Machismo no futebol: Messi, sozinho, ganha o dobro de 1.693 jogadoras

Enquanto o argentino receberia cerca de US$ 84 milhões (R$ 320 milhões), as atletas receberiam, juntas, US$ 42,6 milhões (R$ 162 milhões)

Por: Redação Comunicar erro

Apesar de estarmos apenas em junho, é possível dizer: 2019 pode ser considerado o ano do futebol feminino. Para além da eliminação da seleção brasileira no último domingo, 23, nunca na história da modalidade uma competição teve tamanha repercussão quanto a Copa do Mundo da França.

Seja na valorização das mulheres dentro de campo, pela cobertura midiática, no apoio da torcida, da publicidade ou debatendo as injustiças e dificuldades que envolvem o esporte, o fato é que elas estão conquistando seu lugar numa das categorias esportivas mais sexistas da atualidade.

Ainda assim, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou recentemente uma pesquisa que evidencia o verdadeiro abismo da disparidade salarial entre atletas homens e mulheres.

Desigualdade em números

Em um ano, Lionel Messi, jogador do Barcelona, recebe o dobro do pagamento que 1.693 jogadoras das principais ligas do mundo recebem juntas.

Ou seja, enquanto o argentino receberia cerca de S$ 84 milhões (R$ 320 milhões), as atletas receberiam, juntas, US$ 42,6 milhões (R$ 162 milhões).

Levante feminino

Considerada uma das melhores jogadoras da atualidade, a norueguesa Ada Hegerberg resolveu tomar uma atitude radical para expressar seu descontentamento. Em oposição às diferenças de premiações, não atua pela seleção norueguesa – quarta finalista da copa e uma das maiores potências nos gramados femininos.

Entre as atletas norte-americanas, que vestem a camisa da equipe mais vitoriosa da modalidade, a jogadora Megan Rapinoe lidera um movimento que, recentemente, entrou com processo contra a federação futebolística do país pedindo igualdade salarial.

A exemplo de outras medalhões que lutam pela equidade salarial no esporte, a atacante Marta, que na França se tornou artilheira de todas as Copas do Mundo, também mandou seu recado. Ao fazer gol contra a Austrália, na segunda rodada da fase de grupos, ela demonstrou o símbolo da campanha ‘Go Equal’, sobre essa causa, que levava na chuteira.

Ainda que a busca por direitos aparente um caminho distante,  o legado foi deixado. E, que 2019, seja apenas o primeiro gol nesta difícil partida contra a cultura do patriarcado. Com informações do site Esporte Fera

1
08:00
Lava Jato usou denúncia contra Lula para abafar crise de Janot e Temer
A matéria mais recente da Vaza Jato publicada pelo site The Intercept Brasil mostra diálogos entre os procuradores da força-tarefa …
2
04:04
O que se sabe sobre as manchas de óleo no litoral do Nordeste
Nos últimos dias de agosto, manchas de óleo começaram a aparecer em praias do litoral do Nordeste. O problema começou …
3
03:39
Bolsonaro nega envolvimento no caso das candidaturas laranjas do PSL
Durante um de seus encontros recentes com a imprensa, o presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer que não tem nenhuma …
4
02:55
STF quer verificar a veracidade dos diálogos entre procuradores e Moro
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, quer verificar a autenticidade das conversas trocadas entre procuradores da Lava …
5
05:39
Por que o STF e a Operação Lava Jato estão em clima de guerra?
A tensão existente entre a Operação Lava Jato e o Supremo Tribunal Federal (STF) não é nenhuma novidade. O problema …
6
03:56
A verdadeira face de Ysani Kalapalo
A presença da jovem indígena Ysani Kalapalo na comitiva do presidente Jair Bolsonaro à ONU, na semana passada, ainda causa …
7
06:40
Trump pode sofrer impeachment?
A abertura de um processo de impeachment contra o presidente norte-americano, Donald Trump, se tornou um dos assuntos mais comentados …
8
15:16
ONU: Bolsonaro elege socialismo, mídia e países europeus como alvos
O presidente Jair Bolsonaro fez, nesta terça-feira, dia 24, seu primeiro discurso na Assembleia Geral da ONU (Organizações das Nações …