Últimas notícias:

Loading...

Bolsonaro rebate Macron sobre Amazônia: ‘Mentalidade colonialista’

Presidente classificou como "desfaçatez" a posição do presidente da França

Por: Redação

Durante transmissão ao vivo nas redes sociais na noite desta quinta-feira, 22, Jair Bolsonaro (PSL) rebateu o presidente francês Emmanuel Macron, que fez um post no Twitter convocando os países do G7 para uma discussão a respeito das queimadas na Amazônia.

O presidente brasileiro classificou como “desfaçatez” a posição do líder europeu ao afirmar que “nossa casa está queimando”, em referência aos incêndios no bioma brasileiro.

bolsonaro macron
Crédito: Reprodução/Agência Brasil e Instagram 

“Um país, agora sem dizer o nome aqui, falou da ‘nossa Amazônia’. Teve a desfaçatez de falar a nossa Amazônia. Estão interessados em você, brasileiro que está me assistindo aqui, em um dia ter um espaço na região amazônica pra ele. Então, essas questões nós temos que ter informações, temos que nos preocupar em buscar e equilibrar essa narrativa de notícias sobre essa região tão rica”, afirmou.

Bolsonaro ainda escreveu em seu Twitter que lamenta que Macrom queira “instrumentalizar uma questão interna do Brasil” para fins pessoais. Segundo ele, a atitude do presidente evoca mentalidade colonialista descabida no século XXI.

“O governo brasileiro segue aberto ao diálogo, com base em dados objetivos e no respeito mútuo. A sugestão do presidente francês, de que assuntos amazônicos sejam discutidos no G7 sem a participação dos países da região, evoca mentalidade colonialista descabida no século XXI”, escreveu.

Bolsonaro ainda chamou de “sensacionalista” a declaração do presidente francês: “Lamento que o presidente Macron busque instrumentalizar uma questão interna do Brasil e de outros países amazônicos p/ ganhos políticos pessoais. O tom sensacionalista com que se refere à Amazônia (apelando até para fotos falsas) não contribui em nada para a solução do problema”.

MOBILIZAÇÃO

Já são 72.843 focos de incêndios florestais registrados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) desde janeiro. A quantidade, que é 83% maior que a verificada no mesmo período do ano passado, está deixando não só o Brasil, mas o mundo todo em alerta.

A partir de um tuíte viralizado nas redes sociais, o advogado Gabriel Santos de Souza, de 25 anos, decidiu transformar a indignação com o desmonte das políticas ambientais numa grande campanha para pôr fim ao aumento das queimadas na maior floresta tropical do mundo. Leia a matéria completa abaixo: