Padrasto é preso acusado de afogar enteado de 7 anos na lama

Corpo da criança ficou submerso em um lamaçal em Goiânia por 7 dias até ser encontrado

Por: Redação

Nesta sexta-feira, 31, a Polícia Civil de Goiá prendeu dois suspeitos de terem assassinado o menino Danilo Sousa Silva, de apenas 7 anos de idade. O corpo da criança foi encontrado na última segunda-feira, 27, submerso em lama em Goiânia.

Um dos presos é o padrasto do menino, Reginaldo Lima Santos, que afirmou ser “inocente” e “vítima de uma armação”. O outro é um conhecido da família, Hian Alves de Oliveira, de 18 anos, que confessou ter ajudado no crime, segundo informou a polícia.

menino
Crédito: Reprodução/TV AnhangueraPadrasto de menino encontrado submerso na lama é preso

Danilo desapareceu no dia 21 de julho. Conforme relatos de familiares, ele teria saído de casa, no Parque Santa Rita, bairro da periferia de Goiânia, dizendo que iria para a casa da avó. Seis dias depois, as buscas realizadas por equipes da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) encontraram o corpo do garoto em um lamaçal, numa mata que fica a 100 metros da casa onde ele morava.

Os peritos que analisaram o corpo da criança observaram, de imediato, as características de assassinato, e o caso foi encaminhado para a Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH), que criou uma força-tarefa para desvendar o ocorrido. Os laudos indicaram que Danilo morreu asfixiado, ao inalar a lama e a água do local onde foi encontrado, mas destacaram também a presença de ferimentos ocasionados por pauladas, inclusive o deslocamento do crânio.

Violência infantil: saiba identificar os sinais e como denunciar

Meninos e meninas são expostas a inúmero tipos de violência infantil no mundo todo. As violências e os acidentes são as maiores causas das mortes de crianças, adolescentes e jovens de 1 a 19 anos, no Brasil.

O país é líder no ranking de violência infantil da América Latina. No recorte nacional, três em cada dez pessoas conhecem pessoalmente uma criança que já sofreu violência.

Veja aqui como denunciar.