A importância de escutar a criança sem interromper

Exercitar a escuta não é uma tarefa das mais fáceis, principalmente quando o tempo é pouco e as tarefas muitas. Requer consciência, paciência, respeito ao outro e interesse genuíno pelas dores do outro. Em resumo: requer empatia, este sentimento tão castigado pela rotina atribulada dos tempos de hoje.

Na criação dos filhos e na relação com as crianças, seja como professor, educador ou mediador de atividades, não seria diferente. Pelo contrário, a escuta das crianças é ingrediente imprescindível de qualquer relação que se queira estabelecer com as crianças. Para esclarecer a importância do assunto, a portuguesa Joana Laranjeiro, especialista em Parentalidade Consciente, publicou um artigo no site Up To Kids, chamado “A importância de saber ouvir nossos filhos sem interromper”.

Para simbolizar o que é a troca de experiências que a escuta representa, Joana faz uma analogia com o jogo ping-pong, e batiza a escuta ativa das crianças como “Ping-pong parental”.

“Só treinando deixamos o hábito de falar em modo Ping Pong, de jogar o tempo todo, para passar a ouvir verdadeiramente o que as crianças têm para nos dizer. Ser ouvido é fundamental para ganhar autoestima, e essencial para o Ping-Pong da vida”.

No texto, ela defende os impactos que a atenção e a responsabilidade afetiva sobre a criança podem ter em sua percepção do mundo e de si mesmas. “Ouvir é um processo bastante ativo e poderoso. Uma ferramenta essencial para qualquer relação e crucial na parentalidade”, defende Joana.

Ouvir com atenção e interesse o que as crianças têm a dizer é valorizar seu aprendizado e autonomia.
Ouvir com atenção e interesse o que as crianças têm a dizer é valorizar seu aprendizado e autonomia.

A especialista destaca algumas dicas de como exercitar a escuta no dia a dia:

– Manter o contato visual, para que ele se sinta visto e reconhecido.

– Procurar estar neutro, sem julgamentos e com uma mente curiosa.

No diálogo aberto, as crianças expressam seus pensamentos e emoções, por isso é importante criar os espaços de silêncio em que as crianças possam se sentir seguras para falar.
No diálogo aberto, as crianças expressam seus pensamentos e emoções, por isso é importante criar os espaços de silêncio em que as crianças possam se sentir seguras para falar.

– Ser paciente e permitir os momentos de silêncio que lhe dão espaço para explorar os seus pensamentos e emoções.

– Ter uma postura corporal receptiva, como inclinar um pouco o corpo para a frente, para ouvir melhor, ou ir fazendo pequenos acenos com a cabeça, incentivando-o a continuar.

– É importante evitar interromper com as suas soluções. Quando faz isso, acaba passando uma mensagem como ‘O que eu tenho para dizer é mais importante’ ou ‘Não tenho tempo para te ouvir’; 

– Tente relaxar e seguir o seu ritmo. Entre, aos poucos, sapatinhos da criança para ver as coisas de outro ponto de vista. Use a empatia e dê constantemente feedbacks para manter forte a conexão com a criança.

*Com informações de Up To Kids

Leia mais:

1 / 8
1
04:17
Estadão, Folha e O Globo apontam possível queda de Bolsonaro
Os jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo e O Globo - de maior circulação no país - …
2
04:56
Maconha e nudez usadas no WhatsApp contra universidades
Entenda como o pensamento de Olavo de Carvalho, guru de Jair Bolsonaro, impactou e instaurou uma crise generalizada em uma …
3
03:22
Teoria da conspiração associa facada em Bolsonaro ao filho Carlos
Teorias conspiratórias são, por definição, baseadas na irrealidade. Em alguns casos, em loucura. Mas uma em especial tem ganhado destaque …
4
04:04
Justiça quebra sigilo bancário de Flávio Bolsonaro e Queiroz
As acusações envolvendo esquemas de corrupção no gabinete de Flávio Bolsonaro estão ganhando um novo capítulo. Pedra no sapato do …
5
02:52
Bolsonaro diz que vai indicar Sergio Moro para vaga no Supremo
O presidente Jair Bolsonaro se comprometeu em indicar o ministro Sergio Moro para uma vaga no Supremo Tribunal Federal. A …
6
03:41
Movimentos estudantis convocam ato contra os cortes na educação
Um ato marcado para esta quarta-feira, 15 de maio, promete mobilizar secundaristas, universitários, pós-graduandos, professores e outros profissionais contra os …
7
06:06
A construção do papel de mãe para quem opta pela adoção
O depoimento de Rosangela Ferreira faz parte do especial Mãe não é tudo igual, que destaca que cada maternidade tem …
8
06:33
O drama de retornar ao trabalho após a licença maternidade
O depoimento de Maria da Conceição faz parte do especial Mãe não é tudo igual, que destaca que cada maternidade …