CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Machismo no futebol: Messi, sozinho, ganha o dobro de 1.693 jogadoras

Enquanto o argentino receberia cerca de US$ 84 milhões (R$ 320 milhões), as atletas receberiam, juntas, US$ 42,6 milhões (R$ 162 milhões)

Por: Redação

Apesar de estarmos apenas em junho, é possível dizer: 2019 pode ser considerado o ano do futebol feminino. Para além da eliminação da seleção brasileira no último domingo, 23, nunca na história da modalidade uma competição teve tamanha repercussão quanto a Copa do Mundo da França.

Seja na valorização das mulheres dentro de campo, pela cobertura midiática, no apoio da torcida, da publicidade ou debatendo as injustiças e dificuldades que envolvem o esporte, o fato é que elas estão conquistando seu lugar numa das categorias esportivas mais sexistas da atualidade.

Ainda assim, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou recentemente uma pesquisa que evidencia o verdadeiro abismo da disparidade salarial entre atletas homens e mulheres.

Desigualdade em números

Em um ano, Lionel Messi, jogador do Barcelona, recebe o dobro do pagamento que 1.693 jogadoras das principais ligas do mundo recebem juntas.

Ou seja, enquanto o argentino receberia cerca de S$ 84 milhões (R$ 320 milhões), as atletas receberiam, juntas, US$ 42,6 milhões (R$ 162 milhões).

Levante feminino

Considerada uma das melhores jogadoras da atualidade, a norueguesa Ada Hegerberg resolveu tomar uma atitude radical para expressar seu descontentamento. Em oposição às diferenças de premiações, não atua pela seleção norueguesa – quarta finalista da copa e uma das maiores potências nos gramados femininos.

Entre as atletas norte-americanas, que vestem a camisa da equipe mais vitoriosa da modalidade, a jogadora Megan Rapinoe lidera um movimento que, recentemente, entrou com processo contra a federação futebolística do país pedindo igualdade salarial.

A exemplo de outras medalhões que lutam pela equidade salarial no esporte, a atacante Marta, que na França se tornou artilheira de todas as Copas do Mundo, também mandou seu recado. Ao fazer gol contra a Austrália, na segunda rodada da fase de grupos, ela demonstrou o símbolo da campanha ‘Go Equal’, sobre essa causa, que levava na chuteira.

Ainda que a busca por direitos aparente um caminho distante,  o legado foi deixado. E, que 2019, seja apenas o primeiro gol nesta difícil partida contra a cultura do patriarcado. Com informações do site Esporte Fera

1
Morre Gilberto Dimenstein, jornalista e fundador da Catraca Livre
É com profunda tristeza que a Catraca Livre anuncia o falecimento de seu fundador, Gilberto Dimenstein, aos 63 anos de …
2
Entenda a operação da Polícia Federal de combate às fake news
O combate às fake news ganhou um novo e importante capítulo nesta semana com a Polícia Federal realizando uma série …
3
Witzel é alvo da PF; Zambelli antecipa operação em entrevista
A Polícia Federal iniciou nesta terça-feira, 26, a Operação Placebo, que apura desvios na Saúde do Rio de Janeiro nas …
4
‘Na Fila do SUS’ retrata o sucateamento da saúde pública em plena pandemia
 'Na Fila do SUS' é uma websérie em formato original com seis episódios que estreia disponível exclusivamente, na plataforma online …
5
Governo libera uso da cloroquina para pacientes em estado leve da covid-19; classe médica discorda
Após pressão do presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde cedeu e ampliou o  protocolo para uso da cloroquina e …
6
Felipe Neto no Roda Vida: confira os principais momentos do programa
Convidado do Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, 18, o youtuber Felipe Neto afirmou que faz um …
7
Flávio Bolsonaro rebate acusação feita por Paulo Marinho sobre o caso Queiroz
O senador Flávio Bolsonaro rebateu a acusação feita pelo empresário Paulo Marinho em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo …
8
Entenda os motivos do pedido de demissão do ministro da Saúde, Nelson Teich
Antes mesmo de completar um mês à frente do Ministério da Saúde, o ministro Nelson Teich pediu demissão do cargo …