Álbum apoiado por Pitty é manifesto sobre violência contra mulher

"Vamos agir, vamos nos unir. Denuncie: Ligue 180", diz a cantora em uma das faixas

A cantora participa de uma ação da ONG Plan International Brasil
  • “E se eu te dissesse que uma em cada três mulheres do mundo já sofreu violência física ou sexual? Na maioria dos casos, dentro dos próprios lares, pelos próprios parceiros. A violência contra meninas e mulheres não reconhece barreiras, portas, paredes ou portões.”

Quem começou a ouvir o novo álbum apoiado pela Pitty, lançado nesta terça-feira, dia 28, foi surpreendido por 16 faixas que, no lugar de músicas, retratam o cruel cenário de violência contra a mulher no Brasil. A primeira das “canções” começa com o trecho citado acima e todas terminam com a seguinte mensagem, narrada pela cantora: “Vamos agir, vamos nos unir. Não vamos deixar nenhuma menina ou mulher para trás. Denuncie: Ligue 180“.

A ação, da ONG Plan International Brasil, faz parte da campanha “16 dias pelo fim da violência contra a mulher“. O período de ativismo ocorre entre duas datas importantes: 25 de novembro, Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, e 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

A campanha global, com duração de 16 dias, une diversos órgãos e ONGs em busca do mesmo objetivo: lutar contra a violência de gênero que afeta milhões de meninas e mulheres em todo o mundo. Na ação com a participação da Pitty, as faixas trazem textos narrados pela Luka, da 89 fm, e terminam com o alerta da artista.

Segundo Viviana Santiago, Gerente Técnica de Gênero da Plan International Brasil, o principal papel desempenhado pela iniciativa é o de sensibilizar a sociedade neste dia e trazer uma discussão próxima à vida cotidiana das pessoas. “Na tentativa de falar sobre a diversidade e a multiplicidade nas formas de ser mulher, nós evidenciamos as violências as quais essas mulheres são submetidas diariamente”, explica.

De acordo com a especialista, a organização busca alertar que a violência não está apenas na vida das mulheres adultas, mas também na das meninas. “O enfrentamento da violência contra a mulher é necessário para que a gente atue na desnaturalização dessa violência. Por exemplo, é normal atualmente que um homem seja agressivo e que as mulheres sejam assediadas na rua”, completa.

Ouça a playlist completa aqui:

  • Leia mais:
1 / 8
1
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
2
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
3
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …
4
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
5
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
6
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
7
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
8
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …