Em novo livro, Malala narra sua própria infância no Talibã

Em seu primeiro livro infantil, a garota paquistanesa ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, retorna à própria infância para apresentar sua história aos pequenos leitores e inspirar uma nova geração a quebrar o silêncio para transformar o mundo em um lugar melhor.”

O discurso e a luta da menina paquistanesa Malala Yousafzai ganhou o mundo quando ela começou a escrever anonimamente sobre o regime do Talibã, usando o pseudônimo Gul Makai. Em 2014, ela se tornou a pessoa mais jovem do mundo a recebe um Prêmio Nobel da Paz e, em 2017, a mais jovem Mensageira da Paz da ONU.

Em 2015, a jornalista brasileira Adriana Carranca espalhou para o mundo a história ao lançar o livro-reportagem infantil “Malala: a menina que queria ir para a escola”, que narra o dia a dia de uma menina que foi impedida de estudar.

Um livro para os pequenos leitores sobre a importância de lutar pelos próprios direitos.

Agora, a Companhia das Letrinhas lança mais um capítulo dessa história, com o livro “Malala e o lápis mágico”, dessa vez escrito pela própria Malala. “Um livro de Malala Yousafzai para os pequenos leitores sobre a importância de lutar pelos próprios direitos — e nunca deixar de sonhar”, como define a editora.

  • Apresentação do livro – “Quando era apenas uma menina vivendo no Paquistão, o maior desejo de Malala era ter um lápis mágico. Mas quando seu direito à educação foi colocado em perigo por homens que acreditavam que meninas não deveriam ir à escola, Malala percebeu que a sociedade em que vivia precisava de mudanças imediatas. Só então ela foi capaz de enfrentar grandes obstáculos até encontrar dentro de si a força e as ferramentas necessárias para mudar o mundo.
“Eu sabia que, se tivesse um lápis mágico, poderia desenhar um mundo melhor e mais pacífico”, diz um trecho do livro.

O livro faz um resgate da infância de Malala, hoje com 20 anos, e conta como a educação recebida desde cedo marcou seu estima de ter nascido menina em um regime que lhe negou o direito de ir à escola.

“Eu sabia que, se tivesse um lápis mágico, poderia desenhar um mundo melhor e mais pacífico. Primeiro, iria apagar a guerra, a pobreza e a fome. Então, desenharia meninos e meninas com direitos iguais. Até que homens poderosos e perigosos declararam que as meninas estavam proibidas de ir à escola. Eles patrulhavam as ruas da nossa cidade, carregando armas”, diz um trecho do livro.

Com ilustrações de Sébastien Cosset e Marie Pommepuy – que, juntos, assinam como Kerascöet – o livro aproxima ainda mais dos pequenos leitores a reflexão sobre a potência da educação para transformar o rumo das coisas.

Leia mais:

Compartilhe:

1 / 8
1
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
2
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
3
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …
4
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
5
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
6
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
7
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
8
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …