Guia Negro: tour virtual por exposição do pintor Jean-Michel Basquiat

Exposição também reúne várias das telas de grande escala mais célebres do artista

Ouça este conteúdo

A Fundação Brant abriga em seu espaço em Nova York uma exposição de obras de Jean-Michel Basquiat que pode ser visitada por tour virtual. A mostra tem curadoria de Dieter Buchhart e ilustra a carreira produtiva, porém breve, de Basquiat e uma ampla gama de assuntos, especialmente suas observações perspicazes de seu mundo contemporâneo, ao mesmo tempo que dá uma visão sobre sua política, heróis, influências e singularidade de visão.

Crédito: DivulgaçãoEggs, obra de Jean-Michel Basquiat e Andy Warhol

Festival ‘NaLata’ colore SP com mais de 3 mil m² de graffiti

A exposição também reúne várias das telas de grande escala mais célebres do artista, incluindo duas de suas pinturas mais conhecidas, ambas sem título de 1981 e 1982, e o monumental Grillo com vários painéis (1984). No início da década de 1980, Basquiat (1960-1988) conquistou o mundo da arte com suas obras poderosas e altamente complexas. Ele fez mais de mil pinturas e cerca de 2.000 desenhos em menos de uma década. Radical tanto em sua prática artística quanto em sua vida, Basquiat fez das ruas do Baixo Manhattan seu estúdio, juntando-se à produção criativa que estava surgindo no final dos anos 1970 e 80 na cidade de Nova York. O lugar de Basquiat na cena artística do East Village permanece absoluto e, pela primeira vez em décadas, esta exposição traz seu trabalho de volta ao mesmo bairro que o inspirou.

A exposição demonstra a capacidade de Basquiat de traduzir o mundo ao seu redor em sua essência mais poética. “Jean-Michel Basquiat captava tudo o que percebia com os cinco sentidos, de tudo ao seu redor”, diz Buchhart. “Ele fez uma colagem de seus arredores, de sua vida cotidiana. É a apropriação do cotidiano, da coincidência e também do ostensivamente significativo que torna sua arte tão inconfundível, tão única”.

Nascido em 1960, filho de pai haitiano e mãe porto-riquenha, Basquiat tinha plena consciência das tensões raciais e de seu lugar marginalizado no mundo. O artista trouxe as questões da colonialização, a diáspora africana, a desigualdade e representação racial e sua experiência da rua para o primeiro plano em primeiros trabalhos seminais, como Arroz con Pollo (1981), Preço da gasolina no Terceiro Mundo (1982), Sem título (Yellow Tar and Feathers) (1982), Hollywood Africans (1983) e In Italian (1983).

Outras pinturas serviram para imortalizar seus heróis: a lenda do jazz Charlie Parker e os boxeadores Sugar Ray Robinson e Joe Louis são retratados como símbolos da excelência e resistência negra em obras como Charles the First (1982), Sem título (Sugar Ray Robinson) (1982), e St. Joe Louis Surrounded by Snakes (1981). Além de ícones específicos da cultura pop, a luta de Basquiat contra o racismo sistêmico e a resistência se desenrola em várias telas nas quais ele cria arquétipos e funde a linguagem para refletir seu processo de pensamento, como visto em Irony of a Negro Policeman (1981), Per Capita (1981), and Untitled (Boxer) (1982). A maneira complexa como Basquiat refletiu sobre a opressão e exploração modernas de afro-americanos traça paralelos distintos com as discussões contemporâneas sobre injustiça racial, tornando suas obras bastante oportunas.

O uso da linguagem por Basquiat em suas obras funciona como um roteiro para o espectador. Palavras e nomes são frequentemente abreviados, fundindo forma e conteúdo, evocando a poesia concreta modernista exemplificada pelos escritos de William S. Burroughs e Gertrude Stein e apontando para o nascimento do hip-hop na qual Basquiat estava envolvido. Ele não apenas criou uma forma de hip-hop visual por meio do ritmo das palavras e do design, mas Basquiat também trabalhou em vários clubes de Manhattan como DJ e fez música com Nicholas Taylor e Michael Holman. “Com sua maneira de trabalhar, ele antecipou o princípio de nossa sociedade de copiar e literalmente sinalizar a loucura iminente de nossa comunicação em toda a sua arte”, diz Buchhart.

O objeto e a montagem tornaram-se cada vez mais importantes na obra de Basquiat. Ele transformou objetos do cotidiano, incluindo janelas e portas descartadas, geladeiras, roupas e pranchas velhas, e os incorporou à sua arte. Essa abordagem inovadora também é vista no tratamento de suas pinturas como objetos, exemplificado na exposição com peças-chave como Now’s the Time (1985), feitas em uma tela modelada; e Gold Griot (1984) e Anthony Clark (1985), ambos executados em ripas de madeira.

Faça o tour virtual clicando aqui.

Guia Negro

Em parceria com Guia Negro

Compartilhe:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário guianegro

A Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.