Últimas notícias:

Loading...

Com desfile engajado, Mangueira critica Bolsonaro e seus seguidores

A rainha de bateria da Mangueira, Evelyn Bastos, representou Jesus mulher

Por: Redação

Com o samba-enredo “A Verdade Vos Fará Livre”, a Mangueira fez um desfile engajado contra o fundamentalismo religioso em uma clara crítica ao governo do presidente Jair Bolsonaro na noite deste domingo, 23.

Terceira escola a entrar na Marques de Sapucaí, a Estação Primeira explorou as possíveis tensões e situações que Jesus sofreria se tivesse nascido no Brasil de hoje: preto, pobre, mulher, índio e LGBT.

Crédito: Reprodução/TV Globo A rainha de bateria da Mangueira, Evelyn Bastos, representou Jesus mulher

Destaque para a comissão de frente, onde Jesus foi retratado em meio a violência policial contra negros e pobres nas favelas e para a rainha de bateria, Evelyn Bastos, que saiu de Jesus mulher. Com vestido roxo, acorrentada e com uma coroa de espinho, ela não sambou.

No carro abre-alas, o presidente de honra da Magueira Nelson Sargento e a cantora Alcione representaram José e Maria.

Crédito: Reprodução/TV Globo Cristo negro jovem com tatuagem e cabelo platinado crucificado

A ala “Bandido bom é bandido morto”, que faz uma crítica direta ao discurso da extrema-direita bolsonarista, retratando as principais vítimas da violência no Brasil: jovens pobres e negros.

“Favela, pega a visão. Não tem futuro sem partilha. Nem messias de arma na mão”, dizia um dos trecho do samba-enredo da Mangueira.

Repercussão

Nas redes sociais, internautas elogiaram o desfile da Mangueira, dizendo que foi um tapa na cara da hipocrisia.

“A Mangueira trouxe para a Avenida o Jesus da gente, do nosso Brasil. Seu enredo engajado e encantador é de encher os olhos. Viva a Estação Primeira!”, escreveu a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP).

“PQP! Que desfile é esse da #Mangueira gente! Um soco na cara dos hipócritas!

Jesus negro e pobre sendo “enquadrado” pela polícia!”, escreveu um internauta.

“O #bolsonaro já mandou tirar a #Mangueira da Liesa?!”, escreveu outro.

“Nem gosto de desfile, e muito menos dessas blasfêmias nas representações que fazem de Jesus. Mas a intenção da #Mangueira foi muito boa passando a mensagem que o amor de #Jesus é por TODOS, independente de qualquer coisa. Ok, gostei”.

Mas também houve quem criticasse o desfile da Mangueira.

“Já reparou que as pessoas que dizem que Jesus é mulher, é travesti e negro são as mesmas que não acreditam no cristianismo? Não sabem sequer, disfarçar a hipocrisia”.

Esperando o dia que a #mangueira faça um samba enredo criticando os traficantes e a opressão que eles causam nas pessoas de bem que vivem na #favela! #Carnaval #acordaBRASIL

Compartilhe: