Homofobia: homem que matou cabeleireiro na Paulista é preso

Cozinheiro alega legítima defesa e nega que ataque tenha relação com homofobia

Por: Redação | Comunicar erro

Foi preso na manhã desta quarta-feira, 26, o responsável pela morte do cabeleireiro Plínio Henrique de Almeida, na última sexta-feira, 21, na Avenida Paulista, em São Paulo. Alegando legítima defesa, o cozinheiro Fúvio de Matos, de 32 anos, confessou o crime à Polícia Civil, porém, negou qualquer relação com homofobia.

O criminoso foi identificado pelas câmeras de segurança de ruas próximas e do metrô, que registraram os envolvidos e a fuga do assassino.

Se condenado, Fúvio de Matos pode pegar pena de, no mínimo, 12 anos – reprodução/TV Globo

Homofobia

Três amigos da vítima, que testemunharam o ataque, reconheceram Fúvio na delegacia. À polícia, o marido de Plínio e um casal de amigos, relataram que, antes esfaquear o cabeleireiro, o homem ameaçou o grupo ao dizer que “gays têm de morrer”.

Ao delegado Hamilton Costa Benfica, do 78º Distrito Policial, Fúvio alegou legítima defesa e que apenas se defendeu de Plínio e dos outros homens que o acompanhavam. Disse ainda que andava com um amigo pela Avenida Brigadeiro Luis Antônio, quando disse para o grupo andar como homem. O que, segundo ele, motivou a briga.

Em entrevista ao Bom Dia SP nesta quarta-feira, 26, o delegado deu mais detalhes sobre o caso. “Ele [Fúvio] confessa o crime, mas, segundo ele, fala que foi se defender. Ele está dando a versão que foi se defender dos quatro rapazes e desferiu o golpe com o canivete. Ele nega a motivação homofóbica. Segundo ele, subia com um colega de trabalho a Brigadeiro, fez uma brincadeira quando uma pequena chuva começou, e disse ‘anda que nem homem'”.

Segundo a polícia, o cozinheiro ainda contou que não queria confusão e se disse arrependido. Na delegacia, ele também teria dito que não sabia da morte de Plinio.

Apesar disso, a polícia pediu a prisão temporária do investigado à Justiça, que decretou que ele fique detido por 30 dias até o fim das investigações. Fúvio ainda deverá ser indiciado pelos policiais por homicídio qualificado por motivo fútil. Para a investigação, o cozinheiro matou o cabeleireiro após discussão motivada por homofobia. Fúvio pode responder à pena de 12 a 30 anos.

1 / 8
1
02:23
Paulo Guedes diz que renunciará se Previdência virar ‘reforminha’
O ministro Paulo Guedes (Economia) voltou a afirmar que se houver uma mudança muito radical na proposta original da reforma …
2
03:08
XP: Avaliação negativa do governo supera a positiva pela 1ª vez
De acordo com pesquisa da XP/Ipespe divulgada nesta sexta-feira, dia 24, a avaliação negativa do governo do presidente Jair Bolsonaro …
3
01:35
Governo libera o uso de mais 31 agrotóxicos no campo
O Ministério da Agricultura liberou o uso de mais 31 agrotóxicos nas lavouras do país. Entre eles, há produtos que …
4
02:33
Foto de manifestantes nus contra Bolsonaro é falsa
A foto de uma suposta manifestação de pessoas peladas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)  que viralizou nas redes …
5
01:37
Lobão rompe com Bolsonaro: “Esse cara não me representa”
Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o cantor e compositor Lobão falou sobre sua decepção com Jair Bolsonaro e …
6
01:33
Milícias digitais perseguem MBL após críticas a Bolsonaro
O MBL (Movimento Brasil Livre) deixou de ser aliado para se tornar o novo alvo das milícias digitais pró-Bolsonaro. O …
7
03:41
Manifestação releva descompasso entre o Bolsonaro e a direita
A manifestação marcada para o próximo domingo, dia 26, aparentemente, gerou um desequilíbrio entre os grupos de direita apoiadores do …
8
01:29
Barragem da Vale em Barão de Cocais pode romper a qualquer hora
A barragem da mina do Gongo Soco, localizada em Barão de Cocais, em Minas Gerais pode romper a qualquer momento. …