Nosso Dia da Mulher tem gosto de revanche contra a humilhação

Por: Redação | Comunicar erro

Quando lançamos há quatro anos a campanha contra o assédio no Carnaval, fomos alvo de todo o tipo de críticas e mesmo deboches.
Seria uma “bobagem feminista” ou “mimimi”.
Fomos ridicularizados pelos haters em milhares de posts.
Mas não desistimos.
Neste ano, nossa campanha nunca esteve tão forte, com tão parceiros e apoios de marcas.

Abaixo, alguns comentários.

Coletivos feministas

Em seus primeiros três anos, a campanha teve o suporte maciço de coletivos feministas. Além disso, foram apurados relatos para mapear as ocorrências de assédio no Carnaval por todo o Brasil.

“Para este ano, decidimos chamar instituições de ainda mais peso para lutar pela causa”, conta Paula Lago, responsável pela campanha #CarnavalSemAssédio da Catraca Livre. “A ação precisava dar um passo além.”

Frentes de combate

Então, neste Carnaval de 2019, entraram como parceiros a Prefeitura de São Paulo e a Rua Livre, produtora de blocos que pensa ações de impacto social para a folia e para a cidade.

A força desse time passou a atuar em duas grandes frentes de combate ao assédio nos dias de festa.

Anjos do Carnaval

Uma delas é constituída por um grupo de Anjos do Carnaval. Trata-se de uma equipe de voluntários treinados que acolhe e orienta mulheres e LGBTs vítimas de assédio nos blocos.

Aliás, esses benfeitores “angelicais” também ficam de olho em assediadores localizados em cima dos trios elétricos e em blocos parceiros da campanha.

Voluntária entrega adesivos da campanha #CarnavalSemAssédio
Crédito: Gabriel Nogueira/Catraca LivreVoluntária entrega adesivos da campanha #CarnavalSemAssédio

Em paralelo, as vítimas de assédio são encaminhadas para um Ônibus Lilás. O veículo foi cedido pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania especialmente para a campanha, como ponto fixo de atendimento e espécie de “quartel-general”.

Assim, no ônibus, mulheres e LGBTs são atendidas por profissionais capacitadas – uma psicóloga, uma assistente social e uma advogada.

Avanços

As ações incluem a distribuição de 90 mil adesivos em blocos de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Olinda (PE), trabalho também feito por voluntários.

No sábado (23/2), a campanha começou efetivamente nos blocos paulistanos Casa Comigo e Toca Um Samba Aí.

Por sinal, a coordenadora da #CarnavalSemAssédio, Paula Lago, diz já ter percebido um avanço em termos de conscientização neste Carnaval.

O Ônibus Lilás, espécie de quartel-general da campanha
Crédito: Divulgação/Prefeitura Municipal de São PauloO Ônibus Lilás, espécie de quartel-general da campanha

“O que mais me chamou a atenção neste ano é que as pessoas estão aceitando melhor quando você começa a falar sobre a questão do assédio”, afirma Paula. “Em anos anteriores, quando íamos entregar adesivos da campanha nos blocos, havia meninas que os recusavam dizendo coisas do tipo ‘Eu quero ser assediada’.”

Segundo a coordenadora, é possível entender a dificuldade de falar sobre o tema em um bloco, muito pela questão cultural.

“O que essas mulheres queriam, na verdade, era ser paqueradas, o que é bem diferente de assédio”, especifica. “Assédio é crime. As meninas agora estão recebendo melhor a mensagem, elas querem falar sobre isso e não aceitam mais que o assédio seja normalizado pela sociedade. É um passo importante.”

Parceiros

Além da Catraca Livre, da Rua Livre e da prefeitura, a ação conta com uma ampla rede de parceiros que inclui o Ministério Público, a ONU Mulheres, o Conselho Estadual da Condição Feminina, a Comissão da Mulher Advogada (OAB), o Metrô de São Paulo, a Delegacia da Mulher, o coletivo Não é Não, a ONG Engajamundo, a ONG Plan International, a JC Decaux, a Rede Nossas, a agência Fiquem Sabendo e a gráfica Lumi Print.

Nos últimos três anos, a campanha também teve o apoio da ONU Mulheres, da revista “Azmina”, dos coletivos “Agora é que são elas”, “Nós, Mulheres da Periferia” e “Vamos juntas?”, das redes Minha Sampa e Meu Recife e de cerca de 50 blocos de rua do Brasil, incluindo os feministas Mulheres Rodadas e Maria Vem com as Outras.

Os blocos que quiserem apoiar a campanha podem mandar e-mail para cidadania@catracalivre.com.br.

“O assédio e a violência no Carnaval não vão se resolver por inércia”, reforça Paula Lago. “É preciso encarar o problema.”

Todos os conteúdos da campanha #CarnavalSemAssédio são apoiados oficialmente pela 99.

Compartilhe:

1 / 8
1
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
2
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
3
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
4
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
5
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …
6
02:10
Danilo Gentili faz a mais impactante piada sobre Eduardo Bolsonaro
Foi o ataque mais devastador à Jair Bolsonaro. Não apenas porque suas piadas sobre a indicação de Eduardo Bolsonaro viralizaram …
7
02:59
É exagero comparar Joel Santana com Eduardo Bolsonaro?
Você pode achar que o título desse vídeo é exagerado. Afinal, poucas coisas podem ser piores do que o inglês …
8
03:49
Curiosidades sobre os 50 anos da chegada do homem à lua
Há exatos 50 anos um grupo de astronautas americanos pousava na lua pela primeira vez. O momento foi um dos …