Últimas notícias:

Loading...

Jovem sofre estupro coletivo e está em estado grave

OAB divulgou nota de repúdio

Por: Redação

Um homem de 22 anos foi estuprado e torturado por três homens em Florianópolis e está internado em estado grave. Ele foi violentado com objetos e abandonado em uma rua no centro da capital catarinense. Os agressores obrigaram a vítima a escrever “veado” no corpo com objetos cortantes.

homofobia
Crédito: Nito100/istockJovem de 22 anos foi estuprado por três homens

O caso, que está sob sigilo, ocorreu na última segunda, 31, mas só foi divulgado agora.

As Comissões de Direito Homoafetivo e Gênero e do Direito da Vítima da OAB-SC acompanham o caso e divulgaram uma nota sobre o crime. Leia, abaixo, o texto na íntegra:

Florianópolis/SC, 03 de Junho de 2021.

NOTA DE REPÚDIO E DE SOLIDARIEDADE

A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de Santa Catarina, através das Comissões de Direito Homoafetivo e Gênero e do Direito da Vítima, vêm a público manifestar repúdio ao crime bárbaro cometido na cidade de Florianópolis, contra um jovem gay de 22 anos, que de forma cruel foi torturado, estuprado e tatuado sob coação, com dizeres homofóbicos, permanecendo em estado grave no hospital.

As Comissões informam estar diligenciando esforços, junto às delegacias especializadas e entidades de proteção à comunidade LGBTQI+, na obtenção de informações sobre a apuração da autoria deste horrível crime e no auxílio jurídico e atenção aos familiares da vítima, manifestando, desde já, toda a solidariedade.

É mister reforçar o papel institucional destas Comissões, no sentido de trabalhar com a prevenção dessas violências, amparar as vítimas e buscar a punibilidade dos responsáveis por essa e inúmeras situações similares, que compõem um verdadeiro genocídio da população LGBTQI+, assistido frequente e cotidianamente no Brasil atual.

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL – SECCIONAL SC

RAFAEL DE ASSIS HORN – PRESIDENTE COMISSÃO DE DIREITO HOMOAFETIVO E GÊNERO

MARGARETH DA SILVA HERNANDES – PRESIDENTE COMISSÃO DO DIREITO DA VÍTIMA

GIANE BRUSQUE BELLO – PRESIDENTE


Delegacias

Toda delegacia tem o dever de atender as vítimas de homofobia e de buscar por justiça. Nesses casos, é necessário registrar um Boletim de Ocorrência e buscar a ajuda de possíveis testemunhas na luta judicial a ser iniciada.

As denúncias podem ser feitas também pelo 190 (número da Polícia Militar) e pelo Disque 100 (Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos).

Compartilhe: