Projeto espalha crochê pelas ruas para empoderar as mulheres

O projeto #AsFloresDaPele espalhou lambes pela cidade de São Paulo para mostrar o poder das mulheres

Transformar o espaço público por meio da arte e promover o empoderamento feminino. Esse é o objetivo do projeto #AsFloresDaPele, idealizado pela artista Karen Bazzeo, da DoloreZ CrocheZ, em parceira com o fotógrafo Lucas Hirai. A iniciativa tem levado às ruas da cidade de São Paulo uma união entre fotografia, crochê, lambe-lambe e feminismo.

As fotos de mulheres fortes e com os seios à mostra, no formato de lambe-lambe com aplicação de crochê, trazem a força do poder feminino para os muros da capital paulista. Para ser produzido, o ensaio teve a participação de oito amigas da designer, que também lutam contra a desigualdade de gênero.

Em entrevista ao Catraca Livre, Karen explica o nome dado ao projeto: “Ele se refere à expressão ‘à flor da pele’, que representa um sentimento latente presente nas mulheres. Neste caso, o próprio corpo foi utilizado como expressão, quando na maioria das vezes ele é visto de forma erotizada e não natural”.

Foto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes

Até o momento, foram espalhadas oito imagens pela cidade. “São oito corpos, formas, texturas e cores que se entrelaçam, revelando de forma crua e com ternura as expressões de liberdade feminina e seu poder criativo”, conta a artista.

Os lugares escolhidos para as intervenções foram: Praça Roosevelt, Praça da Bandeira, rua Clélia (Pompéia), Galeria 540 (Pinheiros), rua Artur de Azevedo (Pinheiros) e Avenida Angélica (Santa Cecília). Mas a intenção é espalhar ainda mais lambes e em tamanhos variados.

Como surgiu o projeto

O projeto nasceu a partir de um encontro despretensioso entre oito amigas. Após uma primeira reunião, as conversas passaram a ser mais frequentes e sempre esbarravam em assuntos voltados ao universo feminino, ativismo e poder da mulher na arte contemporânea. “Especialmente no final dos encontros, todas se sentiam mais livres e empoderadas, e menos censuradas”, ressalta a artista.

Pensando nisso, Karen e Lucas decidiram transformar esses debates em algo que pudesse influenciar o dia a dia da cidade, criando a iniciativa #AsFloresDaPele.

Foto: Nick Gomes
Crédito: loBoFoto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Crédito: loBoFoto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Crédito: loBoFoto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Crédito: loBoFoto: Nick Gomes
Foto: Nick Gomes
Crédito: loBoFoto: Nick Gomes

Em seu ateliê Dolorez Crochez, a designer já realizou outras intervenções urbanas usando as linhas como ferramenta. “Minha luta é pelo reconhecimento do crochê como arte e instrumento empoderador, em especial quando falamos do movimento feminino na cena urbana”, afirma. Confira o site, o Instagram e a página no Facebook da artista.

Já Lucas Hirai é um fotógrafo autodidata, que trabalha com fotografia de rua e explora suas formas de expressão e interação com o meio urbano. Saiba mais em seu site e no Instagram.

A respeito do projeto, Karen ainda relata que o intuito das imagens é tornar natural o que comumente é visto como erótico e mudar o olhar da mulher em relação ao próprio corpo. “As fotos falam de diferenças, aceitação, quebra de paradigmas e padrões impostos pela sociedade. Sobretudo, elas refletem sobre a luta e a resistência feminina”.

Por causa da ótima repercussão, a iniciativa será transformada em uma exposição que ainda não tem data confirmada.

Compartilhe: