Filha de 2 anos do ator de ‘Malhação’ sofre racismo

Informar

Desembargadora que difamou Marielle começou a defender MBL

Ela ainda pediu aos cidadãos que peguem em armas

Por: Redação | Comunicar erro
Crédito: reprodução/FacebookDesembargadora Marília Castro Neves, que ofendeu Marielle, agora pede que os cidadãos “peguem em armas”

A desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), Marília Castro Neves, está envolvida em uma nova polêmica. Após difamar a vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), assassinada em março deste ano, ao divulgar uma fake news em que afirmava que Marielle “estava engajada com bandidos” e “não era apenas uma lutadora”, Marília agora sai em defesa do MBL – Movimento Brasil Livre.

Crédito: reprodução/FacebookMBL é defendido pela desembargadora de Justiça que atacou Marielle Franco

Segundo informações da coluna de Ancelmo Gois, em O Globo, a desembargadora afirmou que “vivemos uma ditadura comunista”, ao fazer referência à decisão do Facebook de tirar do ar 196 páginas e 87 perfis falsos, que divulgam fake news na plataforma.

A magistrada acrescentou que “o empenho do governo na utilização das urnas eletrônicas, comprovadamente fraudáveis, é indício seguro de que o candidato do ‘sistema’ será o vencedor das eleições”.

E ainda concluiu: “É hora de parafrasearmos os franceses na Revolução de 1789: ÀS ARMAS, CIDADÃOS!!! FORMAI VOSSOS BATALHÕES!!!”.

FACEBOOK X MBL

Na luta contra a propagação de notícias falsas durante os meses que antecedem as eleições de outubro, o Facebook anunciou a exclusão de 196 páginas e 87 contas criadas para disseminar fake news na rede social. A rede, alvo da operação, foi associada ao Movimento Brasil Livre (MBL).

Em nota, a empresa comentou sobre a ação: “foi desmobilizada uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação”.

Facebook exclui páginas que propagavam fake news ligadas ao MBL

Compartilhe: