Eleitor de Bolsonaro oferece brinde para quem ‘caçar viadinho’

Relatos de atos de ódio e preconceito praticados por bolsonaristas foram replicados nas redes sociais; o presidente eleito não se manifestou sobre os casos

jair bolsonaro
Crédito: Tânia Rêgo/Agência BrasilApós a confirmação da vitória de Jair Bolsonaro internautas relataram casos de homofobia praticados por eleitores do militar; o presidente não comentou os casos

O fim da corrida presidencial no país trouxe consigo uma sensação de medo e insegurança à comunidade LGBT brasileira. Após o resultado que confirmou a vitória de Jair Bolsonaro que se tornará o próximo presidente a partir de 2018, dezenas de relatos de ameaças homofóbicas, com alguns, inclusive, oferecendo recompensa para quem “caçar e atirar em viadinho”.

“Atenção, geral! Tá liberada a caça legal aos viadinhos! Não vale atirar na cabeça, tá ok?”, afirmou o internauta, oferecendo como recompensa “1 caixa de Budweiser pra cada viadinho no chão” e conclui com um “valendo” em sinal à liberação da “caça” “outorgada” pela vitória do militar.

O responsável pela postagem, identificado como M.S, traz em sua foto do perfil adesivo de apoio a Bolsonaro e uma foto do presidente eleito na capa da rede social.

bolsonarista caça viado
Crédito: Reprodução/FacebookEleitor de Bolsonaro propõe brinde para quem “caçar e atirar em viadinho”

Uma outra internauta, identificada como F.V., que também tem foto de apoio a Jair Bolsonaro em sua conta, afirma que “gay bom é gay morto” e propõe a criação de um grupo de WhatsApp para extermínio de gays em Goiânia.

“Grupos de extermínio dos gays no Goiás, agora com a vitória do nosso mito Bolsonaro, vamos juntos lutar pela família brasileira e por fim nesses filhos do demônio a favor da família tradicional. Informações pelo telefone (62) ****-****. Gay bom é gay morto, junte-se a nós”, afirmou ele.

eleitora bolsonaro
Crédito: Reprodução/FacebookEleitora de Bolsonaro em Goiás propôs a criação de um grupo de extermínio para gays

A Ordem dos Advogados do Brasil investigará o print sobre a criação do grupo de extermínio, conforme informou a advogada Chynthia Barcellos, membro da Comissão Especial da Diversidade Sexual e Gênero do Conselho Federal da OAB.

Para ela, “este é um caso de dano moral coletivo, quando a ameaça não está direcionada a uma pessoa apenas”. Barcellos diz ainda que esses casos podem ser reportados ao Ministério Público e no Disque 100: “As pessoas continuam sob a tutela das leis e precisam ir atrás disso. Nenhum discurso de ódio vai legitimar esse tipo de crime”, completou a advogada, segundo o site do jornal O Popular.

No Paraná, estado onde Bolsonaro teve votação expressiva, foram registradas cenas de violência em Curitiba, na região central da cidade, e na frente de algumas baladas LGBT como a Verdant e Slay.

Na web, moradores local e frequentadores dos espaços relataram que bolsonaristas tentavam entrar na Verdant para atacar o público que se encontrava no espaço. Em pronunciamento no Facebook a boate negou que tenha havido qualquer caso de violência dentro da casa, mas ressaltou que houveram, sim, cenas de violência nos arredores.

Até o momento, Jair Bolsonaro não se pronunciou sobre os casos.

bolsonaristas boate gay
Crédito: Reprodução/FacebookInternautas relataram situações de violência praticada por eleitores de Bolsonaro em frente à boate gay em Curitiba
bolsonaristas boate gay
Crédito: Reprodução/FacebookInternautas relataram situações de violência praticada por eleitores de Bolsonaro em frente à boate gay em Curitiba

Bom dia!Ontem, passamos por situações muito tristes e lamentáveis e pela pressa de um posicionamento e no calor do…

Posted by Verdant on Monday, October 29, 2018

Cartilha de segurança

Casos de agressão política contra minorias sociais e oposicionistas a Jair Bolsonaro passaram a circular nas redes sociais logo após o fim do primeiro turno. O medo crescente da violência contra LGBTs fez com que a criação de uma cartilha de segurança destinada à essa população viralizasse logo após o resultado do pleito final, que aconteceu no último domingo, 28.

Intitulada “Dicas de Segurança”, a cartilha foi criada pela Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBTI (Renosp), escrita pela 2º Sargenta da Marina Brasileira Bruna G. Benevides e com arte visual do soldado da Polícia Militar de São Paulo Tiago J. Leme Lisboa.

O manual aborda situações de violência a que lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros estão sujeitos fora de suas residências em diversas situações como rua e transporte público, por exemplo.

“Sentem-se em bancos próximos ao cobrador ou motorista. No corredor, para ter controle de quem senta ao seu lado ou caso precise trocar de lugar”, alerta o texto sobre a situação em coletivos, como ônibus.

Quando sair no final de semana para balada, por exemplo, evitar ir sozinho e, ainda, o consumo excessivo de álcool e drogas. Na hora de ir embora, caso faça uso de transporte público, procurar pontos movimentados.

“Avise para alguém de confiança casa vá marcar um fervo com alguém. Passe o local e horário para que a pessoa monitore a sua segurança”, ressalta a cartilha.

“Caso presencie alguma situação de violência, tente prestar apoio, desde que sua segurança não seja ameaçada. Se possível, filme ou peça para alguém filmar a situação, facilitando a identificação dos agressores”.

Para ter acesso ao material completo basta clicar aqui.

Saiba como denunciar homofobia

Embora não seja considerada crime, a homofobia é hoje uma das práticas de ódio mais comum no dia a dia. A ojeriza motivada pela orientação sexual de outrem deixa marcas que, quando não fatais, psicológicas.

No Brasil, de acordo com dados do Grupo Gay da Bahia, uma pessoa LGBT é morta a cada 19 horas. Em 2017, a entidade computou 445 homicídios desse tipo, o que representa um aumento de 30% em relação ao ano anterior.

No link abaixo, saiba o que fazer em caso em caso de homofobia e como identificar quando você está sendo vítima de um ataque homofóbico.

Compartilhe:

1 / 8
1
53s
Operação Lava Jato prende ex-presidente Michel Temer
Em mais uma etapa da Operação Lava Jato, a Polícia Federal prendeu na manhã desta quinta-feira, 21, o ex-presidente Michel …
2
02:53
Suzano e Nova Zelândia: os impactos da exposição excessiva
A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, disse que o nome do atirador que matou 50 pessoas em uma mesquita em …
3
02:28
Posse de armas: Nova Zelândia dá exemplo de civilidade ao mundo
Após chocar o mundo nesta semana com o massacre de 50 pessoas em duas mesquitas de Christchurch, a Nova Zelândia …
4
03:10
Entenda o mistério por trás da boneca Momo
Ainda mais perturbador, o Desafio da Momo está de volta e desta vez a boneca aparece supostamente dentro de vídeos …
5
02:25
Bolsonaro apoia a construção de muro entre EUA e México
Em viagem diplomática a Washington, o presidente Jair Bolsonaro disse apoiar a construção do muro na fronteira entre EUA e México, …
6
01:42
A nova decisão do STF e o futuro da Lava Jato
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a partir de então os crimes de lavagem de dinheiro e corrupção quando …
7
02:31
Atentado na Nova Zelândia: crimes transmitidos nas redes sociais
Mais um atentado terrorista chocou o mundo nesta sexta-feira, dia 15. Um atirador realizou ataques simuntâneos em duas mesquitas, deixando …
8
01:45
O lugar em que os atiradores de Suzano foram considerados heróis
Uma reportagem publicada nesta terça-feira, 14, pelo portal da Vice indica que os atiradores que invadiram a Escola Estadual Raul …