos deficit”, afirma o idealizador em entrevista à Catraca Livre.

Segundo ele, desde novembro, com a eleição do atual presidente Jair Bolsonaro, as empresas interessadas em apoiar a instituição desapareceram. “Outra questão é a incerteza dos serviços públicos e o sucateamento da rede”, completa.

Para o jornalista, além da eleição de Bolsonaro ter influenciado a situação atual da iniciativa, a esfera estadual também é outro agravante. “A Casa 1 abriu junto com Doria chegando a prefeitura e acompanhamos de perto o sucateamento da estrutura pública algo que agora vai acontecer também no estado e no campo municipal com a gestão do Bruno Covas.”

Como ajudar a Casa 1

A decisão de encerrar a Casa 1 foi “quase impossível”, como ressalta Iran Giusti. “A gente nasceu e vive resistência e dói demais a possibilidade de fechar as portas, em especial nesse momento tão necessário”, diz.

O anúncio do fim do projeto causou grande mobilização nas redes sociais e também por parte dos antigos e atuais moradores, que estão em busca de ajuda da sociedade, de editais e de empresas para manter o local.

Quer contribuir com uma iniciativa tão importante como esta? Compartilhe o conteúdo, se voluntarie por meio do site ou contribua com o financiamento coletivo neste link.

O idealizador ressalta que o valor de contribuição mínimo, de cerca de R$ 10, é a forma mais segura para a manutenção da casa. “É muito mais forte e seguro para nós que tenhamos 10 pessoas doando R$ 10 do que uma doando R$ 100. Isso garante que mesmo uma outra pessoa passando por dificuldades e deixando de contribuir as contas não ficam em aberto, ao contrario de um doador de R$ 100 reais deixar de contribuir”, finaliza.

Agradecimentos, pedidos e muito amor.Gente, vocês são incríveis e graças aos novos benfeitores mensais do…

Posted by Casa 1 on Wednesday, March 13, 2019

Compartilhe:

Por: Heloisa Aun

Feminista, vegetariana e repórter de Cidadania no Catraca Livre. ("nossas costas / contam histórias / que a lombada / de nenhum livro / pode carregar" - Rupi Kaur)

1 / 8
1
08:59
Lobão analisa a relação de Bolsonaro com seus filhos
Um dos poucos nomes do meio artístico a apoiar a eleição de Jair Bolsonaro (PSL), o músico Lobão revelou recentemente …
2
08:31
Lobão explica como funciona a mente de Olavo de Carvalho
Em entrevista ao vivo no estúdio da Catraca Livre para o jornalista Gilberto Dimenstein, o cantor Lobão, ex-afeto de Olavo …
3
03:39
Alter do Chão sofre com incêndio de grandes proporções
As chamas que consomem uma área de preservação ambiental de Alter do Chão, em Santarém, no Pará, voltaram a se …
4
09:33
Glenn Greenwald: Os limites do jornalismo no governo Bolsonaro
Em entrevista a Gilberto Dimenstein, da Catraca Livre, Glenn Greenwald, fundador do The Intercept Brasil, site responsável pela série de …
5
03:50
Clã Bolsonaro nomeou familiares para cargos de confiança
Uma reportagem publicada pela revista Época mostra que 17 familiares de Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro,  foram …
6
10:59
David Miranda x Coaf: Glenn Greenwald fala sobre a investigação
Uma matéria publicada pelo jornal O Globo deu destaque para um relatório do Coaf, em que o deputado federal David …
7
05:12
Glenn Greenwald fala qual foi a matéria mais importante da #VazaJato
Qual foi a matéria mais importante da #VazaJato até agora? Quem responde essa pergunta é o jornalista Glenn Greenwald, do …
8
04:32
É possível apoiar a #VazaJato ao mesmo tempo que a Operação Lava Jato?
O jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, deu uma longa entrevista ao jornalista Gilberto Dimenstein sobre a …