Publicidade

Informar

Cadela morre após fogos de artifício e dona faz apelo na web

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

A empresária Thais Siqueira usou as redes sociais para fazer um relato triste. Segundo ela, sua cadela Nina morreu no dia 1º de janeiro após se assustar com os fogos de artifício da virada do ano ano.

O caso aconteceu em Cotia, na Grande São Paulo, e comoveu os internautas. “Perdi minha cachorra com os fogos!!! Nina minha linda, princesa… meu anjo. Por favor, compartilhem… para que um dia isso acabe”, escreveu ela no Facebook.

Segundo Thais, ela deixou seus animais em casa e pensou que não precisaria se preocupar, já que nenhum de seus seis cachorros tinham revelado medo de fogos e a região onde mora é tranquila.

  • Campos do Jordão, em São Paulo, teve queima de fogos 100% silenciosa nessa virada de ano, um alento para donos de animais e pais de crianças pequenas. Confira nessa matéria do Catraca Livre

“Onde moro é tranquilo e nunca tem fogos perto, sempre escutamos barulhos distantes, que nem incomodam”, disse. “Escolhi (morar) aqui pois é um local que tem reservas ecológicas, lugar de preservação ambiental, e todos os vizinhos moradores amam os animais”, afirmou.

Quando a empresária voltou para casa, no entanto, encontrou a cadela já sem vida. Thais afirmou que uma casa vizinha foi alugada para o feriado e os ocupantes soltaram fogos, que foram parar em seu quintal, piscina e telhado.

Thais publicou vídeos do circuito interno de segurança de sua casa que mostram os fogos estourando muito próximo de seu portão.

Veterinários informaram a família que Nina sofreu uma parada cardíaca. A cadela completaria 2 anos neste mês.

Confira algumas dicas de como proteger seu pet dos fogos de artifício:

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade