CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Olavo inventa que Bill Gates é culpado por coronavírus no Brasil

O guru de Bolsonaro divulgou um boato sobre o vírus

Por: Redação
Olabo de Carvalho
Crédito: Reprodução/YouTubeO filósofo publicou em suas redes sociais um vídeo com o boato

Olavo de Carvalho, o guru do presidente Jair Bolsonaro, inventou uma fake news sobre a chegada do coronavírus no Brasil. Segundo ele, o culpado é Bill Gates, criador da Microsoft.

Antes mesmo do Ministério da Saúde, o filósofo publicou em suas redes sociais um vídeo de um youtuber afirmando que a patente do vírus é do criador da Microsoft.

“O Bill Gates patenteou o coronavírus e tudo isso tem um objetivo: redução populacional”, declarou o autor do vídeo, sem dar qualquer explicação da relação entre os fatos.

Crédito: Reprodução / YouTubePost de Olavo de Carvalho no Facebook

Quais os sintomas e tudo o que se sabe até agora sobre o coronavírus

As mortes causadas pelo novo coronavírus já passam de 170 e o número de pessoas infectadas não para de crescer. De acordo com o último balanço oficial, já são mais de 7 mil os casos. Além de China, a variante do vírus já chegou a países como os Estados Unidos, Austrália, Japão, França, Alemanha e a lista só aumenta a cada dia. No momento, 9 casos suspeitos estão sendo investigados no Brasil, segundo o Ministério da Saúde.

Os pacientes estão localizados em Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Ceará. Desses, três estão na capital paulista.

|Um mapa online reúne as informações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para acompanhar, em tempo real, a evolução do coronavírus no mundo. Veja aqui.

mapa mostra países com casos de coronavírus
Crédito: Reprodução/gisanddata.mapsInfecções que começaram na China se espalham para outros países

O 2019-nCoV, como é denominado oficialmente, foi descoberto em dezembro de 2019, quando apareceram os primeiros casos na cidade de Wuhan, província de Hubei, na China. No início, muitos dos pacientes infectados tinham alguma ligação com um grande mercado de frutos do mar e animais vivos da cidade chinesa. Mais tarde, um número crescente de pacientes que não tiveram exposição a mercados de animais também foram diagnosticados, indicando a disseminação de pessoa para pessoa.

O novo coronavírus faz parte de uma ampla família de vírus que pode causar desde um resfriado comum até problemas respiratórios que levam à morte.

ilustração mostra coronavírus no microscópio
Crédito: Naeblys/istockO novo coronavírus compromete o sistema respiratório e pode levar à morte

De acordo com a infectologista Thaís Guimarães, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP), a incubação do 2019-nCoV varia entre um e 14 dias. Isso significa que, durante esse período, pessoas infectadas podem não apresentar sintomas e sequer saber que carregam o vírus. “A maior transmissibilidade acontece quando o indivíduo começa a apresentar os primeiros sintomas, que incluem a febre”, explica a médica.

Abaixo, a infectologista responde às principais dúvidas sobre os sintomas, transmissão e tratamento; confira:

O que é esse novo coronavírus?

É uma família de vírus que habitualmente causam infecções em animais, como morcegos e cobras, mas que também podem causar sintomas em humanos. O coronavírus da primeira epidemia, que foi em 2003, causava síndrome respiratória crônica e também começou na China. Depois, a gente teve uma outra epidemia em 2012, também na China, causando síndrome respiratória grave também e agora a gente tem um novo subtipo, que é a mesma classe de vírus, só que hoje a gente consegue detectar por biologia molecular algumas pequenas variações. Por isso, ele está sendo chamado de novo coronavírus.

Qual o potencial de contaminação?

Como é um vírus de transmissão respiratória, ele é transmitido pelas secreções respiratórias. Quando indivíduo fala ou espirra, ele expele gotículas que contêm o coronavírus que podem passar para outras pessoas. O potencial de doenças respiratórias é muito grande porque a transmissão acontece pelo ar e a gente não tem muito como conter.

A transmissão pode acontecer de outra forma, além da via aérea?

Essa transmissão também pode acontecer através das mãos contaminadas pela secreção respiratória. Se a pessoa infectada passa a mão no nariz ou tosse com a mão na boca, por exemplo, e pega na maçaneta, uma segunda pessoa que também pegar nessa maçaneta e levar a mão até a boca, poderá se contaminar com o vírus.

O Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso suspeito de coronavírus no Brasil. Existe um perigo real de disseminação do vírus por aqui?

Existe porque as pessoas acabam viajando, então, a gente tem muito deslocamento de pessoas por avião ou por meios terrestres. Um primeiro caso pode ter potencial de transmissão secundária para novos casos, tanto em Belo Horizonte, como para outros estados do país.

Quais são os principais sintomas e como eles podem progredir?

São os sintomas respiratórios, tosse, dificuldade para respirar, dor de garganta, acompanhada de febre. É muito semelhante com qualquer outra virose respiratória, como gripe, influenza, resfriado, só que os sintomas tendem a ser mais graves, podendo evoluir para insuficiência respiratória aguda, que é quando o paciente precisa de ajuda de ventilação mecânica.

Há algum sintoma mais específico desse novo coronavírus que o difere de outros vírus de doenças respiratórias?

Não existe, e esse é o problema. Os sintomas do novo coronavírus se assemelham com todos os outros de vírus respiratórios, como gripe, rinovírus, vírus respiratório sincicial. A gente acaba coletando o painel viral para tentar fazer o diagnóstico de outros vírus respiratórios também.

Após a infecção, quanto tempo leva para que os primeiros sintomas apareçam?

Habitualmente, em duas semanas já aparecem os primeiros sintomas. O período de incubação é de 14 dias.

Uma pessoa infectada, antes de aparentar os primeiros sintomas, já pode transmitir o vírus?

A gente considera início dos sintomas quando aparece a febre, e a maior transmissibilidade acontece quando o indivíduo começa a apresentar os primeiros sintomas, que incluem a febre.

O Carnaval atrai muitos turistas de fora, isso pode aumentar o risco de coronavírus no país? Qual a recomendação?

Durante o Carnaval pode sim aumentar o risco de contaminação. Em ambientes abertos, é mais difícil porque o vírus, em contato com o ar, não dura muito tempo. Mas o contato muito próximo com a pessoa é que faz a transmissão. Então, beijar na boca ou ter um contato muito próximo, aumenta a exposição ao vírus. Em bailes fechados, esse risco aumenta ainda mais.

O uso de máscaras cirúrgicas protege contra o vírus?

Esse uso de máscara não é 100% protetor porque a gente tem o contato com o vírus através das mãos contaminadas também. Mas ela ajuda no caso de transmissão via respiratória.

O que é considerado um caso suspeito?

É o paciente que apresenta febre e sintomas respiratórios, como tosse, dificuldade de respirar e dor de garganta. Esses são os critérios clínicos, mas além do critério clínico precisa do critério epidemiológico, que é ter estado 14 dias antes do início dos sintomas em áreas que tenham tido transmissão, como a China, Tailândia, Estados Unidos e outros países que já tiveram casos detectados.

Quais os cuidados a pessoa deve ter se for viajar para a China?

Depende da região para onde ela for porque os casos estão concentrados nas províncias de Wuhan e Guangdong. Então, se tiver uma viagem para esses lugares é melhor não ir. Se a viagem for inevitável, a recomendação é evitar aglomerações, ambientes fechados, além de adotar as medidas básicas de higiene, como higienização das mãos, principalmente com álcool 70%, etiqueta de tosse e evitar contato com pessoas doentes.

Como é feito o tratamento para o novo coronavírus?

Hoje, não existe antiviral com atividade específica contra o novo coronavírus. O tratamento é suporte com relação aos sintomas clínicos, com antitérmico para febre, analgésico para dor e medidas de ventilação mecânica, caso o paciente tenha uma insuficiência respiratória aguda grave, que é o cenário de Terapia Intensiva.

O Brasil está preparado caso o vírus chegue aqui?

Está tendo toda uma mobilização através do Ministério da Saúde e das secretarias de estado para verificar unidades que tenham leitos de isolamento respiratório para atendimento desses pacientes. A gente precisa de detecção precoce para poder impedir a transmissão de casos secundários. Como hoje as pessoas viajam muito a turismo, a transmissão do vírus é esperada que chegue a qualquer local.

Os profissionais de saúde precisam estar alertas para que pessoas com sintomas e que tenham vindo de regiões onde está tendo transmissão do vírus sejam internadas em isolamento, façam o diagnóstico para reprimir a transmissão secundária.

Compartilhe:

1
Como vai funcionar a renda básica emergencial de R$ 600?
Os trabalhadores de baixa renda sem carteira assinada vão poder contar com uma renda básica emergencial do governo para lidar …
2
Bolsonaro prefere ser ‘do contra’ e luta sozinho contra o isolamento social
O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), insiste em desafiar as recomendações do Ministério da Saúde e da Organização …
3
E se Bolsonaro foi contaminado com coronavírus?
O que não passava de pura especulação e teoria da conspiração tem ganhado ares de verdade com novos capítulos envolvendo …
4
Coronavírus: Câmara aprova auxílio de R$600 para pessoas de baixa renda
A Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira, 26, uma medida que prevê o pagamento de R$600 para trabalhadores de baixa …
5
Bolsonaro e o coronavírus: um presidente na contramão do mundo
O pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na noite de terça-feira, 24, pegou de surpresa integrantes do governo e …
6
Entenda a MP da Morte: da polêmica e revogação por Bolsonaro até o erro de redação de Guedes
Em apenas uma canetada o presidente Jair Bolsonaro autorizou empresas a suspenderem contratos com seus empregados por 4 meses, sem …
7
Coronavírus no RJ: a situação dos transportes e dos comércios
O Rio de Janeiro adotou medidas mais severas para conter o avanço do novo coronavírus. O governador do estado, Wilson …
8
Eduardo Bolsonaro cria crise diplomática ao culpar a China pelo coronavírus
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) meteu o pé pelas mãos, botou a culpa do coronavírus totalmente na China e …