Joice diz que Eduardo e Carlos Bolsonaro organizam envio de fake news

Ela apresentou uma série de slides que mostram como funciona o esquema e disse que eles usam R$ 491 mil em dinheiro público pra financiar as fake news

Por: Redação

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) acusou o deputado Eduardo Bolsonaro e o chamado “gabinete do ódio”, que Carlos Bolsonaro faz parte, de organizarem o disparo de fake news nas redes sociais contra pessoas consideradas inimigas da família. As declarações foram dadas em depoimento, nesta quarta-feira, 4, para a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) instaurada no Congresso Nacional para apurar o compartilhamento em massa de fake news.

joice eduardo carlos bolsonaro fake news
Crédito: Montagem com fotos da Agência BrasilJoice diz que Eduardo e Carlos Bolsonaro organizam envio de fake news

Joice afirmou que os bolsonaristas utilizam ao menos R$ 491 mil do dinheiro público por ano para espalhar fake news. Essa verba seria destinada ao “gabinete do ódio”, criado para cuidar da comunicação presidente, Jair Bolsonaro.

Segundo ela, o “gabinete do ódio” é formado por Filipe Martins, Tercio Arnaud, José Matheus e Mateus Diniz, que recebem o dinheiro público para produzir fake news e memes contra ex-aliados e adversários políticos.

A parlamentar apresentou uma série de slides que mostram como funciona o esquema. Segundo Joice, os  funcionários do ‘gabinete do crime’ respondem as ordens de Eduardo Bolsonaro para favorecer o governo de Jair.

Crédito: ReproduçãoJoice diz que Eduardo e Carlos Bolsonaro organizam envio de fake news

“Eduardo está amplamente envolvido e é um dos líderes desse grupo que chamamos de milícia virtual”, disse Joice Hasselmann.

Crédito: Reprodução/TwitterJoice diz que Eduardo e Carlos Bolsonaro organizam envio de fake news

Uma vez que o alvo é identificado e as montagens e notícias falsas são criadas, estes assessores enviam para os multiplicadores via Whatsapp, “a partir deste momento não tem mais volta”, ressaltou a deputada. O próximo passo é a ativação dos robôs que espalham a notícia pela internet.

“Em questão de minutos, temos uma informação espalhada para o mundo inteiro. A sensação que é passada é para que muitos fiquem aterrorizados com o levante da internet”, disse Joice.

“Eles escolhem quem será o da vez e essa pessoa é massacrada. Esse grupo não é WhatsApp. É um grupo fechado, que tem senha, dentro do Instagram”, prosseguiu. “Esse grupo coordenável da internet alimenta os robôs e grupos de movimentos bolsonaristas, como o Direita SP, que se retroalimentam”.

Segundo levantamento da deputada, somente as contas oficiais do presidente Jair Bolsonaro e de seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro, contam com 1,87 milhão de robôs.

A deputada ainda revela que para cada fazer cada um disparo por robôs, uma hashtags, gasta-se R$ 20 mil. “As publicações são pautadas e influenciadas por políticos. “Eduardo e assessores ativam as militâncias políticas. Muitos perfis são fakes para dificultar a responsabilização desses conteúdos. A expansão para a vida real é feita por robôs”, disse Joice.

“Eles usam sites laranjas para divulgar Fake News”, afirmou ainda a parlamentar. Ela chegou ainda a citar dois deputados do PSL que deveriam ser investigados pela polícia. “Participação do Douglas Garcia e do Gil Diniz, isso merece uma boa operação da Polícia”, disparou.

“Passou de todos os limites do bom senso. As agressões não são liberdade de expressão”, disse a parlamentar.

“Abin paralela”

A deputada disse que recebeu a informação de que Carlos Bolsonaro quer criar uma “Abin paralela” no governo federal. Segundo ela, o órgão funcionaria clandestinamente, de forma semelhante ao que acontece na Agência Brasileira de Inteligência do Brasil e que trabalharia até com a inclusão de grampos telefônicos.

Joice Hasselmann sugeriu que a comissão chame para depor o ex-ministro da Secretaria-Geral da República Gustavo Bebianno, hoje no PSDB, que saberia do caso e teria discordado da ideia de Carlos.

1
Brumadinho: relatos lembram a maior tragédia socioambiental do Brasil
Há um ano, a cidade de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte (MG) viveria um pesadelo difícil de ser esquecido. Era …
2
Brumadinho: relatos lembram a maior tragédia socioambiental do Brasil
Há um ano, a cidade de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte (MG) viveria um pesadelo difícil de ser esquecido. Era …
3
Denúncia contra Glenn Greenwald é um ataque à liberdade de imprensa?
Uma denúncia realizada pelo Ministério Público Federal foi vista como um ataque direto à liberdade de imprensa no Brasil. O …
4
9 pontos polêmicos que Sergio Moro se esquivou no Roda Viva
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi o primeiro entrevistado da nova temporada do programa Roda Viva, …
5
‘Noivado’ de Regina Duarte com Bolsonaro divide opiniões
“Nós vamos noivar, vou ficar noiva, vou lá conhecer onde eu vou habitar, com quem que eu vou conviver, quais …
6
A queda: entenda a polêmica que custou o cargo de Roberto Alvim
Após praticamente reproduzir um discurso do ministro nazista Joseph Goebbels, o ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, protagonizou uma polêmica que …
7
Impunidade de Victor não é caso isolado no Brasil de Bolsonaro
Victor Chavez, cantor sertanejo da extinta dupla Victor e Léo, foi condenado por agredir a esposa grávida de quatro meses …
8
Anarquia da ponte pra lá: a história do punk na periferia de SP
Autor do livro My Way, Valo Velho é história viva da cena anarcopunk de São Paulo. A Catraca Livre foi até …