Últimas notícias:

Loading...

Marca erra feio mais uma vez e campanha é acusada de machismo

Relembre as outras polêmicas envolvendo a loja Reserva

Por: Redação
A campanha de Dia dos Namorados causou polêmica

A grife carioca Reserva errou feio ao lançar sua campanha do Dia dos Namorados deste ano e foi acusada de machismo nas redes sociais. Em vídeos e stories  no Instagram, a marca fez uma “brincadeira” usando o áudio conhecido como “Gemidão do Zap”. Após as publicações, seguidores da loja escreveram comentários afirmando que a ação exalta a pornografia e desrespeita as mulheres.

O “Gemidão do Zap”, que repercutiu em 2017, consiste em enviar um vídeo pelo WhatsApp em que o áudio é trocado por um gemido feminino e com conotação sexual. Como o volume é muito alto, quem recebeu o arquivo passa por constrangimento na frente de outras pessoas.

A Reserva foi fundada em 2004 pelo engenheiro de produção Rony Meisler e o publicitário Fernando Sigal. Em 2011, o apresentador Luciano Huck entrou como sócio da marca, que trabalha com moda sustentável e tem um programa social que, a cada peça de roupa vendida, doa cinco pratos de comida para quem passa fome.

Diante da repercussão negativa, a empresa pediu desculpas publicamente e apagou todos os posts relacionados. Segundo ela, a ação queria “falar sobre amor à flor da pele e sexo”. A marca ainda optou por não usar mais a campanha “por respeito às pessoas que se ofenderam”. Veja o texto:

View this post on Instagram

Desculpem-nos pelo indesculpável. Dito isto, cabe a nós aqui uma explicação do ocorrido. Não que esta explicação justifique o erro. Para o dia dos namorados, queríamos falar sobre amor à flor da pele e sexo, mas erramos feio na forma, no tom do lançamento e nas respostas. Se a intenção era boa, pouquíssimo importa. O que importa é que fomos desrespeitosos e ofendemos muita gente. Inclusive muitas pessoas que conosco trabalham. Tínhamos uma campanha programada para os próximos 30 dias que não será mais utilizada e por respeito às pessoas que se ofenderam, também apagaremos todos os posts já feitos. Novamente, de coração, nos desculpem. Esta campanha precisa e vai morrer aqui.

A post shared by Reserva (@reserva) on

Machismo e racismo

Essa não é a primeira vez que a loja foi acusada de preconceito em suas campanhas. Confira abaixo outros casos:

Em 2014, a Reserva recebeu críticas por colocas em suas etiquetas a frase: “Para entender melhor a simbologia de lavagem acesse: usereserva.com.br/cuidadoscomaroupa. Ou dê para sua mãe, ela sabe como fazer isso bem”. Na época, muitas pessoas disseram que a mensagem era machista e patriarcal. O fundador, Rony Meisler, defendeu a ação e afirmou que foi uma “brincadeira inocente”.

A frase da etiqueta foi acusada de machista e patriarcal

Em 2015, a grife lançou uma campanha com frases como “Galinha é um animal, Georgia é um ser humano” e “Macaco é um animal, Fabrício é um ser humano”. A ideia era discutir preconceitos, mas a interpretação de usuários do Twitter foi outra. De acordo com eles, a marca estaria comparando mulheres e galinhas, e homens negros a macacos.

A ideia da propaganda era discutir preconceitos, mas a interpretação das pessoas foi outra

Já em 2016, a polêmica envolveu uma ideia racista. A Reserva colocou manequins negros de cabeça para baixo na vitrine de uma loja no Rio de Janeiro. “Branco neste país está tão acostumado a tratar negros de forma desprezível que acham que seus atos são inocentes”, escreveu um internauta.

A desculpa da marca foi dizer que “toda identidade visual da Reserva é preta e vermelha, sendo seus manequins na cor preta, há mais de nove anos” e que, em época de liquidação, coloca os manequins de cabeça para baixo mesmo.

A Reserva colocou manequins negros de cabeça para baixo na vitrine de uma loja
  • Leia também: