Organização Change.org usa o poder da internet para espalhar boas causas pelo mundo

Maior plataforma de abaixo-assinados online do mundo, a empresa acumula processos vitoriosos e causas importantes

Por: Redação | Comunicar erro

Quem passa um bom tempo em redes sociais certamente encontra, dentre grandes inutilidades, algumas coisas úteis como petições de abaixo-assinados. Uma empresa contribui para que, pelo menos, as propostas mais sérias cheguem ao conhecimento do maior número possível de pessoas.

A Change.org nasceu em 2007 como um blog comum voltado para a mudança social. Hoje, é um site internacional que ajuda pessoas comuns a usar a internet para mobilizar outras pessoas e é considerada a maior plataforma de abaixo-assinados online do mundo, com 30 milhões de usuários espalhados por 196 países.

No Brasil, o site ajuda pessoas, grupos de pessoas, movimentos ou instituições a coordenarem suas campanhas, colocando em prática experiências em  estratégias de mobilização, divulgação, imprensa e impacto político.

reprodução
O processo para criar um abaixo-assinado é simples, basta ter uma boa causa

A intenção é que cada vez mais pessoas participem, promovendo causas  e ajudando as já existentes. Para criar um abaixo-assinado, basta informar alguns dados, como o motivo, quem seria beneficiado e quem deve agir para mudar a situação.

Vitória

Algumas causas famosas já passaram pela Change.org.  Em 2012, o produtor multimídia Artur Silva fez a gigante da comparação de preços Buscapé rever sua política e proteger os internautas contra lojas não recomendadas pelo Procon-SP.

As lojas não recomendadas apareciam nas buscas, levando muitas pessoas a acreditar que elas tinham o aval do Buscapé, quando não tinham. Silva reuniu mais de 6 mil assinaturas em menos de duas semanas e, logo no início de 2013, recebeu a resposta positiva da empresa.

Ainda é tempo

divulgação
As baianas do acarajé de Salvador querem ter o direito de trabalhar na Copa do Mundo

Causas importantes ainda estão em andamento, como o abaixo-assinado criado pelas baianas do acarajé de Salvador. Elas descobriram que, por determinação da Fifa, seriam excluídas da Copa do Mundo, mesmo aquelas legalmente credenciadas para vender dentro do Estádio da Fonte Nova. A Fifa proíbe o comércio ambulante num raio de 2km de todos os estádios no Brasil durante a realização dos jogos.

Vale lembrar outra campanha, a promovida pelo Conselho Regional de Psicologia de São Paulo, que busca, diante da pressão da “bancada evangélica”, manter válida a decisão científica tomada pelo Conselho Nacional de Psicologia há dez anos: proibir que se realizem terapias de “cura gay” como se fossem terapias psicológicas.

Compartilhe:

1 / 8
1
05:53
Síndrome de Bolsonaro explica embate com o vice-presidente
A batalha contra o vice Hamilton Mourão virou uma bomba para Jair Bolsonaro. Acabou em um desastrado vídeo postado no …
2
20:44
São Paulo, capital da Cultura | Entrevista por Catraca Livre
Atuando como Secretário Municipal de Cultura em São Paulo desde janeiro desse ano, Alê Youssef ainda está no começo da …
3
07:26
STF e o limite da liberdade de expressão
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, anunciou em março a abertura de um inquérito para investigar casos …
4
01:03
Ex-presidente do Peru tenta suicídio após receber ordem de prisão
O ex-presidente do Peru Alan García morreu nesta quarta-feira,17, após atirar contra si mesmo em uma tentativa de suicídio em …
5
04:45
Famosos fazem desabafo sobre depressão
Recentemente, o humorista Whindersson Nunes publicou uma série de posts em sua rede social desabafando sobre um sentimento profundo de …
6
01:32
Quem disse que não dá para surfar na cidade?
A Surf House Brasil é o lugar perfeito para você quer aprender a surfar ou ficou com saudade de pegar …
7
01:45
Catedral de Notre Dame: 8 séculos de história queimam em Paris
Um incêndio de grandes proporções atingiu a Catedral de Notre Dame, em Paris. O local é um dos pontos turísticos …
8
02:29
Vídeo analisa a maior irresponsabilidade na vida de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro mandou desativar os radares de rodovias federais. Será que é uma boa ideia? A Folha de São …