#FlavioFujão viraliza após Flávio Bolsonaro faltar em acareação no MPF

Memes bombaram nas redes sociais após o filho do presidente ter conduta semelhante a do pai, que foi chamado para depor na PF e também não quis ir

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Internautas não perdoaram a decisão do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) de faltar a acareação, no Ministério Público Federal (MPF-RJ), prevista para esta segunda-feira, 21, e memes bombaram na web. O objetivo era comparar o depoimento do filho do presidente com o do empresário Paulo Marinho, sobre o vazamento da Operação Furna da Onça, em 2018.

Jornal Nacional mostra Flavio Bolsonaro com Sikêra Jr após senador faltar em acareação

flávio bolsonaro #flaviofujão
Crédito: Reprodução/Twitter#FlavioFujão viraliza após Flávio Bolsonaro faltar em acareação no MPF

A acareação estava marcada para as 15h. Paulo Marinho chegou por volta das 14h30 à sede do Ministério Público Federal, no Centro do Rio, e disse que não tinha nada a esconder e que quem tinha que se explicar era o senador.

A defesa de Flávio Bolsonaro já vinha dizendo, desde quando ele foi intimado, que o senador não iria comparecer porque teria a prerrogativa de marcar horário e local.

Em nota, Flávio Bolsonaro informou que a “ausência no ato de hoje se deveu a compromissos da sua agenda oficial, que o fizeram estar no Amazonas” e que a “possibilidade foi levantada há cerca de um mês, por escrito, diretamente ao MPF, que não quis alterar a data apesar de expressa disposição legal”. A defesa diz ainda que entrou com nova petição  para remarcar a acareação para 5 de outubro.

Pouco depois das 15h, Flávio Bolsonaro postou uma foto com um apresentador de TV em Manaus. Um vídeo publicado nas redes sociais mostra ele, o irmão e deputado federal Eduardo Bolsonaro e a equipe do programa cantando em coro e dançando uma música criticando “maconheiros”.

A acareação foi marcada pelo MPF porque o órgão considera que um dos dois mentiu em depoimento sobre suposto vazamento da operação, que investiga um esquema de corrupção na Assembleia Legislativa (Alerj) ligado ao ex-governador Sérgio Cabral, que está preso e já foi condenado a quase 300 anos de prisão. “Com certeza alguém mentiu, né? E não fui eu”, disse Marinho ao chegar à sede do MP.

Confira a repercussão na internet: