MP exige abertura de inquérito contra Datena em caso de assédio

Apresentador fez longo desabafo sobre as acusações de Bruna Drews ao vivo na TV

Por: Redação | Comunicar erro

Assim que tomou ciência do caso de assédio sexual envolvendo José Luiz Datena, o Ministério Público do Estado de São Paulo determinou à Polícia Civil a abertura de um inquérito para investigar a denúncia de Bruna Drews, que acusa o apresentador da Band de abuso.

Após o inquérito, um promotor decidirá se dará sequência à denúncia, e caso opte pelo arquivamento, o caso terá de ser homologada por um juiz, segundo o “Notícias da TV”.

datena assédio sexual bruna drews
Crédito: Reprodução/Band e InstagramDatena fez desabafo no “Brasil Urgente”, após acusações de assédio sexual de Bruna Drews

No “Brasil Urgente”, ao vivo, da última segunda-feira, 21, embora não tenha citado nomes, o jornalista fez um desabafo sobre a situação.

“É claro que vou dar uma satisfação para os meus telespectadores sobre o que está acontecendo. Mas vai ser uma coisa rápida, porque quem vai cuidar disso primeiro é Deus, depois a Justiça […] É evidente que estou triste, sou um ser humano. E um ser humano quando enfrenta qualquer acusação mentirosa, embutida de calúnia e com o sentido de ferir, que vem principalmente de quem você não espera, claro que fica chateado. Claro. Minha avó dizia que quando você está montado em cima da verdade, você enfrenta quem quiser. Eu acredito na Justiça de Deus e dos homens. Não tenha dúvida disso”, iniciou.

Datena disse ainda que, após a acusação, sua família tem sido vítima de ataques nas redes sociais. “Evidente que eu fico chateado quando não só eu, mas também a minha família é atacada, principalmente as mulheres da minha família. Eu sou casado há 41 anos, tenho filha, netas, noras, [que] são atacadas de uma maneira baixa na rede social, é claro que isso dói meu coração, principalmente porque são palavras mentirosas que me colocam em destaque na imprensa”, completou.

O comunicador ainda reiterou: “Vou continuar trabalhando, fazendo o meu papel que sempre fiz. Me abater é claro que vai, mas não vai abalar a ponto de quebrar as minhas pernas […] Eu já enfrentei muita gente perigosa, enfrento até hoje, já enfrentei muita calúnia, já enfrentei muita mentira, já enfrentei gente que achava que ia me destruir porque eu falo a verdade. Não é dessa vez que eu vou dobrar os meus joelhos, de forma alguma. Espero só que a Justiça mostre o que é verdadeiro”.

Por fim, Datena mandou um recado ao público que o acompanha pela TV: “Estou dizendo isso não é para imprensa nem pra ninguém, é pra você que me assiste há tanto tempo, pra você que me para na rua pra tirar foto, pra sua família. Tenho o maior respeito. É por você, telespectador da Band. Acredite em mim porque a Justiça vai provar que o que eu digo é verdade”.

Compartilhe:

1 / 8
1
08:52
Machismo em escolas de samba
Carolina Ribeiro, musa da Unidos de Vila Maria, na zona norte de São Paulo, é a convidada do programa Entrevista …
2
02:06
Como ajudar outras mulheres no Carnaval
O Carnaval chegou e para evitar que algumas coisas chatas e sérias estraguem a sua folia, separamos algumas dicas para …
3
00s
Quem foi Chico Mendes?
Chico Mendes nasceu em Xapuri, no Acre, em uma família de seringueiros, ofício que herdou de seu pai. Ao longo …
4
11:47
Não é Não: tatuagens contra o assédio no Carnaval
Luka Campos, idealizadora da campanha Não é Não, foi a convidada pelo programa Entrevista por Catraca Livre desta semana para …
5
01:40
Desvio em fundos de incentivo para mulheres
O Supremo Tribunal Federal e Tribunal Superior Eleitoral determinaram que 30% dos fundos públicos de financiamiento de campanhas sejam destinados …
6
15:17
Sai Jean Wyllys, entra David Miranda
David Miranda, substituto de Jean Wyllys como deputado federal, é o convidado de estreia do programa Entrevista por Catraca Livre. …
7
01:37
Saiba o que muda com o novo decreto de posse de armas
Conforme prometido durante a campanha eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro assinou o decreto que flexibiliza a posse de armas no Brasil. …
8
01:27
Rosa para meninas e azul para meninos?
Ao longo da história muita coisa mudou, inclusive a forma como meninos e meninas eram vestidos. No século XVIII, por …