Em 1º ato político, Lula se refere a Bolsonaro como miliciano

Lula também atacou a Operação Lava Jato, o ex-juiz Sergio Moro e a política econômica do governo Bolsonaro

Por: Redação

Em discurso no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo (SP), na tarde deste sábado, 9, um dia após deixar a prisão, o ex-presidente Lula fez duras críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), ao qual se referiu como miliciano.

“Ele [Bolsonaro] foi eleito. Democraticamente nós aceitamos o resultado da eleição. Esse cara tem um mandato de 4 anos. Agora, ele foi eleito para governar pra o povo brasileiro, e não para governar para os milicianos do Rio de Janeiro”, disse o ex-presidente para uma multidão.

Crédito: Paulo Pinto / Fotos PúblicasLula durante ato no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP)

Lula também atacou a Operação Lava Jato, o ex-juiz Sergio Moro e a política econômica do governo Bolsonaro.

“Quando um ser humano tem clareza do que ele quer na vida, do que ele representa e de que seus algozes estão mentindo, eu tomei a decisão de ir lá pra PF. Eu poderia ter ido para uma embaixada, para outro país. Eu precisava provar que o juiz Moro não era um juiz, era um canalha que tava me julgando. Que o Dallagnol não representa o MP, montou uma quadrilha com a força-tarefa da Lava Jato, inclusive para roubar dinheiro da Petrobras e das empreiteiras. Se eu tivesse saído do Brasil, eu seria tratado como fugitivo”, afirmou.

O ex-presidente também atacou a Rede Globo. “Lá em cima tá o helicóptero da Rede Globo de Televisão para falar merda outra vez sobre o Lula e sobre nós”, referindo-se a aeronave que acompanhava o ato.

Em nota, a emissora repudiou os ataques do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “A prova de isenção da emissora é a transmissão do discurso que o ex-presidente fez ontem e hoje. Também é prova de sua isenção ser alvo de ataques dos extremos do espectro político hoje, tão radicalizado. A Globo faz jornalismo sério e continuará a fazer. Sem se intimidar e sem jamais perder a serenidade”, diz a emissora carioca.

Lula deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba (PR), onde ficou preso por 580 dias, beneficiado pela decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que definiu que a prisão de condenados somente deve ocorrer após o fim de todos os recursos.

Estavam presentes no ato o ex-prefeito Fernando Haddad, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), o líder do MTST, Guilherme Boulos, a deputada Gleisi Hoffmann e outras lideranças do PT.

Compartilhe:

1
Bolsonaro deixa o PSL para fundar um novo partido político
O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira, 12, que vai deixar o Partido Social Liberal (PSL) após quase dois anos …
2
Entenda a crise política na Bolívia em 8 minutos
Após 13 anos no poder, o presidente boliviano Evo Morales renunciou ao cargo no último domingo, 10, em meio a …
3
DPVAT e INSS: os impactos das medidas de Bolsonaro para a população
O presidente Jair Bolsonaro assinou duas medidas provisórias (MPs) que prometem mudar a vida dos brasileiros. O anúncio foi feito …
4
O retrato da violência doméstica no Brasil
Cerca de 13 mulheres são assassinadas todos os dias no Brasil.  Em uma conta rápida, isso significa 4.750 mortes por …
5
O ambicioso plano de Paulo Guedes para a economia do Brasil
“Transformar o Estado Brasileiro” é o que pretende o ministro da Economia, Paulo Guedes, com o pacote de ações que …
6
O que acontecerá com Lula e outros presos após a decisão do STF?
Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu mudar o entendimento sobre a prisão de condenados em …
7
03:52
No Brasil, 13,5 milhões de pessoas vivem na pobreza extrema
Dados da última edição da Síntese de Indicadores Sociais do IBGE, que analisa a qualidade de vida da população, mostra …
8
03:58
Por que o câncer do prefeito de SP está cada vez mais comum ?
Diagnosticado com um tumor no sistema digestivo, aos 39 anos, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), apresenta um …