Ceará planeja transformar onda do mar em energia a partir de 2020

O estado nordestino é pioneiro no aproveitamento elétrico da energia ondomotriz, produzida pelo movimento das ondas do mar

Por: Casa.com.br
energia
Crédito: Reprodução/Casa.com.brA alternativa para a geração de energia respeita o meio ambiente

A energia elétrica pode ser gerada por diversas formas. No Brasil, as principais fontes usadas são a hidráulica, o gás natural, o petróleo e o carvão mineral. Os processos de produção que utilizam essas fontes, entretanto, apresentam desvantagens que ameaçam a natureza, como a emissão de gases estufa, poluição do ar e chuva ácida.

Todavia, uma alternativa que respeita o meio ambiente foi instalada no Ceará em 2012: a usina de ondas do Porto de Pecém, localizada no município de São Gonçalo do Amarante. As informações são da repórter Yara Guerra, da Casa.com.br.

Resultado da parceria entre os pesquisadores da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ), o projeto foi financiado pela Tractebel Energia (atual ENGIE) e teve apoio do Governo do Estado do Ceará. A empresa privada chegou a investir R$ 15 milhões no empreendimento, mas, com o fim do contrato em 2016, o projeto foi paralisado.

Em 2017, o então coordenador da usina e professor Segen Estefen retomou os experimentos no Ceará, com previsão de conclusão total prevista para 2020. Hoje, entretanto, a coordenação também foca na construção de uma usina de ondas no Rio de Janeiro, desta vez, em parceria com a Furnas e com a Seahorse Wave Energy.

Em parceria com a Catraca Livre, a Casa.com.br vai publicar conteúdos sobre urbanidade, sustentabilidade, arquitetura, faça você mesmo, dicas para sua casa e decoração. Confira tudo neste link.

Compartilhe: