Damares Alves será ministra de Mulher, Família e Direitos Humanos

Conheça as ideias defendidas pela assessora de Magno Malta

Por: Redação | Comunicar erro
Damares Alves
Crédito: Reprodução / YouTubeA pastora evangélica e advogada Damares Alves

A pastora evangélica e advogada Damares Alves será a ministra de Mulher, Família e Direitos Humanos no governo Jair Bolsonaro, anunciou nesta quinta-feira, 6, o futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Ela é assessora do senador Magno Malta (PR-ES).

Segundo Onyx, a pasta comandada por Damares ficará responsável pela gestão da Fundação Nacional do Índio (Funai), entidade que oferece assistência aos povos indígenas. A assessora é a segunda mulher a ocupar uma pasta do primeiro escalão do próximo governo.

Veja as ideias defendidas por Damares Alves

Bolsonaro já havia afirmado que Damares era um forte nome para o cargo devido a sua identificação com a pauta dos direitos humanos e da família. Mais de cem entidades, entre igrejas, organizações não governamentais e associações de classe, assinaram nota em apoio a ela. Ela é contra o movimento LGBT e a legalização do aborto.

Em vídeo exibido pelo portal de notícias Expresso Brasil no dia 8 de março deste ano, durante comemoração do Dia Internacional da Mulher, a pastora disse que as mulheres nasceram para ser mães e que o modelo ideal de sociedade as deixaria apenas em casa, sustentadas pelos homens.

Damares foi questionada pelo apresentador Jaufran Siqueira sobre a possibilidade das mulheres conseguirem conciliar a vida pessoal e a vida pública. Em sua resposta, ela descreveu como gostaria de viver enquanto mulher:

“Me preocupo com a ausência da mulher de casa. Hoje, a mulher tem estado muito fora de casa. Costumo brincar como eu gostaria de estar em casa toda a tarde, numa rede, e meu marido ralando muito, muito, muito para me sustentar e me encher de joias e presentes. Esse seria o padrão ideal da sociedade. Mas, não é possível. Temos que ir para o mercado de trabalho”, respondeu.

A assessora ainda se mostrou preocupada com as crianças cujas mães trabalham fora. Apesar da projeção de sociedade ideal descrita por ela, Damares explicou que é possível as mulheres conciliarem as rotinas nas empresas e em casa.

Ela ainda criticou o movimento feminista por criar o que chamou de uma “guerra entre pessoas do sexo feminino e masculino”. “O que a gente tem visto hoje são as próprias feministas dizendo que não é possível. O que a gente tem visto hoje são elas levantando uma guerra.”

Ainda segundo a advogada, o papel que mais gosta de exercer é o materno. “A mulher nasceu para ser mãe. Também, mas ser mãe é o papel mais especial da mulher. A gente precisa entender que a relação dela com o filho é uma relação muito especial.”

Compartilhe:

1 / 8
1
08:52
Machismo em escolas de samba
Carolina Ribeiro, musa da Unidos de Vila Maria, na zona norte de São Paulo, é a convidada do programa Entrevista …
2
02:06
Como ajudar outras mulheres no Carnaval
O Carnaval chegou e para evitar que algumas coisas chatas e sérias estraguem a sua folia, separamos algumas dicas para …
3
00s
Quem foi Chico Mendes?
Chico Mendes nasceu em Xapuri, no Acre, em uma família de seringueiros, ofício que herdou de seu pai. Ao longo …
4
11:47
Não é Não: tatuagens contra o assédio no Carnaval
Luka Campos, idealizadora da campanha Não é Não, foi a convidada pelo programa Entrevista por Catraca Livre desta semana para …
5
01:40
Desvio em fundos de incentivo para mulheres
O Supremo Tribunal Federal e Tribunal Superior Eleitoral determinaram que 30% dos fundos públicos de financiamiento de campanhas sejam destinados …
6
15:17
Sai Jean Wyllys, entra David Miranda
David Miranda, substituto de Jean Wyllys como deputado federal, é o convidado de estreia do programa Entrevista por Catraca Livre. …
7
01:37
Saiba o que muda com o novo decreto de posse de armas
Conforme prometido durante a campanha eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro assinou o decreto que flexibiliza a posse de armas no Brasil. …
8
01:27
Rosa para meninas e azul para meninos?
Ao longo da história muita coisa mudou, inclusive a forma como meninos e meninas eram vestidos. No século XVIII, por …