Esta página no Facebook ‘arrumou’ as letras de músicas machistas

Violência contra a mulher e relacionamento abusivo são temas reproduzidos por muitos artistas brasileiros

Por: Heloisa Aun Comunicar erro
  • “Sabe aquelas minas cachorra, piranha, sapeca
    Então pode trazer elas que r7 da um trato
    Poem no pelo e goza nela” (“Adestrador de Cadela” – Mc Mm)
  • “Sua boca diz não quer
    E meu ouvido diz duvido, duvido, duvido” (“Então Foge” – Marcos e Belutti)

O que as músicas acima têm em comum, além de serem brasileiras? As letras citadas reproduzem o machismo e a violência contra a mulher na sociedade – aspectos ainda hoje comuns em muitas canções, seja no funk, rock, samba, axé ou sertanejo.

Mas a advogada Camila Queiroz, de 25 anos, decidiu “arrumar” essas canções ofensivas. Nascida em Capitão Leônidas Marques, no interior do Paraná, a jovem criou na última sexta-feira, 24, a página no Facebook “Arrumando Letras“, em ela publica prints das músicas com correções para alterar trechos machistas.

A página faz uma crítica às canções machistas e preconceituosas
A página faz uma crítica às canções machistas e preconceituosas

Camila, que hoje vive em Curitiba, capital do estado, conta que teve a ideia durante uma conversa com duas amigas e colegas de apartamento.

“Percebemos o quanto o machismo estava inserido no nosso cotidiano. Na oportunidade, comentei que isso acontecia muito com letras de músicas, que muitas vezes cantamos sem reparar no conteúdo dentro delas”, diz ao Catraca Livre.

A advogada começou corrigindo letras de sertanejo universitário, pois ela tinha maior proximidade. No entanto, o intuito é abranger todos os gêneros musicais e modificar as canções que tenham conteúdo preconceituoso. E a repercussão do projeto tem sido grande: até a publicação desta matéria, a página já tinha quase 200 mil curtidas.

Sobre a relação com o feminismo, Camila conta que as maiores inspirações foram as moradoras de sua cidade natal e sua mãe. “Ela sempre disse que eu podia ser o que quisesse. Com tantas mulheres guerreiras a minha volta, eu acredito que sempre fui feminista.”

Veja abaixo a lista com algumas das imagens:

1. “Tudo bem, eu vou embora”. Sim, tchau!

2. “Adestrador de Cadela”? OI?????

3. Respeitar a privacidade é o mínimo, né?

4. Não é N-Ã-O!

5. Ciúme não é “desculpa” para ser abusivo.

6. Violência contra a mulher é CRIME.

7. Se ela pedir para apagar, apenas APAGUE.

  • Músicas feministas? Temos também! Confira a lista:

Compartilhe:

1 / 8
1
08:59
Lobão analisa a relação de Bolsonaro com seus filhos
Um dos poucos nomes do meio artístico a apoiar a eleição de Jair Bolsonaro (PSL), o músico Lobão revelou recentemente …
2
08:31
Lobão explica como funciona a mente de Olavo de Carvalho
Em entrevista ao vivo no estúdio da Catraca Livre para o jornalista Gilberto Dimenstein, o cantor Lobão, ex-afeto de Olavo …
3
03:39
Alter do Chão sofre com incêndio de grandes proporções
As chamas que consomem uma área de preservação ambiental de Alter do Chão, em Santarém, no Pará, voltaram a se …
4
09:33
Glenn Greenwald: Os limites do jornalismo no governo Bolsonaro
Em entrevista a Gilberto Dimenstein, da Catraca Livre, Glenn Greenwald, fundador do The Intercept Brasil, site responsável pela série de …
5
03:50
Clã Bolsonaro nomeou familiares para cargos de confiança
Uma reportagem publicada pela revista Época mostra que 17 familiares de Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro,  foram …
6
10:59
David Miranda x Coaf: Glenn Greenwald fala sobre a investigação
Uma matéria publicada pelo jornal O Globo deu destaque para um relatório do Coaf, em que o deputado federal David …
7
05:12
Glenn Greenwald fala qual foi a matéria mais importante da #VazaJato
Qual foi a matéria mais importante da #VazaJato até agora? Quem responde essa pergunta é o jornalista Glenn Greenwald, do …
8
04:32
É possível apoiar a #VazaJato ao mesmo tempo que a Operação Lava Jato?
O jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, deu uma longa entrevista ao jornalista Gilberto Dimenstein sobre a …