Fundo Malala e Avon se unem pela educação de meninas no Brasil

No país, 1,5 milhão de meninas não têm acesso à educação pela sua condição social, econômica, racial e geográfica

Por: Redação
Malala e mulheres de sua Fundação
Crédito: Alicia Vera Malala é co-fundadora do Fundo Malala

O Instituto Avon investiu US$ 100 mil no Fundo Malala com o objetivo de treinar professores e líderes comunitários de 15 comunidades quilombolas no Brasil, que vão beneficiar a educação de mais de 3 mil meninas e meninos. A ação da Fundação Avon é parte da plataforma Stand4Her (“PorEla”, em português), iniciativa global para melhorar a vida de mulheres e meninas em todo o mundo.

O investimento do Instituto Avon possibilitará que uma das organizações parceiras do Fundo Malala no Brasil, o Centro de Cultura Luiz Freire, promova educação de qualidade, aprimore políticas públicas educacionais, trabalhe habilidades sociais e psicológicas para desenvolver lideranças quilombolas, com potencial de promover mudanças sociais necessárias. Atualmente, 1,5 milhão de meninas no país não têm acesso à educação pela sua condição social, econômica, racial e geográfica.

Para Malala Yousafzai, co-fundadora do Fundo Malala, “no Brasil, meninas indígenas e afro-brasileiras são desproporcionalmente marginalizadas e lutam para completar sua educação”. “Os parceiros pela educação do Fundo Malala no Brasil estão lutando por um futuro melhor para elas e somos gratos à Avon por investir neste trabalho.”

Esta parceria entre as instituições é uma oportunidade de unir esforços entre sociedade civil, empresas e o poder público, para que elas tenham oportunidades iguais, direitos básicos garantidos, que sejam felizes, independentes e empoderadas.

“Nosso papel é dar ferramentas para que essas meninas tenham a possibilidade de ter diversas trajetórias, escolhas e sonhos. A educação é uma dessas ferramentas importantes para que elas tenham vidas mais saudáveis, seguras e livres. Por isso, ficamos felizes em concretizar essa parceria com o Fundo Malala”, destaca Daniela Grelin, diretora executiva do Instituto Avon.

“Quando uma garota não tem acesso a direitos básicos, ela fica em uma condição mais vulnerável e com mais chances de sofrer múltiplas violências. Escola, família e sociedade são instituições com papéis fundamentais para elas tenham informação e direitos resguardados.”, afirma Mafoane Odara, gerente e líder da causa de enfrentamento à violência contra mulheres e meninas do Instituto Avon.

Compartilhe:

1
Policiais Antifascismo falam sobre atuação da PM em Paraisópolis
Com 60 mil mortes violentas por ano, a questão da segurança pública no Brasil é alvo constante do debate que …
2
Roraima: violência doméstica no estado com mais mortes de mulheres
Roraima é o estado com a menor concentração de pessoas no Brasil. Ainda assim, a violência contra mulher lá é …
3
Greta Thunberg: pirralha para Bolsonaro, personalidade para Time
A jovem sueca Greta Thunberg é hoje um dos principais nomes da causa ambiental mundial. Ela transformou a sua greve …
4
Moda e consumo consciente na periferia: conheça o Brechó do Barulho
A periferia domina a moda sustentável. O movimento de trocar e emprestar sempre esteve presente nas quebradas de todo o …
5
Djonga, Criolo e Cynthia Luz comentam ‘volta’ do AI-5
A Catraca Livre e o rapper V.A.L.E, do grupo MR-13 e Batalha da Matrix, colaram no Festival Sons da Rua, …
6
Podemos decide expulsar o deputado Marco Feliciano do partido
A diretoria do partido Podemos em São Paulo decidiu na segunda-feira, 9, expulsar o deputado federal Pastor Marco Feliciano da …
7
Joice Hasselmann fala sobre o Pavão Misterioso e o Gabinete do Ódio
Pavão Misterioso, Gabinete do Ódio de Bolsonaro e muitas outras questões foram abordadas no depoimento da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) …
8
Os principais pontos do pacote anticrime de Moro aprovado pela Câmara
A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira, 4, o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro. O conjunto de …